Corrupção, Denúncia
Atualizado em: 10/08/2011 - 12:18 pm

Um dia após ser alvo da “Operação Voucher”, da Polícia Federal (PF), o Ministério do Turismo suspendeu, por 45 dias, a assinatura de convênios com entidades privadas sem fins lucrativos. Também foram suspensos quaisquer empenho de recursos, ou seja, a liberação de verbas ministeriais para essas entidades. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (10) no Diário Oficial da União.

Exame de prestação
A Portaria Ministerial nº 136 determina que a secretarias nacionais e a Diretoria de Gestão Interna do ministério, além da suspender novos contratos, examinem as prestação de contas referentes aos convênios em vigor até 31 de dezembro de 2010, priorizando aqueles de valores mais expressivos. Além disso, deverão apresentar um relatório quinzenal, contendo a análise das prestações de contas já concluídas, bem como as pendentes.

Operação Voucher
Deflagrada nesta quarta-feira (9) pela Polícia Federal, a Operação teve origem em auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU), que identificou indícios de um esquema de desvio de verbas públicas destinadas pelo ministério ao Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), uma organização sem fins lucrativas, com sede em São Paulo, conveniada para promover cursos de qualificação profissional no Amapá.

No total, trinta e cinco (35) suspeitos de envolvimento com o esquema foram presos nas cidades de São Paulo, Brasília e Macapá. Entre os presos, estavam o secretário executivo do ministério, Frederico Silva da Costa, e o ex-presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Mário Moyses.

Leia mais:
Ministério do Turismo assina contratos de R$ 52mi com ONG de empresário indiciado
Ministérios do Turismo e Cidades são os novos alvos de Dilma

Com informações da Agência Brasil



0 comentários







0 comentários
Topo | Home




You must be logged in to post a comment.