Ceará, Greve
Atualizado em: 03/01/2012 - 11:04 am


Uma fonte da Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), que preferiu não se identificar, informou ao Jangadeiro Online, na manhã desta terça-feira (3), que o Governo do Estado não vai dar anistia aos policiais e bombeiros militares paralisados desde a noite da última quinta-feira (29).

Na prática, isso significa que os militares serão responsabilizados por todos os atos que cometeram e que sejam considerados ilegais. “Eles vão responder por todas as infrações, desde as mais leves até as mais graves. Tudo de acordo com o Código Penal Militar [que relaciona e classifica os crimes militares e que dispõe sobre a aplicação das penas correspondentes aos crimes por eles cometidos]”, disse.

Retomada dos bens públicos
A mesma fonte informou também que as forças policiais vão começar, ainda nesta terça-feira (3), a retomada dos bens públicos, como viaturas e prédios. Policiais e bombeiros militares de Fortaleza e de várias cidades do interior paralisaram as atividades para reivindicar, dentre outras coisas, aumento salarial de 80% até 2015 e anistia aos militares que participam do movimento.

“Só saímos mortos”
Na noite desta segunda-feira (2), a desembargadora Sérgia Miranda, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), determinou que os policiais e bombeiros militares paralisados retomem as atividades imediatamente sob pena de multa. A categoria, no entanto, afirmou que não vai sair da 6ª Companhia do 5º Batalhão, onde mais de 1 mil homens estão acampados com suas famílias.

“Só sairemos daqui mortos ou com a vitória”, disse o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros do Ceará, Flávio Sabino. Por enquanto que o impasse entre Governo e militares não é resolvido, a população de Fortaleza denuncia a insegurança pelas ruas. Na noite desta segunda-feira (2), vários assaltos e arrastões foram registrados na Capital cearense.

Leia mais:
Batalhão de Choque adere à paralisação dos policiais e bombeiros militares
Registro de crimes no interior do Ceará deixa de ser feito por falta de policiais
Policiais civis do Ceará marcam assembleia e também podem parar
Segurança de Fortaleza recebe reforço de fuzileiros da Marinha

Redação Jangadeiro Online, com informações da SSPDS










Eleição, Internacional
Atualizado em: 03/01/2012 - 10:20 am


Candidato republicano deve enfrentar Obama na disputa pela presidência dos Estados Unidos

Seis candidatos republicanos disputam nesta terça-feira  (3) a preferência do eleitorado no estado americano de Iowa, que abre o calendário eleitoral dos Estados Unidos visando às eleições presidenciais em novembro.

Os pré-candidatos Mitt Romney, Ron Paul e Rick Santorum lideram as pesquisas como possíveis indicados do estado à candidatura republicana, mas o resultado permanece imprevisível.

Em números
Cerca de 120 mil eleitores se reunirão em assembleias em escolas, residências e prédios públicos para votar naquele que consideram o mais apto a enfrentar o presidente Barack Obama na disputa pela Casa Branca. Serão cerca de 1,7 mil reuniões em 99 condados de Iowa, nas quais os eleitores escolherão os 28 deputados que se comprometerão a votar em determinado candidato na Convenção Nacional Republicana na Flórida em agosto.

Com população majoritariamente branca e rural, de cerca de 3,5 milhões de pessoas – que muitos consideram pouco representativa dos EUA –, o estado de Iowa tem lugar especial no pleito americano, sendo visto como um teste crucial para a viabilidade de uma candidatura.

E mais
Uma boa colocação na prévia de Iowa representa um impulso para as votações seguintes. Muitas vezes, os vencedores no estado acabam sendo os indicados de seus partidos, como ocorreu com George W. Bush em 2000 e o próprio Obama – ambos chegaram à Presidência.

 Com informações da Agência Brasil

 



Comment closed







Ceará, Greve
Atualizado em: 03/01/2012 - 10:01 am


 

Repórter Jefferson Abreu entrevista moradores do bairro Antônio Bezerra

Na noite de segunda-feira (2), muitas informações sobre supostos arrastões movimentaram as redes sociais. Principalmente, Facebook e Twitter.

Uma das imagens mais comentadas foi do trabalho da equipe de reportagem do programa Barra Pesada, TV Jangadeiro. O repórter Jefferson Abreu esteve no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza, e entrevistou moradores.

