Bastidores
Atualizado em: 29/04/2013 - 10:21 am

Renan Calheiros é o presidente do Senado Federal

Renan Calheiros é o presidente do Senado Federal

Recém-anunciada pelo Senado, a reforma administrativa da Casa prioriza o corte de funções comissionadas de baixo escalão e mantém diretorias criadas exclusivamente para sustentar privilégios e mimos aos senadores. A reportagem é do Correio Braziliense.

VIP
Na era do check-in pela internet ou pelo celular, o Senado conserva setor com nove funcionários, com salários superiores a R$ 15 mil líquidos, dedicados a retirar bilhetes no balcão de companhias aéreas e carregar malas para os parlamentares e parentes. Também preserva serviço VIP de porteiro, marceneiro, lavadeira e “carregador de móveis” para os ocupantes de apartamentos funcionais.

Check-in
No Aeroporto de Brasília, os carregadores de luxo retiram bilhetes nos balcões e, segundo a Casa, “quando necessário”, resolvem “problemas de embarque e de extravio de bagagens”. Pelas duas funções, a média da folha de pagamento dos servidores do check-in, no mês passado, foi de R$19,7 mil líquidos, sendo o salário do coordenador de Apoio Aeroportuário o maior.

Salário
Francisco Farias recebeu R$ 24.362,96, já deduzidos os descontos. Só de gratificação pelo comando da área, ele contabilizou R$ 4.103,09, o terceiro nível mais alto de função comissionada do Senado. O valor é maior do que os R$ 19,8 mil líquidos recebidos pela presidente Dilma Rousseff para gerir o país.

Senado justifica atividade nos aeroportos
O Senado justificou a existência da Coordenação de Apoio Aeroportuário pela necessidade de os parlamentares visitarem suas bases políticas. Por meio de nota, a Casa registrou que, “tendo em vista que a base política da maioria dos senadores não está em Brasília, e sim em seus estados de origem, com voos que chegam e partem de Brasília frequentemente à noite, bem como considerando as diversas autoridades convidadas pelas comissões do Senado para participar de audiências, essas atividades encontram-se plenamente justificadas”.

Com informações do Correio Braziliense



0 comentários







0 comentários
Topo | Home