Ceará
Atualizado em: 03/05/2012 - 3:58 pm

Dep. Heitor Férrer (PDT) Foto: Paulo Rocha/AL

O deputado Heitor Férrer (PDT) afirma que a empresa Promus pagava propina R$ 100 mil, por mês, a Fernando Perrelli, diretor do banco Bradesco aqui no Ceará. A denúncia foi feita durante pronunciamento na sessão da Assembleia Legislativa desta quinta-feira (03).

Segundo o parlamentar, a propina foi paga ao dirigente da instituição financeira para garantir a exclusividade do Banco nas operações de empréstimos consignados para servidores públicos do Estado.

“Isso nos deixa arrepiados. A custa do servidor público a Promus garante em e-mail propina de R$ 100 mil ao senhor Perrelli. É dinheiro muito fácil que chega às suas contas. Um dinheiro que cai na conta bancária como o vento sopra no topo da colina”, enfatizou Heitor.

Acesso as informações
As informações foram obtidas, segundo Férrer,  através de e-mails trocados entre Perrelli e o empresário Luiz Antônio Ribeiro Valadares, conhecido como “Zé do Gás”, que é genro do secretário Chefe da Casa Civil, Ariado Pinho. Os e-mails teriam sido repassados ao parlamentar pelo também empresário, Bruno Borges, proprietário da empresa Bom Crédito, uma das operadoras credenciadas pela Promus para captar clientes que contratavam os empréstimos consignados.

Saiba mais:
Férrer denuncia que Genro de Arialdo Pinho, secretário do governo Cid, opera esquema de consignado no CE
  
Consignados: Servidores públicos estaduais querem investigação de empréstimos

Denúncia sobre Sistema dos Consignados repercute entre servidores e deputados        
Servidores estaduais denunciam juros abusivos de empréstimos consignados
  

Injustiça
Segundo Heitor, qualquer modelo que continuar com exclusividade de bancos estará perpetuando a injustiça e a corrupção no Estado. “Estou com o caso de uma professora no meu gabinete que nunca assinou um contrato com um banco, e está pagando dois empréstimos via cartão único. Entendam que ela não reclama de juros, e sim de um empréstimo que não foi feito. É mais uma vítima desse absurdo”, concluiu o deputado.

Indignação
Em aparte, os deputados Fernando Hugo (PSDB) e Roberto Mesquita (PV) registraram sua indignação diante dos relatos. “A coisa se tornou indefensável. Enquanto o povo se endivida, a Promus garante uma propina de R$ 100 mil ao mês”, ressaltou Fernando Hugo.

Com informações da AL



0 comentários







0 comentários
Topo | Home




You must be logged in to post a comment.