Polêmica
Atualizado em: 22/06/2011 - 7:02 pm

Comando de greve dos professores em reunião, no início do mês, com representantes da Câmara Municipal. Foto: Kézya Diniz

A justiça cearense ainda não decidiu sobre a anulação da sessão da Câmara de vereadores de Fortaleza, em que foi aprovada mensagem que reestruturou o Plano de Cargos Carreiras e Salários dos professores da Rede pública de ensino da capital.

Tanto o vereador João Alfredo, quanto o advogado do Partido Trabalhista Cristão (PTC), ingressaram com mandados de segurança, com pedido de liminar, para anular a sessão da Câmara do último dia 7 de junho.

Leia ainda:
Câmara aprova proposta de reajuste e professores dizem que prefeitura não cumpre o Piso 
Clima tenso na Câmara dos Vereadores nesta terça-feira

Tempo
Na segunda-feira (20), o juiz Francisco Luciano Lima Rodrigues, da 8ª Vara da Fazenda Pública, se manifestou afirmando que só vai apreciar o pedido de liminar depois de passado o prazo de dez dias concedido ao presidente da Câmara de vereadores, Acrísio Sena, para a apresentação de informações.

“Reservo-me para apreciar o pedido de liminar depois de decorrido o prazo para a prestação de informações pela autoridade coautora. Notifique-se a autoridade para, no prazo legal, se desejar, prestar as informações. Decorrido o prazo, com ou sem a apresentação das informações, venham-me conclusos os autos.”, diz o juiz sobre a ação do vereador João Alfredo.

Incorreto
Já o juiz da 4ª Vara da Fazenda Pública, Montavanni Colares Cavalcante, pede ao advogado Edson Nogueira Bernardino, do PTC, que indique “corretamente” a parte “promovida” e descrita no documento apenas como “Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Fortaleza”. A indicação se refere ao vereador Acrísio Sena (PT).

Prefeitura
A assessoria de Comunicação da prefeitura de Fortaleza afirma que as liminares que pediam anulação da votação do reajuste dos professores na Câmara de vereadores “foram negadas pela Justiça” e que a votação foi “absolutamente legal”. Por telefone, a assessoria disse ainda que o mérito das ações, no entanto, ainda não foi julgado.



3 comentários







3 comentários
Topo | Home


Telma | quinta-feira junho 23 2011 | 14:24

Esta Prefeitura de Fortaleza, só tem gente canalha. Só q um dia é da caça e o outro do caçador. Olha o Prefeito de Senador Pompeu aí genteeee, quem será o(a) próximo (a), heim????

FRANCISCO DJACYR SILVA DE SOUZA | sexta-feira junho 24 2011 | 07:46

Qualquer pessoa bem consciente sabe que jamais a justiça dará ganho de causa aos professores, pois na realidade a justiiça nunca está ao lado dos que ocupam a menor fatia da estratificação econômica. A justiça nunca cobrou o cumprimento da lei da prefeitura mesmo sendo acionada. e ainda tratou de destruir a luta justa dos professores dizendo de forma equivocada que a greve prejudicava a questão da merenda dos alunos. Desde quando a função da escola é dar merenda? Se compararmos o salário de um juiz, de um promotor ou de um desembargador entenderemos de que lado eles estão. Lei no nosso país só existe para quem tem poder. Aos professores resta voltar para sala de aula cumprir a rotina perversa de suas escolas desestruturadas , sem comando eficiente, sem respeito aos educadores, sem projetos pedagógicos e sem perspectivas de melhoria, pois quem está no poder não quer educação de qualidade, pois é preciso que o povo continue ignorante para garanti -los no poder. Aos professores resta o suicidio ou a demissão coletiva. Poucas são as pessoas que entendem a real situação dos educadores e o verdadeiro sentido da educação. Seria muito querer que um magistrado entendesse isso, não é mesmo?

Fábio Silvério | sexta-feira junho 24 2011 | 09:30

Eu queria era que os professores voltassem de vez à sala de aula para depois decidir o futuro deles. Essa greve demorou tempo demais e não pode mais continuar. Já houve muitas crianças prejudicadas.






You must be logged in to post a comment.