Em Brasília
Atualizado em: 04/08/2011 - 3:45 pm

Ex Ministro da Defesa, Nelson Jobim

A presidente Dilma Rousseff decidiu na manhã desta quinta-feira (4) demitir o Ministro da Defesa, Nelson Jobim. Em uma entrevista à revista Piauí, Jobim chama o governo Dilma de atrapalhado”, diz que a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, é “fraquinha”, e que Gleisi Hoffmann, ministra-chefe da Casa Civil, “não conhece Brasília”. Um dos nomes cotados para substituí-lo é o do atual ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo.

Por conta de outras declarações, Jobim já estava na lista dos auxiliares de Dilma que ela deve tirar do governo na primeira reforma ministerial, no final deste ano ou no início de 2012. Agora, com a entrevista à revista, que chega nesta sexta-feira ( 5,) às bancas, a presidente deciciu pela demissão imediata de Jobim, desistindo da ideia de não mexer no governo enquanto não assentar a poeira da base aliada levantada pela crise política no Ministério dos Transportes, Dnit e Valec.

Em recente entrevista concedida ao programa “Poder e Política”, da Folha de S. Paulo e UOL, Jobim criou incomodo no Planalto ao fazer questão de revelar que, nas eleições do ano passado, votou no candidato tucano José Serra, o adversário da candidata vencedora, Dilma Rousseff.

Leia mais:
ISTOÉ revela: “As negociatas do ministro Nascimento”
Ministro da Agricultura presta esclarecimentos sobre denúncias nesta quarta
Governo Dilma decide demitir Ministro dos Transportes

Com informações do Estadão



2 comentários







2 comentários
Topo | Home


Giuseppe Fabrizio | sexta-feira agosto 5 2011 | 11:24

Eu sempre nutri admiração pelo ex-ministro e contiuo assim. Foi ingenuidade o Lula achar que poderia contar com ele de forma permanente no governo, pois pareceu sempre destoar das idéias gerais do PT. Francamente, acho que ele estava mesmo querendo cair fora e esperava uma oportunidade pra se redimir com os tucanos. E de preferência fazendo estrago. Contudo ele não está totalmente equivocado nas suas afirmações. Ele fêz como a hemorróida: a gente sabe que está alí numa boa, mas é certo que um dia vai dar problema.

Moi Même | quinta-feira setembro 15 2011 | 13:32

Uma laranja podre estraga as demais. Mas uma laranja boa não faz sanar as podres…