Onda de Manifestações

Ciro manifesta entusiasmo mas critica bloqueio ao Aeroporto e chama Psol e PSTU de fascistas

Ciro manifesta entusiasmo mas critica bloqueio ao Aeroporto e chama Psol e PSTU de fascistas. Foto: Kézya Diniz
Ciro manifesta entusiasmo mas critica bloqueio ao Aeroporto e chama Psol e PSTU de fascistas. Foto: Kézya Diniz

“Aqui tem uma meia dúzia de oportunistas de partidos de esquerda que são repudiados, como o PSOL e o PSTU, que são partidos fascistas, impedindo turistas de pegarem um avião no fim da tarde. Isso significa atrapalhar o emprego de 300 mil cearenses, isso não tem cabimento”. Foi com essa declaração que o ex-ministro Ciro Gomes, irmão do governador Cid, criticou o bloqueio feito por manifestantes na avenida de acesso ao Aeroporto Pinto Martins, na tarde de domingo (23). As declarações foram feitas em entrevista à TV DN.

O protesto bloqueou as duas faixa da via, impedindo o acesso dos passageiros e obrigando os mesmos a desembarcarem dos veículos para seguir, a pé, carregando as bagagens até a entrada do aeroporto. Taxistas ficaram indignados e o clima ficou tenso. Alguns motoristas também tentaram furar o bloqueio. A polícia acompanhou a manifestação mas, dessa vez, não houve confronto.

Entusiasmo
Ciro Gomes esteve em frente ao Aeroporto no momento da manifestação e chegou a conversar com alguns militantes em um dos pontos de bloqueio.  Antes de criticar a “meia dúzia de oportunistas”, Ciro defendeu a onda de protestos.

“Eu vejo com muito entusiasmo (sobre a onda de protestos), acho que o povo brasileiro tem o direito de se expressar, pedir que mude a política brasileira, que está marcada pela podridão em Brasília, a qualificação dos serviços essenciais que o povo exige uma atitude diferente, mas temos sempre que fazer uma distinção”, avaliou.

Bate e rebate
Representantes dos partidos citados por Ciro rebatem as declarações do ex-ministro. O vereador João Alfredo, do Psol, disse que o termo “fascismo” foi usado com má-fé. “O fascismo é nosso principal inimigo. O que eu vejo é uma tentativa irresponsável do Ciro de criminalizar os dois partidos de esquerda que talvez sejam os únicos que não foram cooptados pela oligarquia dos Ferreira Gomes. Isso porque com algumas exceções, partidos de esquerda estão coligados aos partidos dos Gomes. Fascista é o governo da família dele”, afirmou João Alfredo em entrevista ao Diário do Nordeste.

“Infeliz”
Já o dirigente do PSTU, Lucas Scaldaferri, classificou como ‘infeliz” o comentário do ex-ministro. “O comentário de Ciro Gomes foi infeliz. Quem coloca a polícia para bater em trabalhador é o governo, que tem característica fascista, não o nosso partido. O PSTU respeita as manifestações, os ativistas, e entende que eles estão lutando porque estão cansado de governo que não os representam o povo. O ativismo que está na rua é de uma maioria de jovens estudantes, e nos alegra muito que essa parcela importante está lutando por justiça social”, afirmou o dirigente ao DN.

Com informações do Diário do Nordeste.


Curtir: