Banheiros Fantasmas
Atualizado em: 22/05/2012 - 10:25 am

Manifestantes vão ao Fórum cobrar a análise do pedido de prisão, feito pelo ministério público, contra o prefeito Sávio Pontes

Moradores do município de Ipú, região da Ibiapaba, decidiram se organizar em caravana para realizar um protesto contra a demora na solução do caso dos Banheiros Fantasmas – o esquema de corrupção que desviou dinheiro do governo do Ceará, através da secretaria das Cidades, para a construção de Kits sanitários que nunca saíram do papel.

Mobilização
O protesto, organizado pela “ORAI – Organização Representativa dos Amigos de Ipu” acontece nesta terça-feira, 22 de maio, a partir das11 horas, na sede do Tribunal de Justiça do Ceará, situado em Fortaleza.

Os manifestantes afirmam que atuam “em defesa da moralidade na administração do município de Ipu e protestam contra a impunidade do Poder Judiciário até o momento, no caso dos Banheiros Fantasmas”.

Leia ainda:
Governo do Ceará financia esquema milionário de banheiros fantasmas    

Após denúncia: Associação fantasma em Pindoretama aluga sede e inicia atividades

Governo do Ceará pagou R$ 400 mil para construção de banheiros que não saíram do papel

Morosidade
Segundo os organizadores da mobilização, o caso envolvendo desvios na prefeitura do Ipú, e o prefeito da cidade, Sávio Pontes (PMDB), aguarda manifestação do Desembargador Francisco Darival Bezerra Primo desde o dia 26 de março.

Pedido de prisão
O desembargador ainda não respondeu ao pedido de prisão preventiva e o afastamento imediato do prefeito Sávio Pontes, solicitado pelo Ministério Público do Estado.

Leia ainda:
Secretaria das Cidades também financiou banheiros fantasmas em Ipu  
Secretaria das Cidades e Prefeito de Ipu rebatem denúncias sobre fraude em kits sanitários

Desvio
Sávio Pontes é acusado de envolvimentono esquema dos Banheiros Fantasmas que, segundo a denúncia, desviou R$ 3.159.000,00 (três milhões, cento e cinquenta e nove mil reais) dos cofres públicos. O dinheiro era destinado à construção de 2.108 kits sanitários no município. A construção, no entanto, não seguiu o plano de trabalho.

“Os ipuenses, não aguentando mais tanta demora nessa decisão, resolveram protestar diretamente ao Poder Judiciário, para que o mesmo não protele mais a decisão final”, diz, em nota, a organização do protesto.



0 comentários







0 comentários
Topo | Home