Eleições 2014
Atualizado em: 10/11/2012 - 9:44 am

Dilma divide o PSB em dois: O dos Gomes, que apoiam sua reeleição com espaço da vice para o PSB, e o de Campos, potencial adversário da reeleição da presidente em 2014. Foto: Agência Brasil

Em campanha para que o PSB integre a chapa majoritária na eventual candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff, o governador do Ceará, Cid Gomes, disse que “é mais justo” que seu partido indique o candidato a vice-presidente – cargo hoje ocupado por Michel Temer (PMDB). Em almoço com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, na quinta-feira, 8, o governador já havia defendido a indicação de Eduardo Campos, governador de Pernambuco, ao cargo.

“O PMDB é uma federação de lideranças locais, sem projeto nem unidade nacional – em cada Estado, o partido tem uma posição diferente, diferente do PSB, que é menor, mas é mais coeso”, avaliou Cid. “Além disso, tudo caminha para que o PMDB presida as duas Casas (Senado e Câmara Federal), então acho justo que o PSB também tenha uma participação.”

Temer
Sobre a posição de Temer, o governador sugeriu que ele disputasse uma vaga no Senado por São Paulo. “Ele teria grande chance de ser eleito e, nesse caso, de assumir a presidência do Senado, o que, para ele, seria até muito melhor do que ser vice-presidente”, afirmou, salientando que o “nome natural” do PSB ao cargo seria o de Eduardo Campos. “Essa é minha posição pessoal, ainda não conversei com ele (Campos) sobre isso.”

Eduardo Campos desconversa sobre 2014
Depois de ter seu nome defendido pelo governador cearense Cid Gomes (PSB), seu colega de partido, para compor a chapa majoritária de uma eventual candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff em 2014, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), desconversou. “Não podemos, de maneira nenhuma, encurtar o mandato da presidente Dilma, antecipando o debate eleitoral, esse é um debate que interessa à oposição, não a nós, que integramos o governo”, afirmou.

“Não estamos conversando organicamente sobre 2014, até porque nenhuma decisão que a gente tomasse hoje teria mais chance de acertar mais do que errar. As circunstâncias são muito importantes em um processo político como este. Nas eleições municipais, muita coisa que foi escrita dois anos antes não teve nenhum valor”, disse Campos.

Comento 1
Os jornais e o próprio Cid podem até falar que o espaço do PSB na chapa de Dilma para a reeleição em 2014 seria para Eduardo Campos. Mas aqui no Ceará, pessoas próximas não fazem tanta cerimônia ao revelar que a estratégia é colocar Ciro Gomes como vice de Dilma e convencer Eduardo Campos a disputar o Senado com o compromiss0 de troca de apoio anos depois.

Comento 2
Dilma claramente divide o PSB em dois: O dos Gomes e o de Campos. De um lado, Eduardo Campos se articula para reunir condições de disputar a Presidência da República em 2014, mesmo que seja contra a reeleição de Dilma. Do outro, os irmãos Cid e Ciro Gomes defendem publicamente e em todas as oportunidades o apoio do PSB à reeleição de Dilma. Para os Ferrira Gomes, o projeto presidencial de Campos pode ficar para 2018

Com informações do Estadão.com



0 comentários







0 comentários
Topo | Home