Entrevista
Atualizado em: 08/12/2014 - 8:11 am

Em entrevista, Camilo volta a defender volta da CPMF

Em entrevista, Camilo volta a defender volta da CPMF

Em entrevista ao jornal O Globo, o governador eleito Camilo Santana (PT) defendeu temas polêmicos como a volta da CPMF para financiar a Saúde, além da revisão da relação do governo com o PMDB e a construção de uma nova base aliada.

Ainda segundo ele, a avaliação do resultado das urnas na disputa presidencial, tendo em vista que foi uma eleição apertada, é a necessidade de fortalecer o governo implementando as mudanças que o país precisa, como foi o lema da campanha da presidente Dilma Rousseff.

PMDB
Camilo afirmou que a presidente Dilma tem um papel importante no PT e os dirigentes, que fazem a relação política do governo, de construir uma nova base de aliados no Congresso. Sendo assim, defendeu mudanca na relação da base aliada do governo, até porque o principal aliado tem sido o PMDB, mas, no momento em que o governo precisa, ou no momento das eleições, os candidatos do PMDB ficaram contra a presidente Dilma.

“Eu acho que hoje o governo trata o PMDB como se ele tivesse mais força do que tem. Posso até ser ingênuo nessa defesa, mas acredito que a relação tem que ser muito mais republicana do que simplesmente em troca de espaço no governo”, disse, acrescentando que o partido não participará de sua gestão no Ceará.

Irmãos Ferreira Gomes
Sobre influência dos Ferreira Gomes no seu governo, Camilo disse ter “admiração” e lembrou que poucos tiveram gestos como o de Cid Gomes, “para o PT e para a presidenta, que foi o de deixar um partido (o PSB) em nome do projeto da presidente, da reeleição dela”.

Corrupção
Questionado sobre a punição de petistas em escândalos envolvendo corrupção, Camilo disse que o partido combate a corrupção, independentemente de quem esteja envolvido. E, portanto, assim como em qualquer partido, o corrupto tem que ser punido.

Volta da CPMF
O petista disse que já conversou com os governadores petistas da Bahia e do Piauí, que foram a favor da retomada da discussão sobre a CPMF e lembrou da reunião, no dia 9, com todos os governadores eleitos no país, onde apresentará a proposta. “Eu não conversei com Dilma sobre isso, conversei com o presidente do meu partido. Mas não tenho dúvida de que jamais a presidenta Dilma seria contrária, pois acredito que a preocupação com a Saúde é de todos no Brasil”, afirmou, ressaltando ter sido uma iniciativa pessoal, por avaliar que o Brasil precisa de uma fonte de financiamento da Saúde, para aumentar os recursos nesta área.

“A minha preocupação é porque nós sabemos que 2015 será um ano talvez de dificuldades, pela expectativa que se tem. Enquanto nós não temos o pré-sal para que financiar investimentos em Saúde e Educação, é importante pensarmos em novas fontes de financiamento nesta área, a população tem cobrado isso”, justificou. Ele prometeu tomar conhecimento sobre a estudos que apontam influência da CPMF no crescimento do Brasil. “Se não for a CPMF, temos que defender um mecanismo de financiamento da Saúde pública no Brasil”.

Com informações do O Globo



0 comentários







0 comentários
Topo | Home