Segundo a população, aconteceu um arrastão no local. O clima de insegurança pode ser visto na imagem abaixo. Populares estavam armados com peixeira e facão na tentativa de se proteger de possíveis assaltantes.

Paralisação
Os policiais militares decretaram greve na última quinta-feira (29). A categoria reivindica, dentre outros pedidos, reajuste salarial e contratação de mais policiais para cobrir o efetivo. Cerca de 80% da categoria está paralisada.

Leia mais:
Estabelecimentos comerciais encerram expediente mais cedo por conta de arrastões
“Só saímos mortos”, diz líder dos militares em greve
Justiça determina retorno imediato de militares ao trabalho










Ceará, Greve
Atualizado em: 03/01/2012 - 9:56 am


Os motoristas de ônibus de Fortaleza podem paralisar as atividades nesta terça-feira (3), o motivo é a insegurança de trabalhar sem a presença dos policiais, bombeiros e batalhão de choque. O assunto será discutido durante uma reuniões com a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro), a partir das 10h desta terça, na sede do próprio sindicato.

A proposta inicial é que as linhas consideras mais perigosas tenham o horário de circulação reduzido para às 19h. Os passageiros que utilizam os ônibus das linhas Siqueira/Centro, Conjunto Ceará Aldeota, Autran Nunes, São Miguel, Jardim Castelão e os coletivos que rodam nos bairros Bom Jardim, Metrópole e Jardim Guanabara podem ser prejudicados.

Leia mais:
Estabelecimentos comerciais encerram expediente mais cedo por conta de arrastões

Segundo presidente do Sintro, Domingos Filho, só no início da noite de ontem cerca de dez assaltos foram registrados em linhas que rodam no Antônio Bezerra e José Walter, ação que fez com que o sindicato se mobilizasse para que uma atitude seja tomada e a segurança dos motoristas e cobradores seja mantida.

Da Redação do Jangadeiro Online










Ceará, Greve
Atualizado em: 03/01/2012 - 8:29 am


Enquanto isso, Bombeiros e Policiais militares seguem em mobilização

Em nota divulgada nesta terça-feira (3), a 10º Região Militar afirmou que a segurança de Fortaleza vai receber o reforço, ainda hoje, de 27 fuzileiros da Marinha do Brasil; 108 militares do 16ºBatalhão de Infantaria Motorizado do Exército Brasileiro (do Rio Grande do Norte) e 130 viaturas, cedidas pelo Governo do Estado e Polícia Militar, que vão passar a ser usadas pelos militares do Exército com o objetivo de atender as ocorrências.

Pontos considerados vulneráveis como o Centro de Fortaleza, Aeroporto Internacional Pinto Martins, orla marítima, Palácio da Abolição, Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), Batalhão de Turismo (BPTur), as instalações de Comando da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militares são alguns locais que terão a segurança reforçada.

Os efetivos empregados, no momento, para fazer a segurança da cidade de Fertaleza correspondem a 813 homens do Exército Brasileiro e 204 da Força Nacional de Segurança Pública.

Três categorias paralisadas
Cerca de 80% dos policiais e bombeiros militares estão paralisados, e mais uma categoria aderiu ao movimento. No início da tarde desta segunda-feira (02), policiais do Batalhão de Choque também paralisaram as atividades e se juntaram aos PMs que estão acampados na 6ª Companhia do 5º Batalhão, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza. Agora, já são três categorias paralisadas.

Retorno imediato
No início da noite deste segunda-feira (2), a Desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Sérgia Miranda, determinou o retorno imediato dos policiais e bombeiros ao trabalho. Ainda segundo a magistrada, todas os bens do Estado devem ser reintegrados. Caso a ordem seja descumprida, cada militar deve pagar multa de R$ 500 diária, e cada associação, de R$ 15 mil.

“Só sairemos daqui mortos”
Mesmo com a determinação judicial, os policiais e bombeiros militares decidiram não acatar a determinação da Justiça.“Só sairemos daqui mortos ou com a vitória”, disse o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros do Ceará, Flávio Sabino.

Reivindicações
O presidente da Associação de Cabos e Soldados do Ceará, Flávio Sabino, disse, ao Portal Jangadeiro Online, que, caso o governador Cid Gomes conceda a anistia e o aumento dos salários pedido pela categoria paralisada, além do compromisso do prosseguimento das negociações, os policiais e bombeiros retomam as atividades imediatamente.

