Ceará, Greve
Atualizado em: 30/09/2011 - 6:10 pm

Isolda Cela é a títular da Seduc

O governo do Estado do Ceará divulgou nota nesta sexta-feira (30) criticando o comando de greve dos professores da rede estadual, a quem acusa de intransigência no processo de negociação. No texto, o governo afirma estar empenhado para tentar superar a crise e pede bom senso à categoria para evitar a perda do ano letivo para os alunos da rede pública.

A nota, assinada pela Secretaria de Educação do Governo do Ceará (Seduc), apresenta os termos e os números que teriam sido propostos aos professores no processo de negociação. A categoria paralisou as atividades há quase dois meses.

De acordo com a  Seduc,  “desde a primeira semana de greve, o comando de greve vem sendo recebido pelo Governo”. Dessa forma, diz a nota, “a resposta do Sindicato tem sido de uma inexplicável intransigência. Uma greve não se justifica quando não há recusa da parte do Governo em negociar”.

A Seduc afirma ainda que o movimento não leva em consideração “pontos importantes de sua pauta de reivindicações atendidos como, por exemplo, progressão especial de carreira referente aos anos de 2009 e 2010” entre outros.

Por fim, apesar das críticas feitas ao comando de greve, a nota afirma o compromisso inarredável do Governo do Estado com a melhoria da educação faz com que estejamos empenhados na superação desta crise. Se não é possível alcançar o ideal, em função dos limites que a realidade orçamentária impõe, é possível chegar a uma melhor proposta possível e sustentável. Para isso é necessário bom senso e o sentido de responsabilidade com a população a quem prestamos este relevante serviço público”.



12 comentários







12 comentários
Topo | Home


Jackson | sexta-feira setembro 30 2011 | 18:25

PARA AQUÁRIO______TEM DINHEIRO
PARA PORTUÁRIO DO PECÉM_____TEM DINHEIRO
PARA ESTÁDIO_________TEM DINHEIRO
É muito engraçado!!! ” DENTRO DA REALIDADE ORÇAMENTÁRIA”

E PQ PARA A EDUCAÇÃO NÃO TEM????????????????????????????????????????????????

Marcelo | sexta-feira setembro 30 2011 | 18:30

Como é que que se vangloriam de pagar algo que estavam devendo? Refiro-me às progressões ATRASADAS, dos anos 2009 e 2010.

Quero parabenizar o seu trabalho imparcial nesses episódios, Kézya Diniz!

Prof. Marcos Varela | sexta-feira setembro 30 2011 | 18:38

Na concepção desse governo a qualidade da educação restringe-se a prédios e parafernálias outras que servem tão somente para ornamentações. O ser humano para ele é um trapo que não requer nenhuma atenção.Cid cultua a escola de Photoshop e propaga um estado digno de The Sims 3.Façamos todos de conta que esse mundo dele existe mesmo, afinal temos de satisfazer o Senhor.

Manoel Messias Sobrinho | sexta-feira setembro 30 2011 | 19:51

Os professores da rede de ensino do Ceará vem sendo ludibriados desde quando a Lei 11.738/08 foi promulgada, inclusive entraram no STF como uma ADI pra derrubar a lei. Com relação a negociação governo e professores, a SEDUC do Ceará marca reunião pra marcar reunião e tenta confundir a opinião pública nessa questão.

wagner gois | sábado outubro 1 2011 | 00:13

É muita cara de pau desse governo chamar os professores de intransigentes, aposto que se ele ganhasse o salário dos professores e trabalhasse pelo menos 10% que eles trabalham, coisa que ele, o Sr. Governador não faz, estaria fazendo a mesma coisa que os professores estão fazendo, ou seja, GREVE. Parabens professores pela LUTA e pela coragem de enfrentar uma ditador e toda truculencia dos PMs

Professor | sábado outubro 1 2011 | 01:34

Muito fácil a Sra. Secretária de Educação postar uma nota falsa dessas após o ato violento da polícia militar no dia de ontem. O governo quer apresentar uma proposta? Pois bem, que essa proposta esteja a mesa na semana que vem, de cara limpa, sem armadilhas para os professores. Sabe qual o problema, quando se demonstra conhecimento das coisas e não se aceita goela abaixo tudo o que o governo diz, somos intransigentes, tenha santa paciência. Faça como em MG, dê o piso escalonado, com as devidas repercussões na carreira, além do terço de hora atividade. Ai sim, estaremos começando a falar a mesma linguagem. A proposta está feita, o governo topa?

Lena | sábado outubro 1 2011 | 09:17

Que perda do ano letivo!! Nunca os alunos perderam o ano letivo por conta de greve!!

Amanda Florinda de Almeida | sábado outubro 1 2011 | 10:22

Só falta a Secretária agora dizer que o Ceará é um Estado pobre e não pode pagar o piso aos professores? E por que o Piauí paga, se é mais pobre do que nós? Até estão instalando ar condicionado nas escolas públicas para melhorar a vida de alunos e professores. E nós aqui no Ceará, somos tratados como bandidos pelo BPChoque e como instransigentes pelos políticos. Por que vcs não experimentam só por um dia saber como é a vida de um professor de escola pública? Graças a Deus não sou professora mas meu marido é e já pedi que ele mudasse de profissão mas ele ama o que faz, e por causa desse amor precisamos passar necessidades.E ele ainda é instransigente por querer receber o que está na lei?

José Selmo dos Santos Silva | sábado outubro 1 2011 | 11:36

pau mandado do ditador cid gomes, dinheiro tem, mas a educação é um perigo para a classe corrupta dos políticos, a SEDUC não pode correr esse risco

overnilde | sábado outubro 1 2011 | 19:14

o ideal seria se todo o estado do ceara ficasse em greve essa categoria tem que se unir

Arivalto Freitas Alves | domingo outubro 2 2011 | 02:22

Ninguém merece sofrer o que estou sofrendo, pois acredito na educação, na mudança do ser para melhor! Quero o fim da greve o mais rápido possível, mas para isso acontecer é necessário, por parte do governo, uma proposta clara, concreta e coerente, e não apenas uma simulação de negociação. Temos um plano de cargos e carreiras sendo desrespeitado, o Professor precisa ser respeitado hoje, caso contrário ele deixará de existir. Peço o apoio de toda a SOCIEDADE na luta em defesa da educação!

leandro clemente da costa | domingo outubro 2 2011 | 11:11

A logica de tudo isso que nunca os governantes darão um salario digno ao funcionalismo publico . Mas os salarios deles almentão todo ano absurdo .