Ficha Limpa
Atualizado em: 18/02/2012 - 8:23 am

José Dirceu, acusado de formação de quadrilha e corrupção no caso do Mensalão, pode ver sua chance de concorrer a cargo público em 2014 ser adiada.

A Lei da Ficha Limpa, validada pelo Supremo Tribunal Federal na quinta-feira (16), poderá ter forte impacto sobre a política nacional, a começar pelos réus do mensalão, o escândalo mais rumoroso do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Se os políticos do grupo forem condenados este ano, ainda que com penas baixas, estarão proibidos de concorrer a cargos eletivos, no mínimo, até as eleições de 2020. Pela lei, políticos condenados por órgãos colegiados, como o STF, não podem disputar eleições por pelo menos oito anos.

Até a aprovação da Lei da Ficha Limpa em 2010, condenações em processos criminais resultavam na inelegibilidade por apenas três anos. O ministro Joaquim Barbosa, relator do mensalão, disse que o processo poderá ser julgado ainda no primeiro semestre deste ano.

Leia Mais:
STF decide que Lei da Ficha Limpa será aplicada na eleição de 2012

Entre os réus do processo que poderão ter as carreiras duramente atingidas estão alguns dos principais líderes do PT como o ex-ministro José Dirceu, o ex-deputado José Genoino e o deputado João Paulo Cunha. O ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, que vinha se preparando para as eleições deste ano, corre o risco de se ver obrigado a mudar os planos políticos antes mesmo do próximo pleito.

Leia também:
Dilma Rousseff deveria adotar a Ficha Limpa na escolha de autoridades, diz Pedro Simon  
Ficha limpa para administração pública começa a tramitar na Assembleia    
Vereador pede ficha limpa para cargos da administração pública  

O mesmo pode acontecer com o ex-deputado Roberto Jefferson, atual presidente do PTB, Bispo Rodrigues, ex-PR, o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) e o prefeito de Uberaba, Anderson Adauto (PR), entre outros. José Dirceu e Roberto Jefferson tiveram os mandatos cassados em 2005 e, desde então, perderam o direito de concorrer a cargos eletivos até 2014. Com uma eventual condenação no processo criminal em curso no STF, a punição poderia ser ampliada por um prazo igual ou superior a oito anos.

Do O Globo



0 comentários







0 comentários
Topo | Home




You must be logged in to post a comment.