Leia mais:
Bombeiros e policiais militares continuam em greve
Greve da PM: Cerca de 3 mil homens estão paralisados em todo Ceará
Governo lança nota sobre paralisação de PMs e Bombeiros do Ceará

Redação Jangadeiro Online, com informações da 10ª Região Militar










Ceará, Greve, Vídeos
Atualizado em: 03/01/2012 - 6:50 am


A desembargadora Sérgia Miranda pediu na segunda-feira (2) a reintegração de posse das delegacias e viaturas que estão paradas desde a última quinta-feira (29), quando começou a greve dos bombeiros e policiais militares. Na tarde desta segunda-feira (2), homens do Raio e alguns agrupamentos do Batalhão de Choque aderiram ao movimento. Nas ruas, a população anda com medo dos bandidos que aproveitam a fragilidade da segurança pública para amedrontar comerciantes e moradores da periferia da cidade. Em parte são apenas boatos, mas é bom ficar em alerta! Outras categorias como professores e motoristas de ônibus prometem cruzar os braços nesta terça-feira (3).

Leia ainda:
Comissão de Recesso assume trabalhos na Assembleia Legislativa  
Com vídeo: Batalhão de Choque adere à paralisação dos policiais e bombeiros militares  

“Só saímos mortos”, diz líder dos militares em greve  
Segurança de Fortaleza recebe reforço de fuzileiros da Marinha  

Acompanhe a reportagem do Jornal Jangadeiro:










Ceará, Greve
Atualizado em: 02/01/2012 - 9:07 pm


Os policiais e bombeiros militares decidiram não acatar a determinação da Justiça, que os obriga a acabar com a paralisação. No início da noite desta segunda-feira (2), a desembargadora Sérgia Miranda determinou o retorno imediato dos manifestantes ao trabalho.

“Só sairemos daqui mortos ou com a vitória”, disse o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros do Ceará, Flávio Sabino, em relação à ordem de desocupação da 6ª Companhia do 5º Batalhão, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza. O presidente da Associação deu entrevista exclusiva ao Jangadeiro Online sobre a decisão de resistência dos manifestantes.

A desembargadora determinou a reintegração de posse de todos os patrimônios tomados pelos manifestantes. Os homens do Exército que fazem a segurança em Fortaleza, nos últimos dias, devem atuar na recuperação dos bens do estado e na desocupação.

Paralisação
A paralisação foi deflagrada na última quinta-feira (29). Desde então, vem ganhando força no Interior do Estado e entre os diversos pelotões. Com parte dos protestos, viaturas foram tomadas e quarteis ocupados pelo grupo, que já soma quase 80% da corporação.

Leia mais:
Batalhão de Choque adere à paralisação dos policiais e bombeiros militares
Policiais civis do Ceará marcam assembleia e também podem parar

Redação Jangadeiro Online, com informações do presidente da Associação dos Cabos e Soldados










Ceará, Greve
Atualizado em: 02/01/2012 - 6:11 pm


PMs estão concentrados na seda da 6ª Cia do 5º BPM

Mais uma categoria aderiu à paralisação dos policiais e bombeiros militares. No início da tarde desta segunda-feira (02), policiais do Batalhão de Choque também paralisaram as atividades e se juntaram aos PMs que estão acampados na 6ª Companhia do 5º Batalhão, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza. Agora, já são três categorias paralisadas.

Além de policiais da Capital Cearense, PMs de pelo menos nove municípios do interior cearense também cruzaram os braços. Ao todo, estão paralisados os efetivos das cidades de Pacatuba, Maracanaú, Baturité, Canindé, Sobral, Iguatu, Itapipoca, Acaraú e Juazeiro do Norte. Os militares estão paralisados desde a última quinta-feira (29), após assembleia geral realizada no Ginásio da Parangaba.

Reivindicações
Os policiais e bombeiros reclamam da falta de efetivo para fazer a segurança em todo o Estado. Segundo Pedro Queiroz, presidente da Aspramece, são mais de 14 mil policiais na folha, mas aproximadamente 7.400 estariam licenciados. O ideal, conforme a associação, seriam 33.700 policiais; os dados seriam da ONU.

A categoria pede ainda promoção e assistência médica, além da reivindicação principal, que é por reajuste dos salários. Os militares afirmam que só voltam às atividades normais quando o governador Cid Gomes (PSB) aceitar as reivindicações. Enquanto isso não ocorre, eles seguem acampados nos batalhões das respectivas cidades.

