Lava Jato
Atualizado em: 23/08/2017 - 9:09 am

PF cumpre mandado de busca contra Tiago Cedraz, filho de Aroldo Cedraz; ação é um desdobramento da 44ª etapa, que prendeu Cândido Vaccarezza. Foto: Marcelo Camargo/Abr

Filho de Aroldo Cedraz, ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), o advogado Tiago Cedraz é um dos alvos da 45ª fase da Operação Lava Jato, que cumpre mandados de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira (23).

A Folha de S.Paulo apurou que a Polícia Federal está em sua casa, em Brasília, e que Cedraz será intimado a depor.

O caso de Cedraz é um dos quatro mandados de busca e apreensão desta quarta em desdobramento da Operação Abate, como foi batizada 44ª fase da Operação Lava Jato.

A Polícia Federal está nas ruas de Salvador, Brasília e de Cotia, na região metropolitana de São Paulo.

Participação
Segundo investigadores, Cedraz teria tentado favorecer a Sargeant Marine, empresa americana que fornecia asfalto à Petrobras. Ele também teria participado de reuniões em que se planejou o pagamento de propinas a agentes da estatal. Segundo as investigações, o advogado também teria recebido comissões pela contratação da Sargeant Marine em contas de off-shore na Suíça.

Luz
Cedraz já foi citado no depoimento do lobista Jorge Luz, que está preso em Curitiba e tentou fechar um acordo de delação premiada, sem sucesso. Luz relatou que o advogado recebeu cerca de US$ 20 mil em pagamentos ilícitos e intermediou o contato entre a empresa americana e a Petrobras.

Abate
Deflagrada na semana passada, a Operação Abate ordenou a prisão do ex-deputado-federal Cândido Vaccarezza, ex-líder do PT na Câmara. O ex-parlamentar foi solto na terça (22), por decisão do juiz Sergio Moro. Vaccarezza é acusado de supostamente ter recebido pelo menos US$ 478 mil (cerca de R$ 1,5 milhão, no câmbio atual) por contratos da Petrobras com a Sargeant Marine, empresa norte-americana que fornecia asfalto à estatal.

Influência
As investigações apontam que o ex-deputado influenciava negócios na diretoria de Abastecimento, sob influência do PP, e que ele “apadrinhou” 12 contratos de fornecimento de asfalto. Moro contrariou o pedido de prisão preventiva do político feito pelo Ministério Público Federal, que venceria na terça (22).

Provas limitadas
O juiz considerou que as provas sobre o envolvimento de Vaccarezza em outros crimes eram limitadas e que, por não ter sido reeleito em 2014, o ex-deputado não teria mais influência política. Vaccarezza terá de entregar seu passaporte e pagar R$ 1,5 milhão em fiança, no prazo de dez dias.

Com informações da Folha



0 comentários







0 comentários
Topo | Home