Política com K | Informação, bastidores, entrevistas. Tudo sobre a política, você encontra aqui, no Política com K. - Part 1741




Fortaleza
Atualizado em: 19/07/2011 - 7:11 am


Vereador João Alfredo (Psol) quer levou o questionamento sobre reajuste dos professores ao Ministério Público.

A Procuradora Geral de Justiça, Socorro França, tem reunião marcada nesta terça-feira (19), às 9h, com o vereador João Alfredo (PSol) e com a diretoria do Sindiute. Na pauta do encontro, a rejeição da Ação Direta de Incostitucionalidade (Adin) contra a Lei Municipal que concedeu reajuste salarial aos professores da rede pública de Fortaleza.

O Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE) negou o pedido do Ministério Público alegando que o MP não teria competência para se envolver em demandas do legislativo municipal. Para João Alfredo, a decisão do TJ-CE deslegitima e desautorização as intervenções do MP em relação à Câmara de vereadores de Fortaleza.

A reunião proposta pelo parlamentar do PSol tem o intuíto de demonstrar apoio e fortalecer a ação fiscalizadora do Ministério Público. O vereador e o sindicato dos professores não concordam com a decisão do Tribunal de Justiça e  defendem a legitimação das ações propostas pelo MP.

Relembrando
No início deste mês, o MP ingressou com uma Adin contra a Lei aprovada na Câmara Municipal de Fortaleza. De acordo com o Ministério Público, Lei feriu a Constituição do Estado do Ceará a Lei Orgânica do Município de Fortaleza. A Procuradoria avaliou que a Mensagem sobre o reajuste, enviada pela prefeita Luizianne Lins (PT) à Câmara Municipal de Fortaleza, foi uma tentativa de estancar movimento grevista dos professores de Fortaleza.

Os professores da rede pública de Fortaleza passaram quase dois meses em greve. A categoria reivindica, até hoje, a implantação da Lei do Piso Nacional do Magistério. O movimento grevista foi suspenso depois que a Justiça atendeu pedido da prefeitura da capital e decretou a ilegalidade da paralisação.

Leia mais:
MP diz que reajuste de professores aprovado na Câmara é inconstitucional e quer suspensão da lei 
OAB vai ao Supremo pedir que prefeitura de Fortaleza cumpra Lei do Piso dos Professores  

Para o MP, a tramitação “foi conduzida com despotismo e arbitrariedade, desprezando as normas internas daquele parlamento que disciplinam a dinâmica dos trabalhos de preparação, votação e aprovação das espécies legislativas”.










Corrupção
Atualizado em: 18/07/2011 - 11:05 pm


Dilma Rousseff. Foto: Agência Brasil

O contador e administrador, Augusto César Carvalho Barbosa de Souza, nem chegou a tomar posse na Diretoria de Administração e Finanças do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Ele foi desconvidado dentro da política de limpeza, determinada pela presidente Dilma Rousseff, no setor de Transportes. O setor está sob suspeita de envolvimento em irregularidades que já derrubaram o ministro Alfredo Nascimento e outros seis membros da cúpula da Pasta ligados ao PR.

Retirada do nome de Souza
Por meio de ofício publicado nesta segunda-feira (18), no Diário Oficial da União, a presidente Dilma Rousseff pediu ao Senado a retirada de pauta do nome de Souza, que ela própria havia indicado para o cargo por sugestão do ex-chefe de gabinete do Ministério Mauro Barbosa, um dos primeiros afastados após a onda de denúncias. Ele seria sabatinado no último dia 7 de julho pela Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, à qual compete chancelar as indicações presidenciais para o Dnit.

“Qualificado para assumir o cargo”
A unção de Souza parecia favas contadas – tinha até relatório favorável do senador Blairo Maggi (PR-MT), aprovado na comissão, que o definiu como “qualificado para assumir o cargo”. Mas a escolha deu para trás após a divulgação das denúncias, no início do mês. Com especialização em administração pública, Souza é oriundo da Controladoria Geral da União (CGU), onde exerceu funções de chefia, entre as quais a de coordenador-geral da área de Contas do Governo.