Leia mais:
Arcebispo de Fortaleza intermedeia negociação entre Governo e PMs

Governo lança nota sobre paralisação de PMs e Bombeiros do Ceará
Reunião entre PMs e Governo termina sem acordo

Reforço na segurança
De acordo com nota divulgada neste domingo (1º) pela 10ª Região Militar, cerca de 630 homens do Exército Brasileiro, 169 da Força Nacional e Segurança Pública e 1650 dos órgãos de segurança pública federal, estadual e municipal reforçam o policiamento nos bairros de Fortaleza. Ao todo são 2.449 homens atuando na Capital Cearense.

Patrulhamento ostensivo, operações de controle de distúrbios, interdição de área desocupação de instalações públicas, desobstrução de vias de circulação e operação de busca e apreensão são algumas operações que o Exército está realizando na cidade. O Comando da Operação solicita que a população continue utilizando o número 190 para as situações de emergência.

Assista à reportagem do programa Barra Pesada:

Redação Jangadeiro Online, com informações da Aspramece










ALEC
Atualizado em: 02/01/2012 - 2:38 pm


Texto foi aprovado na Assembleia Legislativa

Uma Comissão de Representação da Assembleia Legislativa, conhecida como Comissão de Recesso, comanda os trabalhos na Casa a partir desta terça-feira (3), durante o período de férias dos parlamentares. A Comissão foi criada para deliberar sobre situações de alta relevância que ocorram durante o recesso.

O colegiado é formado pelos deputados Antônio Carlos (PT), Sérgio Aguiar (PSB), Dedé Teixeira (PT), Ronaldo Martins (PRB), Júlio César (PTN), Moésio Loiola (PSD), Adail Carneiro (PDT), Paulo Duarte (DEM) e Perboyre Diógenes (PSL).

Os parlamentares foram eleitos na última sessão legislativa de 2011, no dia 23 de dezembro. Foram respeitados critérios de proporcionalidade das representações partidárias. Assim que as atividades forem retomadas normalmente na Casa, a comissão é desfeita automaticamente. O recesso parlamentar termina no dia 2 de fevereiro, quando será dado início ao 1º período legislativo de 2012. No período de recesso, não há sessões plenárias.

Leia mais:
Assembleia Legislativa aprova orçamento do Ceará para 2012
Provas do concurso da Assembleia serão realizadas neste domingo
Deputados sugerem mapa da criminalidade para reduzir violência

Da Redação do Jangadeiro Online, com informações da AL










Nacional
Atualizado em: 02/01/2012 - 1:59 pm


Depois de baterem recorde em 2010, os investimentos federais fecharam 2011 com queda. Esses gastos, que incluem as obras públicas e a compra de equipamentos pelo governo, atingiram R$ 44,418 bilhões em 2011, queda de 5,7% em relação aos R$ 47,106 bilhões investidos no ano anterior.

Os valores foram obtidos por meio da soma de dados divulgados pelo Tesouro Nacional referentes aos meses de janeiro a novembro com os gastos de dezembro que constam no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). O Tesouro só apresentará os números de dezembro no fim de janeiro, quando publicará o resultado do Governo Central – Tesouro, Previdência Social e Banco Central – de 2011.

PAC inflado
A queda nos investimentos totais não se repetiu no principal programa de obras públicas do governo. As despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) totalizaram R$ 26,046 bilhões em 2011, crescimento de 17,95% em relação aos R$ 22,082 bilhões gastos em 2010. Esse crescimento, no entanto, está inflado por causa do programa Minha Casa, Minha Vida, cujas despesas são incluídas no PAC, mas não são classificadas como investimento.

Minha Casa, Minha Vida
No ano passado, os gastos do Minha Casa, Minha Vida mais do que quadruplicaram, saltando de R$ 1,572 bilhão em 2010 para R$ 6,485 bilhões em 2011. Esse montante, no entanto, não é considerado investimento porque não foi gasto diretamente com a construção de moradias, mas com subsídios para os bancos oferecerem financiamentos habitacionais mais baratos.

Esperança
Ao comentar o resultado do Governo Central de novembro, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse esperar que os investimentos retomem a trajetória de crescimento em 2012. Segundo ele, o início de algumas obras do PAC 2 vão ampliar os investimentos da União neste ano.

