Greve, Polêmica
Atualizado em: 01/05/2012 - 9:58 am

Capitão Wagner é suplente de deputado estadual pelo PR e uma das lideranças dos PM's no Ceará

O presidente da Associação de Cabos e Soldados, capitão Wagner Sousa, um dos líderes do movimento grevista de policiais e bombeiros militares no Ceará, considera desnecessário o pedido de prisão feito contra ele pelo promotor militar Joathan de Castro Machado, na última sexta-feira (27).

“Não há motivo para esse pedido (prisão). Não cometi nenhum crime, sou trabalhador, tenho residência fixa e estou lutando pelos direitos dos policiais”, enfatiza.

Sem aviso
O policial, que também é suplente de deputado estadual, afirma que ainda não foi oficialmente notificado sobre o pedido de prisão e já solicitou habeas corpus preventivo para que não haja a possibilidade de acabe preso antes da realização da assembleia geral da categoria, marcada para o dia 26 de maio.

“Fiquei sabendo do pedido de prisão feito contra mim, por meio da imprensa e de amigos que me ligaram”, afirma Wagner.

Em assembleia
Capitão Wagner ressalta que as reivindicações da categoria, que ainda estão pendentes, vão ser discutidas na assembleia do dia 26. Entre os itens da pauta está a anistia dos policiais que participaram do movimento grevista.

Leia ainda:
Após assembleia, Policiais e bombeiros militares decidem encerrar greve. Nos bastidores: lágrimas, ausência e rancor 
Cid Gomes diz que anistia a PMs grevistas é “frouxidão”



0 comentários







0 comentários
Topo | Home