Greve
Atualizado em: 06/06/2011 - 6:45 pm

Comando de greve dos professores em reunião, na semana passada, com representantes da Câmara Municipal. Foto: Kézya Diniz

Os professores da rede municipal de ensino de Fortaleza cumpriram agenda de mobilização em frente ao Tribunal de Justiça do Ceará nesta segunda-feira (06). Uma comissão do comando de greve participou de uma audiência de conciliação com representantes da prefeitura da capital sobre o pedido de dissídio coletivo da categoria, em greve há 40 dias.

“Nós estamos aqui no Tribunal de Justiça para que o Tribunal obrigue a prefeitura de Fortaleza a cumprir uma Legislação. Nós não estamos discutindo a Lei do Piso, isso nós já fizemos ao longo de 20 anos. Nós estamos aqui pra dizer: Justiça seja feita, paguem imediatamente o Piso dos professores porque é Lei e deles não abrimos mão”, defendeu  Gardênia Baima, uma das diretoras do Sindiute.

Protesto
Já na entrada do TJ, os professores utilizaram faixas e palavras de ordem para protestar pelo pagamento do Piso Nacional do Magistério que, segundo os educadores, é de R$ 1.450, 00.

“Ô Luizianne, chegou a hora, ou paga o Piso ou eu não piso na escola”, diziam os professores em coro.

Suspensa
A imprensa não foi autorizada a entrar na sala de audiência. Após uma hora de sessão, a audiência mediada pelo desembargador Teodoro Silva, foi suspensa e remarcada para a próxima segunda-feira (13).

Emenda
A proposta de adiar a conciliação partiu do Ministério Público após a Procuradoria Geral do Município anunciar a apresentação de uma emenda ao Projeto de Lei que trata do reajuste da categoria na Câmara de vereadores da capital.

“Se através desse Projeto de Lei que deve tá sendo votado amanhã (terça-feira, 07), muitas dessas questões que estão sendo discutidas aqui podem estar sendo resolvidas”, disse a promotora de Justiça e Defesa da Educação, Elizabeth Almeida.

Propostas
A nova proposta de emenda substitutiva ao Projeto que trata do reajuste dos professores, apresentada na tarde desta segunda-feira (06) pelo presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Acrísio Sena (PT), estabelece o seguinte:

– Redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais;
– Implementação de 1/5 da jornada para planejamento de aulas, a partir do 2º semestre de 2012;
– Aumento retroativo a 13 de abril de 2011

Votação
Segundo Acrísio Sena, o Projeto de Lei e as emendas à matéria, serão incluídas na pauta de votações desta terça-feira (07). O presidente da Casa, avalia que proposta pode acabar com o impasse entre educadores e a gestão municipal.

“A interlocução da Câmara veio para avançar na solução deste impasse, em que hoje temos cerca de 230 mil alunos sem aulas”, ressaltou Acrísio.

Discussão
A proposta de emenda foi debatida com o Núcleo do Governo municipal, o líder do governo na Câmara, vereador Ronivaldo Maia (PT), o secretário de Administração, Vaumik Ribeiro e o coordenador de participação Popular, Elmano de Freitas, que acolheram as modificações à matéria.

Leia mais: Luizianne diz que não vai ceder à pressão e faz um apelo aos professores em greve

Sem diálogo
Mas os professores em greve, principais interessados na discussão, não foram convidados para a mesa de negociação com o Executivo. Resultado: já está certo que a matéria segue para votação nesta terça-feira sem que os professores tivessem acesso ao teor da proposta.

“Nesta terça-feira (07) nós vamos estar na Câmara, a partir das 9 horas, fazendo pressão no Legislativo de forma a conhecer esse projeto que nós ainda não conhecemos. Se não for de satisfação da categoria, a categoria vai continuar em greve por tempo indeterminado”,afirmou Cristina Guilherme, diretora do Sindiute.

Com informações da repórter Juliana Brito e do site da Câmara dos Vereadores de Fortaleza.



0 comentários







0 comentários
Topo | Home