Nacional
Atualizado em: 15/01/2012 - 9:00 am

Deputado João Paulo Cunha não perdeu o prestígio mas tem o mensalão como sombra

Um dos pivôs do Mensalão, o deputado João Paulo Cunha (PT/SP) está envolvido em contratos ilegais,revelado pela revista Istoé. A Câmara dos Deputados investigou o parlamentar secretamente segundo a reportagem que chegou as bancas de todo o país neste final de semana.

Investigação secreta da Câmara dos Deputados, revelada em primeira mão por ISTOÉ, atesta a ilegalidade de contratos firmados pelo deputado João Paulo Cunha e deve comprometer as ambições políticas de um dos pivôs do caso do Mensalão.

O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) transita pelos corredores do Congresso com uma desenvoltura que não revela o peso das acusações que ele carrega sobre os ombros. Prestigiado pelo PT, o parlamentar é homem das articulações e se acha em condições de traçar planos eleitorais ambiciosos. Conta até com o aval do ex-presidente Lula para realizar o antigo sonho de tornar-se prefeito de Osasco, seu berço político.

Sombra
A caminhada de João Paulo tem pela frente, porém, a sombra do processo do Mensalão, que será julgado este ano pelo Supremo Tribunal Federal. E isso não é pouco. Basta levar em conta o que conclui a própria Câmara dos Deputados, casa que abriga João Paulo. Segundo uma sindicância comandada por funcionários concursados da Câmara, há motivos concretos para que João Paulo figure como peça central do maior escândalo político dos últimos anos.

Leia também:
Nas revistas: Quem são os manifestantes que pedem o fim da corrupção 
Defesa de José Dirceu diz que mensalão foi desmentido durante processo penal  
Comandada por réu no Supremo, CCJ da Câmara inclui na pauta anistia a mensaleiros 

Investigação
A sindicância interna da Câmara, à qual ISTOÉ teve acesso, atestou a ilegalidade do contrato assinado durante a gestão de João Paulo Cunha como presidente da Casa com a empresa SMP&B, do publicitário Marcos Valério. É exatamente essa acusação que arrasta Cunha para dentro do caso do Mensalão.

Sigilo
Embora tenha sido concluída em dezembro de 2010, a investigação foi mantida em segredo e enviada com discrição à Procuradoria da República no início do ano passado. E até hoje não foi divulgada, contornando assim o desgaste de uma avaliação negativa de João Paulo feita por seus próprios pares. O sigilo em torno das conclusões da auditoria interna tem menos a ver com as consequências jurídicas e mais com o impacto político que a sindicância pode ter. O atestado de que houve ilegalidades nas negociações feitas pela Câmara com o pivô do Mensalão pode se tornar mais uma mancha na imagem do deputado.



0 comentários







0 comentários
Topo | Home




You must be logged in to post a comment.