Banheiros Fantasmas
Atualizado em: 22/05/2012 - 3:18 pm

Moradores do Ipu protestam em Fortaleza e cobram análise do pedido de prisão de Sávio Pontes pelo suposto envolvimento do prefeito no caso dos Banheiros Fantasmas. Foto: Caroline Ribeiro

Moradores do município do Ipu realizaram um protesto na manhã desta terça-feira (23) em frente ao Tribunal de Justiça do Ceará (TJ). A Organização Representativa dos Amigos do Ipu (Orai), reuniu cerca de 200 pessoas para cobrar punição ao prefeito da cidade Sávio Pontes (PMDB), que é acusado de envolvimento no escândalo dos Banheiros Fantasmas.

A Assessoria do TJ confirmou à reporter Caroline Ribeiro, da TV Jangadeiro, que um pedido de prisão contra o prefeito Sávio Pontes está em análise pelo desembargador Francisco Darival Beserra Primo desde o dia 26 de março.

Celeridade

Os manifestantes cobram celeridade na análise do pedido de prisão, feito pelo Ministério Público do Ceará no dia 26 de março de 2012. “É um absurdo! Todas as fraudes já estão comprovadas pelo Ministério Público e o prefeito continua solto”, diz Sebastião da Silva, vice-presidente da Orai.

Ainda segundo a assessoria do Tribunal, a demora na resposta ao pedido de prisão acontece uma vez que o caso envolvendo o prefeito Sávio Pontes “é um processo complexo e que, por isso, a análise está sendo feita com muito critério pelo desembargador”.

Protesto
A justificativa não agradou os manifestantes que cobram maior agilidade para o processo.
“Isso é inadimissível! O prefeito [Sávio Pontes] bate no peito e diz pra quem quiser opuvir que é ‘blindado’ e ninguém faz nada! Até quando essa situação vai continuar?”, reclama  Ivna Mororó, presidente do Sindicato do Servidores Públicos de Ipu.

Leia ainda:
Secretaria das Cidades também financiou banheiros fantasmas em Ipu  
Secretaria das Cidades e Prefeito de Ipu rebatem denúncias sobre fraude em kits sanitários

Desvio
Sávio Pontes é acusado de envolvimentono esquema dos Banheiros Fantasmas que, segundo a denúncia, desviou R$ 3.159.000,00 (três milhões, cento e cinquenta e nove mil reais) dos cofres públicos. O dinheiro era destinado à construção de 2.108 kits sanitários no município. A construção, no entanto, não seguiu o plano de trabalho.

Com informações da repórter Caroline Ribeiro



0 comentários







0 comentários
Topo | Home