Nordeste
Atualizado em: 03/06/2013 - 6:31 pm

Dilma anuncia plano safra específico para o Semiárido. Foto: Agência Brasil

Dilma anuncia plano safra específico para o Semiárido. Foto: Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta segunda-feira (3), em Natal, o lançamento de um plano safra específico para o Semiárido nordestino.  “Vamos regionalizar um plano safra só do Semiárido nordestino para garantir que, cada vez que a seca ocorre, as pessoas não percam toda a sua produção”, disse Dilma, em discurso.

Segundo ela, o plano melhorará a estrutura dos produtores rurais no período da seca e reduzirá a dependência da importação de milho para alimentação do rebanho. De acordo com a presidenta, as dívidas dos agropecuaristas da região serão “equacionadas” com o novo plano.

Lançamento
Os planos safra nacionais 2013/2014 da agricultura empresarial e da agricultura familiar serão lançados nesta semana pelo governo. No discurso, a presidente comparou a seca ao inverno rigoroso que alguns países enfrentam. “Os países que têm inverno com 20 graus negativos, onde tudo é tomado pela neve, suportam esse processo sem voltar atrás no caminho do desenvolvimento. Por que não podemos fazer o mesmo com a seca?”, questionou.

Eixos
Dilma ressaltou que é possível conviver com a seca e escolher a melhor forma de enfrentar os prejuízos que ela traz. Para tanto, disse ela, trabalha-se com dois eixos principais: segurança hídrica e segurança produtiva. O primeiro vem sendo executado com obras de transposição, cisternas e barragens, entre outras obras para estruturar a região.

Promessa
A segurança produtiva será implementada, a partir de agora, segundo disse, pelo plano safra a ser anunciado, bem como pelos equipamentos doados para construção e reestruturação de estradas rurais que permitam o escoamento da produção. Além dos recursos para investimentos e custeio, o plano vai prever assistência técnica para os produtores da região. Uma dos principais investimentos para a segurança produtiva do Semiárido é a construção de armazéns e silos para estocar os alimentos.

Com informações da Agência Brasil



0 comentários







0 comentários
Topo | Home