Ceará
Atualizado em: 12/07/2013 - 1:22 pm

Ministério Público pede cancelamento de vaquejada em Assaré

Ministério Público pede cancelamento de vaquejada em Assaré

O Ministério Público do Estado do Ceará expediu uma recomendação direcionada ao prefeito de Assaré, Luis Samuel Freire, para pedir a não realização da vaquejada prevista para ocorrer entre os dias 19 e 21 deste mês.

Motivação
O pedido do MP se baseia na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que foi ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para contestar a Lei Estadual Nº 15.299/2013, a qual estabelece regras para a realização das vaquejadas como atividades desportivas e culturais e fixa os critérios para a competição, obrigando os organizadores a adotarem medidas de segurança para os vaqueiros, os animais e o público. Uma liminar referente à ADI está aguardando julgamento por parte da Corte do Superior Tribunal Federal (STF).

“Em situações específicas em que houve embate entre as manifestações culturais e o meio ambiente, a Corte entendeu que ‘o conflito de normas constitucionais se resolve em favor da preservação do meio ambiente quando as práticas e os esportes condenam animais a situações degradantes’”, diz o texto da recomendação, citando a Procuradoria-Geral da República.

Tradição
Com periodicidade anual, o evento faz parte do calendário de festas da Cidade e acontece tradicionalmente em julho, sempre próximo ao aniversário do Município. A recomendação é de autoria do promotor de Justiça Lucas Felipe Azevedo de Brito e foi entregue nessa quinta-feira (11).

E ainda
No documento expedido ontem, o MP pede que, caso não seja possível atender ao pedido feito pelo promotor, o evento seja realizado atendendo às normas ambientais necessárias para preservar a integridade física e a saúde dos animais, cumprindo ainda a Lei Estadual Nº 15.299/2013.

O Ministério Público ressalta que a inobservância aos pedidos feitos na recomendação acarretará na adoção das medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis. No documento, a Promotoria de Justiça de Assaré estipula o prazo improrrogável de três (3) dias para que o Executivo municipal informe se acatará ou não a recomendação do MP.

Com informações do MPE



0 comentários







0 comentários
Topo | Home




You must be logged in to post a comment.