Eleição
Atualizado em: 27/08/2017 - 8:09 am

Eleitores voltam às urnas no AM para 2º turno da eleição para governador

O segundo turno da eleição para o governo do Amazonas ocorre neste domingo (27) em meio ao risco de grande número de votos nulos e brancos e alta taxa de abstenções.

A eleição suplementar foi convocada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em maio, após a cassação de José Melo (Pros), então governador, acusado de compra de votos.

O ex-governador Amazonino Mendes (PDT) e o senador Eduardo Braga (PMDB), mais votados no primeiro turno, no dia 6 de agosto, disputam o cargo numa eleição considerada morna.

Interesse
A temperatura foi comprovada pelo desinteresse do amazonense: abstenções somadas a brancos e nulos superaram, com folga, a votação do primeiro colocado. No total, 849.528 eleitores (40%) deixaram de escolher um dos candidatos —Amazonino, o mais votado, obteve 577.397 votos (37% do total válido). Braga, o segundo colocado, teve 377.680 votos (25%). No pleito de 2014, a taxa de votos brancos, nulos e abstenções no Estado somou 27%.

Os outros dois candidatos mais votados decidiram não apoiar nenhuma das duas chapas que passaram para o segundo turno. A situação diminui a possibilidade de transferência de votos e pode contribuir para a ausência nas urnas.

Afastada
Terceira colocada, com 18% dos votos válidos, a ex-deputada federal Rebecca Garcia (PP-AM) se declarou “totalmente afastada” da disputa entre Braga e Amazonino. “Tomei a decisão por não me sentir representada por nenhum dos dois candidatos”, afirmou ela numa rede social. No vídeo, pediu aos eleitores que “possam refletir e votar com a sua consciência, por aquilo que acreditam ser o melhor para o Estado do Amazonas”.

Neutro
O candidato do PT, o deputado estadual José Ricardo, também fechou com o partido a posição de neutralidade. A sigla decidiu não autorizar nenhum filiado a fazer campanha para os concorrentes do segundo turno. Durante a campanha, o petista adotou discurso crítico às lideranças de outras siglas no Estado.

Caciques
Tanto Amazonino quanto Braga são caciques da política local. O primeiro já foi governador do Estado por três vezes, e o segundo ocupou o cargo em duas ocasiões. Ambos já foram também prefeitos de Manaus.

Tampão
Quem vencer agora exercerá um “mandato-tampão”, até o fim de 2018. A diplomação está prevista para outubro. A Justiça Eleitoral planeja distribuir 6.668 urnas eletrônicas por cerca de 1.500 locais de votação no Estado para o pleito deste domingo.

Com informações da Folha



0 comentários







0 comentários
Topo | Home