Em relação ao desempenho dos investimentos em 2011, o secretário declarou que a queda não foi preocupante porque a base de comparação foi forte. Em 2010, os investimentos federais dispararam e bateram recorde, com crescimento de 38% em relação a 2009.

Restos a Pagar
Mais uma vez, os investimentos foram sustentados com recursos de exercícios anteriores, chamados de restos a pagar. No ano passado, esse montante correspondeu a 55,8% dos investimentos, o que equivale a R$ 24,774 bilhões. No PAC, a fatia de recursos anteriores a 2011 foi ainda maior: 67,2% ou R$ 17,503 bilhões. A maior proporção, no entanto, foi observada no Minha Casa, Minha Vida, em que 95,1% das despesas executadas no ano passado se originaram de restos a pagar.

Com informações da Agência Brasil










Fortaleza, Greve
Atualizado em: 02/01/2012 - 1:33 pm


Polícia Civil pode aderir ao movimento dos militares

O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Ceará – SINPOCI vai reunir a categoria em assembleia na terça-feira (3), às 18h30, na sede do sindicato. Eles vão discutir a possibilidade dos policiais civis aderirem à paralisação dos PMs e Bombeiros Militares. A reunião vai acontecer da sede da entidade, no Centro de Fortaleza.

Esta seria a terceira paralisação dos Policiais Civis, em menos de um ano. Em julho do ano passado os Policiais Civis do Ceará resolveram parar as atividades. A categoria permaneceu 39 dias parada, suspendendo a greve no dia 9 de agosto. No dia 14 de outubro, em uma nova assembleia, os Policiais decidiram retomar a paralisação que durou dois meses, terminando no último dia 15 de dezembro. Uma das principais reivindicações da categoria é a solução para o problema do baixo efetivo da Polícia Civil do Ceará, sobretudo de inspetores e escrivães.

Monvimento dos PMs e bombeiros
Os militares decidiram paralisar as atividade por tempo indeterminado durante assembleia da categoria realizada na quinta-feira (29), no Ginásio da Parangaba. Após a deliberação, eles começaram a se mobilizar, com o apoio das mulheres e realizaram várias manifestações ao longo da madrugada.

Reivindicações
Os policiais e bombeiros reclamam da falta de efetivo para fazer a segurança em todo o Estado. Segundo Pedro Queiroz, presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar e dos Bombeiros Militares do Ceará (Aspramece), são mais de 14 mil policiais na folha, mas aproximadamente 7.400 estariam licenciados. O ideal, conforme a Associação, seriam 33.700 policiais; os dados seriam da ONU.

Leia mais:
Apesar do reforço policial, várias mortes são registradas na periferia de Fortaleza

Arcebispo de Fortaleza intermedeia negociação entre Governo e PMs
Policiais e Bombeiros Militares decidem entrar em greve às vésperas do Réveillon
Guarda Municipal e AMC também podem paralisar atividades no Réveillon

Redação do Jangadeiro Online, com informaçõe da Assessoria de Comunicação do SINPOCI










Ceará, Greve
Atualizado em: 02/01/2012 - 1:16 pm


No quarto dia de paralisação dos policiais e bombeiros militares, mais quatro (4) municípios aderiram à greve. Cerca de 100 homens da 3ª Companhia do 4º Batalhão, que atende os município de Itapipoca e Acaraú, na região Norte do Ceará, cruzaram os braços na madrugada desta segunda-feira (2).

Itapipoca e Acaraú
No começo da manhã, o batalhão foi fechado pelas esposas dos soldados e cerca de 15 viaturas tiveram os pneus esvaziados. De acordo com a Associação das Esposas dos PMs, uma comitiva está sendo enviada para Fortaleza com o objetivo de acompanhar de perto as negociações entre o governador e a categoria.

Baturité e Canindé
Já os policiais da 2ª Companhia do 4º Batalhão, que atende os município de Baturité e Canindé, aderiram à paralisação na manhã desta segunda-feira (2). O prédio está fechado e os policiais estão acampados.

Sete municípios sem policiamento
Com as novas adesões à greve, o Ceará já contabiliza sete municípios atingidos pela paralisação dos policiais. São eles: Itapipoca, Acaraú, Sobral, Maracanaú, Pacatuba, Baturité e Canindé.

