Ceará
Atualizado em: 14/11/2011 - 4:40 pm

Izolda Cela é a titular da Educação no Ceará. Foto: Omar Jacob

O Governo do Estado emitiu uma nota de esclarecimento a respeito da possibilidade de uma nova greve dos professores da rede pública, discutida na última sexta-feira (11), pelo Sindicato dos Professores (Apeoc). A categoria recusou o reajuste de 15% oferecido pelo governador Cid Gomes (PSB).

Leia mais:
Em assembleia, professores recusam proposta do governo e articulam nova greve
Professores da rede estadual suspendem a greve

Governo propõe 15% de aumento para professores da rede pública estadual

No texto, o Governo disse que reafirma “o seu compromisso com a melhoria das condições salariais do Professor Estadual, com a modernização da carreira do Magistério e com a contínua expansão no Ceará de uma educação pública de qualidade para todos”.

Nesta segunda-feira (14), o Sindicato APEOC, que representa a categoria, deve apresentar ao Governo e à Justiça o ofício sobre o que foi decidido na última assembleia da categoria, que ocorreu na última sexta-feira (11), em que apresentam o edital para uma nova greve.

Caso não receba, em oito dias, uma nova proposta oficial do Governo, a categoria poderá realizar uma nova greve, diferente da que foi iniciada em agosto. Para os estudantes da rede estadual, a notícia de uma nova paralisação não foi surpresa.

Confira nota na íntegra:

“15% para todos os professores da rede estadual, sem exceção, sejam efetivos, temporários, aposentados ou pensionistas. Este aumento seria implantado em duas parcelas: a primeira, de 7,5%, retroativa a 1o. de novembro, já seria recebida neste mês; e a segunda, de outros 7%, valeria a partir de 1o. de janeiro. O aumento de 15% para toda a categoria é o maior do país concedido em 2011 aos professores estaduais. Além destes 15%,os professores com título de mestrado receberão uma gratificação adicional de mais 10%,totalizando um ganho salarial de 25%.E os professores com Doutorado terão um aumento extra de mais 30%,recebendo no total 45% de ganho em seus vencimentos.

A título de exemplo:com este aumento,o salário médio dos professores ativos do Ceará passará a R$ 3.000,30;o dos professores com Mestrado do nível 15 será de R$ 3.630,25;e dos Doutores do nível 18 passam a receber R$ 4.902,88.

O Governo propõe também uma formula inédita para garantir uma fonte estável e segura para os aumentos salariais a serem negociados com os professores em 2012, 2013 e 2014: o aumento progressivo da parcela dos recursos do FUNDEB (Fundo da Educação Básica) destinada exclusivamente ao pagamento de salários. Em 2011, 71% dos recursos do Fundeb no Ceará estão sendo destinados aos salários. O Governo propôs, inicialmente, aos professores aumentar esta parcela para 75% em 2012, e para 80% em 2013 e 2014, garantindo assim o aumento do volume de recursos disponível exclusivamente ao pagamento de salários do Magistério. O Ceará, com esta fórmula, torna-se o primeiro Estado do Brasil a vincular receitas a salários.

Para atender compromisso firmado na Mesa de Negociação(dia 04/11), a Seduc divulgou que passaria a aplicar 77% do FUNDEB, em 2012, para a folha de pagamento do Magistério, ao invés de 75% e manteria os demais percentuais propostos para os anos de 2013 e 2014. Ou seja , 80%. Na segunda quinzena de outubro de 2012, SEDUC e Sindicato APEOC procederão análise do nível de execução orçamentária das receitas do FUNDEB com o objetivo de dar seguimento à política de valorização do magistério, compromisso deste Governo, no que se refere à melhoria salarial. Esta análise terá como referência o percentual de 77% do FUNDEB.

Dois pontos de pauta foram propostos como prioritários para as definições que acontecerão no referido período:

1. Remuneração de professores graduados do Nível 1;
2. Remuneração dos professores especialistas.

O Governo propõe, ainda, iniciar já em 2012 a implantação progressiva do regime que reserva 1/3 da carga horária do professor a tarefas de planejamento, que seria concluída até 2014.

O Governo do Estado aproveita para reafirmar o seu compromisso com a melhoria das condições salariais do Professor Estadual, com a modernização da carreira do Magistério e com a contínua expansão no Ceará de uma educação pública de qualidade para todos. No momento, a Secretaria da Educação aguarda o comunicado oficial do Sindicato Apeoc sobre a decisão da assembleia da última sexta-feira, dia 11, e se manifestará quando receber o documento.”

Redação Jangadeiro Online, com informações do Governo do Estado



6 comentários







6 comentários
Topo | Home


Eduardo | segunda-feira novembro 14 2011 | 16:47

1.

Interessante a capacidade do Governo em distorcer os fatos! Como pode dizer que estaria “concedendo” 15% de “aumento” em 2011, se a referida segunda parcela (7%) desse tal “aumento” seria efetivamente o reajuste salarial de 2012? Na prática, o “aumento” é somente de 7,5%. Portanto, o Governo alardeia para a população uma informação falsa!
Outro problema: a lei federal que estabelece o tempo de 1/3 da carga horária do professor para planejamento! A lei é de aplicação imediata! E é uma lei de 2008! Já estamos em 2011 e a lei continua só no papel. O Governo, no entanto, divulga como “avanço” o fato de após três anos de protelação pretender iniciar sua aplicaçao SOMENTE DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2012. Ou seja: quer protelar ainda mais! Por essas e por outros é que está difícil um acordo! O Governo divulga informações distorcidas e continua se mostrando intransigente!

