Greve
Atualizado em: 16/02/2012 - 12:53 pm

Cid afirma que palavra final é do MP e não vai intervir na decisão (Foto: Kézya Diniz)

O governador Cid Gomes disse, na manhã desta quinta-feira (16), que não vai intervir na decisão do Ministério Público do Ceará (MP-CE) de investigar supostos crimes cometidos por policiais e bombeiros militares durante a greve, deliberada no início do ano.

“Se vai, vai. Porque ele tem poder pra isso, pra abrir [a investigação contra os PMs] e a justiça é quem vai decidir”, disse Cid durante um “Café Político” com jovens empresários, na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).

Acordo
Durante a entrevista o governador lembrou que o acordo entre os policiais para por fim a greve era conceder a gratificação de R$ 920 e “enviar à Assembleia um pedido de aprovação para que a Corregedoria não abrisse ou não desse sequência aos processos, alguns deles até já instaurados, referentes ao movimento que é flagrantemente proibido, até pela Constituição. E acordo se cumpre, da nossa parte, nós cumprimos”, afirmou.

Punição
O pedido do MP foi feito em janeiro e, em seguida, encaminhado ao Comando da Polícia Militar e dos Bombeiros, que tem até março para apresentar um resultado. Caso seja confirmado o crime, os grevistas podem responder por motim, depredação de patrimônio público, além de abandono de função, com pena de até 20 anos de prisão e expulsão.

Cid não vai interceder
Questionado se iria interceder pelos policiais, Cid Gomes foi taxativo. “Eu não vou pedir ao Ministério Público. O Ministério Público tem iniciativa pra qualquer coisa, pra qualquer coisa. O Ministério Público, se desejar, eu não vou nem comentar”, disse o governador. Ele ainda afirmou que o órgão tem deveres e naturalmente a justiça é quem dá a palavra final.

Insegurança e caos
Durante a greve, que acabou no dia 3 de janeiro, os policiais esvaziaram pneus das viaturas, e deixaram de circular pela cidade, causando pânico na população. Neste mesmo dia, a cidade viveu momentos de insegurança, em que foram registrados arrastões e estabelecimentos comerciais tiveram de fechar as portas mais cedo.

Leia mais:
Greve da PM: Ciro fala em “conchavo”, chama policiais de “marginais” e “covardes” e diz que Cid foi coagido
Chances de nova greve da PM “são mínimas”, diz liderança da categoria
Taxistas e mototaxistas de Sobral realizam carreata contra paralisação da PM

Redação Jangadeiro Online, com informações da repórter Kézya Diniz



2 comentários







2 comentários
Topo | Home


rabelo | quinta-feira fevereiro 16 2012 | 18:38

É sério ser militar,eu já fui,e sei que desobedecer ordens é motim,agora,depredação de patrimônio público, além de abandono de função, com pena de até 20 anos de prisão e expulsão,é sério.E é a lei,é dura mais é a lei.Se houve excessos que investiguem,pois muitos serão punidos.A constituição é para ser obedecida,principalmente pelos fiscais da lei,senão a coisa vira gaudério,pândega,folgança.

amanda | quinta-feira fevereiro 16 2012 | 19:33

meu deus ja n basta o q no´s cearenc ja passamos , agora esse ministerio publico vem com essa agora isso e coisa desse governador em quando vida eu tiver nunca + eu e nem minha familia vot nesses ferreira gomes acorde cearenc si tiver nova greve a culpa vai ser desse governador cid gomes e o ministerio publico agora com essa, isso e pra boi dormir mim polp