No município de Sobral, na Região Norte, 75% do efetivo do 3º Batalhão cruzou os braços. Segundo informação da Associação de Cabos e Soldados da Região Norte, dos 160 PMs lotados no 3º BPM, apenas 40 ainda não aderiram ao movimento grevista.

Policiais do Ronda do Quarteirão dos municípios de Maracanaú e Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), também aderiram à greve da Polícia e Bombeiros Militares decretada nesta quinta-feira (29).

Leia mais:
Greve da PM: Cerca de 3 mil homens estão paralisados em todo Ceará

Redação Jangadeiro Online










Fortaleza
Atualizado em: 02/01/2012 - 12:54 pm


O assunto tomou conta das redes sociais. Alguns contam com ênfase no desgaste da imagem da prefeita, outros afirmam que a manifestação foi um ato isolado e que não causa preocupação a petista.

Mas entre boatos, desmentidos e algum exagero está a verdade: a prefeita Luizianne Lins foi realmente vaiada durante a festa de reveillon de Fortaleza no aterro da praia de Iracema.

Vale lembrar que essa não foi a primeira vez. Em festas anteriores, patrocinadas pela gestão “Fortaleza Bela” , a prefeita já havia sentido o gosto amargo das críticas que partem da população.

As vaias na entrada de 2012 foram registradas em vídeo e publicadas no site YouTube. Acompanhe!










Pesquisa
Atualizado em: 02/01/2012 - 9:48 am


A violência, as falhas no sistema de saúde e a corrupção, na opinião dos brasileiros, são os três maiores problemas do país atualmente, segundo revelou uma pesquisa divulgada no fim de dezembro pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Cerca de 3,7 mil pessoas foram entrevistadas. A segurança foi apontada por 23% das pessoas ouvidas como o maior problema. Depois veio a saúde, com 22,3%, e a corrupção, 13,7%. Na lista aparecem ainda o desemprego (12,4%), a educação (8%), a pobreza (6,1%) e as desigualdades (5,8%).

O professor Gustavo Venturi, do departamento de sociologia da Universidade de São Paulo (USP), chama atenção para o fato da lista das prioridades nacionais se reciclar periodicamente. “Se nós voltarmos às eleições de 2002, por exemplo, o desemprego era o tema principal das campanhas presidenciais e disputava com a segurança. Hoje, há uma mudança em função do aquecimento da economia e da formalização do emprego que coloca o problema mais para trás na fila”, disse.

Variação por Região e Renda
Mas a percepção da população sobre quais são os problemas mais graves do país variam muito de acordo com a idade, renda e região. Os sulistas são os mais preocupados com a corrupção. No Norte e no Nordeste, a violência é apontada como o problema mais grave. No Sudeste e no Centro-Oeste, a saúde aparece no topo da lista dos maiores problemas. Também há diferenças na opinião de ricos e pobres sobre quais são as questões mais urgentes. Nas famílias com renda per capita mensal até um quarto de um salário mínimo, 23,7% avaliam que o acesso à saúde é o problema mais grave, seguido pela violência (22,6%) e o desemprego (18,4%).

“A saúde está um caos, falta investimento e mais gente trabalhando. Eu, graças a Deus, não preciso muito usar a rede pública porque Deus me dá saúde”, declarou Francisco das Chagas, 46 anos, ambulante. Cícera Gomes, 31 anos, está desemprega. Moradora do entorno de Brasília, ela acha que a falta de saneamento básico é um problema grave. “Eu moro em Luziânia e a estrutura é péssima, estou lá há 12 anos e nada foi feito. E ainda tem a violência. A gente não está seguro em lugar nenhum. Temos que cobrar do governo poque a gente paga nossos impostos e o mínimo que eles têm que fazer é cumprirem o que prometem”, disse.

Já entre as pessoas cuja renda familiar per capita é superior a cinco salários mínimos, 27,8% concordam que o problema mais grave é a corrupção, 26% acham que é a saúde e 17,7% acreditam que é a violência. Apenas 1,7% dos mais ricos acham que a falta de emprego é um problema importante no Brasil. “Os principais problemas são a saúde e a educação. Acho que se acabasse com a corrupção melhoraria e muito também outras áreas. Porque as verbas são desviadas e aí os professores não são valorizados, nem os profissionais de saúde”, declarou a enfermeira Rita de Cássia, 48 anos.