Fabio Ferreira Santos | segunda-feira novembro 14 2011 | 17:50

DEIXA DE FORA QUASE TODOS PROFESSORES, SOMOS UM UNIVERSO DE 25 MIL…E MESTRES E DOUTORES NAO SÃO 500 PROFESSORES…DOUTORES SÃ MENOS DE 10…VERGONHA…NUMEROS MENTIROSOS! VERGONHA E FALTA DE CARATER DESTE GOVERNO.

Cristiano | segunda-feira novembro 14 2011 | 17:58

Essa proposta não valoriza educação de forma nenhuma pois 80% da categoria continua vendo navios. A luta é pela valorização da carreira através da lei do piso, repercutida em TODA a carreira. Como posso me considerar valorizado se uma pessoa que tem só nével médio ganha mais do que eu. R$2500,00 enquanto enquanto eu R$ 1500,00 no máximo. Triste o que esse governo quer fazer.

Marcos Antonio V. Rodrigues | segunda-feira novembro 14 2011 | 18:39

A Categoria não reivindicava aumento de 8,5%(e não 15% como o governo anuncia),mas a repercussão do Piso na carreira dos professores graduados e pós-graduados.Na primeira proposta,o governo oferecia 2 mil para professor em início de carreira e com nova proposta do governo,um professor iniciante passaria a receber 1.685,00. Observe que mais de 90% dos professores são graduados ou especialistas,ficando de fora portanto alijada de uma proposta satisfatória. Com esse aumento de 8,5% concedido,o governo desvia o foco do Piso reivindicado pela Categoria.

Evalson Alves | segunda-feira novembro 14 2011 | 20:57

Eles continuam com a mesma cara de madeira de sempre propagando a mesma mentira, de novo tentando fazer uma coisa ser dita mil vezes tornar-se verdade, gostaria de pedir para o editorial da jangadeiro elaborar essa média analisando a quantidade de professores em cada nível de titulação, vocês poderão ver que essa média está muito longe, sinceramente ele acha mesmo que se os professores ganhassem em média 3 mil reais, nós estaríamos fazendo greve. Na verdade existe sim pessoas que ganham até mais que essa média, porém são pouquissímos e só recebem devido a incorporação de gratificações e direitos que tinham no passado, a grande maioria destes estão perto de se aposentar, porém quem entrou de oito anos cá, e todos os que vão entrar no futuro, está numa profissão desvalorizada, sem direitos pois foram todos tirados, com um salário de miséria e muito trabalho. Peço encarecidamente que o jornalismo da Jangadeiro possa elaborar uma média onde se analise as quantidades de professores em cada nível tendo como base a tabela proposta pelo governo.
Grato.

Fabio F.Santos | terça-feira novembro 15 2011 | 18:10

Professor é uma profissão que poucos estão querendo exercer,
EXISTE O ALTO GRAU DE STRESS, FALTA DE RESPEITO,DESVALORIZAÇÃO,ASSEDIO MORAL E CARGA DE TRABALHO EXAUSTIVA. TAL SITUAÇÃO LEVA MUITOS PROFESSORES A DESENVOLVEREM DOENÇAS FÍSICAS E PSÍQUICAS.

No Ceará, um professor em início de carreira ganha pouco mais que 1.300,00 reais, depois de passar 4 e até 5 anos numa universidade.

A população tem que saber que: O governador dividiu a classe de professores, criando duas tabelas: NÌVEL MÉDIO e NÌVEL SUPERIOR.

PARA IMPEDIR QUE O PROFESSOR DE NÍVEL SUPERIOR TENHA DIREITO A LEI FEDERAL PISO. DESSA FORMA O REAJUSTE QUE O GOVERNO FEDERAL FIXA ANUALMENTE PARA TODOS OS PROFESSORES DO PAÍS. NÃO CHEGA A TODOS OS PROFESSORES DO ESTADO. EXCLUI TODOS QUE POSSUEM NÍVEL SUPERIOR.

Então perguntamos: para onde irá esse dinheiro que é nosso e o governador está nos negando? Onde ficam as leis, se o governador está ferindo a CONSTITUIÇÃO ESTADUAL que diz que os professores devem ter ” PISO ÚNICO E CARREIRA ÚNICA” e Cid Gomes dividiu em duas?

O GOVERNO FALTA COM A VERDADE quando diz que os professores irão ter um reajuste de 15%. “ESQUECE” de dizer a população que 7,5% é para Novembro e 7,0% é para Janeiro do próximo ano. JANEIRO É NOSSA DATA BASE DE REAJUSTE, SENDO ESSES 7,0% de Janeiro de 2012 já é o REAJUSTE DE TODO SERVIDOR.

CONTINUAMOS COM O QUINTO PIOR SALÁRIO DO PAÍS, DE 27 ESTADOS BRASILEIROS OCUPAMOS A POSIÇÃO 23,SOMOS OS ÚLTIMOS.

POR LEI FEDERAL DEVERÍAMOS TER 1/3 DA NOSSA CARGA DE TRABALHO RESERVADO PARA PLANEJAMENTO ,ESTUDOS E PESQUISAS. COM ISSO NOSSOS ALUNOS TERIAM MELHORES AULAS E CONDIÇÕES DE APRENDIZADO.

LEI FEDERAL DESDE 2008 E QUE O GOVERNO CID GOMES NÃO CUMPRE!

NOS PROFESSORES NÃO BUSCAMOS REAJUSTES. BUSCAMOS UM DIREITO,O CUMPRIMENTO DE UMA LEI FEDERAL. QUEREMOS APENAS TER NOSSA ATUAL CARREIRA VALORIZADA e RESPEITADA.

Para assim levar nossa profissão com mais qualidade.
NOSSOS ALUNOS MERECEM A ESCOLA DIGNA E EM IGUALDADE DE CONDIÇÕES.