Opinião
Atualizado em: 17/02/2012 - 4:32 pm

Por Djalma Pinto

Ministros do STF durante votação sobre a Lei do Ficha Limpa - Foto: ABr

O País se reencontrou com os princípios da probidade e da moralidade enfaticamente consagrados na Constituição de 1988. Já em 1994, a Emenda Constitucional de Revisão nº 4 determinou que fosse considerada a vida pregressa de todo cidadão que pretendesse ser investido em mandato eletivo. Infelizmente, ao julgar a ADPF nº 144, o STF, por maioria, fez prevalecer o princípio da presunção de inocência até o trânsito em julgado da decisão penal condenatória em detrimento do princípio da exigência de vida pregressa compatível com a magnitude da representação popular, consagrado no art. 14, § 9º da Constituição.

Essa posição da Suprema Corte provocou desconforto na população, incomodada com a presença de notórios delinquentes no exercício do poder político. A reação foi o Projeto de Lei Complementar de Iniciativa popular transformado na Lei Complementar nº 135/2010, que, em síntese, considera inelegíveis os condenados por sentença penal transitada em julgado, bem como aqueles que foram condenados por órgão judicial colegiado.

Por maioria, o STF emprestou seu aval à chamada Lei do Ficha Limpa. Inaugura-se uma nova fase na democracia brasileira. É o primeiro sinal concreto para afastamento de infratores do exercício do mandato eletivo. Passou a ter eco este grito há muito contido nos quatro cantos da nação: lugar de delinquente é na penitenciária, não no parlamento!

Em breve, avançaremos para que todos percebam que o mandato deve ser privativo de pessoas de elevado espírito público, dispostas a servir à coletividade sem preocupação com os seus interesses privados, com o seu bolso ou de seus correligionários. Foi uma vitória significativa da nação que se reencontrou, no mundo dos fatos, com as normas produzidas pelos seus constituintes, objetivando preservar a decência no exercício do poder. Parabéns Brasil.

*Djalma Pinto é advogado e escritor, autor do livro Distorções do Poder

Leia também:
Dilma Rousseff deveria adotar a Ficha Limpa na escolha de autoridades, diz Pedro Simon  
Ficha limpa para administração pública começa a tramitar na Assembleia   
Vereador pede ficha limpa para cargos da administração pública    

Veja ainda:
Marco Antonio Villa fala sobre “engenharia da corrupção” no Primeiro Plano     
Vídeo: Marco Antonio Villa fala sobre corrupção no Primeiro Plano  



1 comentário







1 comentário
Topo | Home


rabelo | domingo fevereiro 19 2012 | 13:34

Quem não tiver um pecado que atire a primeira pedra.E ficaremos sem políticos,pois é jogo sujo,mentem muito,promessas sem nexo,é um carnaval,uma folia com o dinheiro do povo,dinheiro que se espalha por vários paraísos fiscais,e nunca tem retorno.E que não tem rabo de palha por cultura não é político mesta terra.Nem o papa escapa,pois faz política também.