Agenda
Venturi explicou que cada grupo tende a avaliar a situação a partir de sua própria realidade, e existe uma diferença de “agenda” entre as camadas da população. “A vida das pessoas mudou em termos objetivos nos últimos anos. Nós tivemos milhões de pessoas que ascenderam socialmente e essa mudança na condição de vida delas soa muito mais alto do que qualquer discussão mais subjetiva, como a da corrupção. As camadas de maior renda, precisando menos de um Estado forte e atuante, vão ser mais sensíveis a essa discussão”, avalia o sociólogo.

Alta Renda
No grupo com renda mais alta, 16,8% acham que a educação é um problema importante, enquanto entre os mais pobres apenas 5,9% concordam com a assertiva. A diferença é que o primeiro grupo tende a analisar a questão da educação pelo ponto de vista do acesso, enquanto o outro considera de forma mais crítica o fator da qualidade. “As camadas populares antes não tinham acesso à educação, por isso tem um grau de exigência menor. São pais que não tiveram acesso à escola e agora veem que o ensino superior está no horizonte dos seus filhos. Por outro lado, a conclusão dos estudos em diferentes níveis não é suficiente para garantir colocação no mercado diante de uma economia aquecida. A discussão da qualidade da educação sensibiliza mais as camadas mais altas”, aponta Venturi.

Jovens, Adultos e Idosos
De acordo com o estudo do Ipea, a população mais jovem é a que mais se preocupa com a questão do desemprego, da educação e das desigualdades sociais. Já para os adultos, o maior problema é a saúde. Os idosos são aqueles que mais se importam com a violência e a corrupção. “O governo tem que ouvir mais a população para saber quais são os principais problemas que a gente enfrenta. Um governo que não ouve a população não pode saber o que ela passa”, defende a estudante Juliana Amorim, 26 anos.

Da Agência Brasil










Nacional
Atualizado em: 01/01/2012 - 5:20 pm


Entra em vigor a partir deste domingo (1º) o reajuste do salário mínimo, que passa de R$ 545 para R$ 622, um aumento de R$ 77. O novo salário mínimo corresponderá a R$ 20,73 por dia e o valor pago pela hora de trabalho será de R$ 2,83.

De acordo com cálculos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o aumento de 14,13% vai injetar R$ 47 bilhões na economia brasileira. Descontada a inflação estimada para 2011, o aumento real do salário mínimo deve ser de 9,2%.

Ainda segundo o Dieese, 48 milhões de pessoas têm sua renda vinculada ao valor do salário mínimo e, portanto, serão diretamente beneficiadas com o aumento. O governo também passará a arrecadar R$ 22,9 bilhões a mais devido ao aumento do consumo causado pelo reajuste.

Impacto
O novo salário mínimo de R$ 622 terá impacto de R$ 23,9 bilhões nas contas públicas em 2012. De acordo com governo, a maior parte desse montante corresponde aos benefícios da Previdência Social no valor de um salário mínimo que serão responsáveis pelo aumento de R$ 15,3 bilhões nas despesas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Salário mínimo
O método de reajuste do salário mínimo foi definido por meio de medida provisória aprovada pelo Congresso. A lei que fixa a política de reajuste do salário mínimo estabelece que o valor será reajustado, até 2015, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

Também começa a valer hoje o reajuste de 14,12% no valor do benefício do seguro-desemprego. Com isso, o valor máximo pago ao trabalhador passa de R$ 1.010,34 para R$ 1.163,76. O percentual de reajuste está em resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador publicada no dia (30) no Diário Oficial da União.

O benefício é pago em, no máximo, cinco parcelas de forma contínua ou alternada. Quem, nos últimos três anos, trabalhou entre seis meses e 11 meses recebe três parcelas. Aqueles que trabalharam entre 12 meses e 23 meses recebem quatro parcelas e quem comprovar vínculo empregatício de, no mínimo, 24 meses, recebe cinco parcelas.

Quem tem direito
Tem direito ao seguro-desemprego o trabalhador dispensado sem justa causa, que tenha recebido salários consecutivos no período de seis meses anteriores à data de demissão e tenha sido empregado de pessoa jurídica por pelo menos seis meses nos últimos 36 meses. O trabalhador tem do sétimo dia ao 120º dia após a data da demissão do emprego para requerer o benefício.

Leia mais:
INSS muda dia de depósito de benefícios de quem ganha acima de um salário mínimo
Trabalhadoras domésticas vão esperar um pouco mais para ter direitos igualados

Com informações da Agência Brasil