De investigador a investigado
Desde 2006, Souza é ouvidor do Dnit e, a partir de 2008, passou a acumular também o cargo de corregedor da instituição, encarregado de investigar e punir responsáveis por desmandos. Agora, de investigador ele passa à condição de investigado pela CGU, que realiza uma auditoria minuciosa em todos os contratos da Pasta. Souza não quis se manifestar sobre a “demissão”. A assessoria do Dnit informou que a escolha ou retirada de nomes para a Diretoria do órgão é de competência exclusiva da Presidência.

Próximos alvos
Os próximos alvos da “faxina” serão conhecidos em breve, segundo informações do próprio governo. O ministro Paulo Sérgio Passos reuniu-se na segunda, por mais de duas horas, com a presidente no Palácio do Planalto. Desde que assumiu o cargo, em 12 de agosto, ele vem anunciando demissões cirúrgicas de dirigentes do setor a cada reunião com Dilma. Mas, nesta segunda-feira, não se manifestou.

Leia mais:
Mesmo durante recesso, oposição tenta garantir apoio para instalar CPI dos Transportes
Temer avalia que medidas para resolver crise nos Transportes são adequadas

Com informações da Agência Estado










Fortaleza, Vídeos
Atualizado em: 18/07/2011 - 9:27 pm


O diretório regional do PSDB realizou, nesta segunda-feira (18), um encontro para discutir o papel da mulher na política. Dezenas de mulheres ligadas ao PSDB, no Ceará, participaram do evento. A jornalista e historiadora Adísia Sá também esteva presente e lembrou que a mulher tem assumido um papel indispensável na democracia brasileira.

No encontro, foi discutida a possibilidade de aumentar a presença feminina nas casas  legislativas através da reforma política, que hoje tramita no Congresso Nacional. Além disso, lideranças estaduais e nacionais do partido tucano destacaram que os desafios femininos na política fazem cada vez mais parte do dia-a-dia.

Leia mais:
Adísia Sá ministra palestra no encontro do PSDB mulher nesta segunda

Assista à reportagem exibida no Jornal Jangadeiro 2ª edição:










Nacional
Atualizado em: 18/07/2011 - 7:08 pm


Senador Alvaro Dias (PSDB)

O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), disse nesta segunda-feira (18) que o surgimento de novas denúncias de corrupção no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) deve ajudar na coleta de assinaturas para a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar o órgão.

De acordo com o líder tucano, faltam quatro assinaturas para completar as 27 necessárias para a criação da CPI.

“O importante, agora, é tentar criar a CPI. Os fatos novos dos últimos dias vão convencer alguns relutantes de que devem assinar essa CPI por uma questão de dignidade”, afirmou.

Para Dias, é dever do Congresso Nacional investigar denúncias que têm sido publicadas na imprensa e que já provocaram a queda do ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, do diretor-geral do Dnit Luiz Antônio Pagot e do diretor executivo do órgão José Henrique Sadok de Sá.

Leia mais:
Sob gestão de Passos, gastos extras dos Transportes subiram 154% 

Obras rendem R$ 18 milhões à construtora de mulher de diretor do Dnit  
Ministro dos Transportes afasta diretor interino do Dnit 
Exoneração de Alfredo Nascimento é publicada no Diário Oficial 
Ministro dos Transportes é o segundo a cair no governo Dilma 

“São informações em quantidade que jamais se viu, pelo menos ao que diz respeito a uma esfera do governo. É um dever do Senado Federal [investigar]. O que há é uma afronta ao país, o desvio de bilhões de reais. As providências adotadas até agora pelo governo não são suficientes, o Ministério Público ainda não teve tempo para instaurar os procedimentos para investigação judiciária e cabe ao Congresso Nacional agir com celeridade para dar essa resposta imediata ao país”, ressaltou.

Com a Agência Brasil










Nacional
Atualizado em: 18/07/2011 - 6:19 pm


Michel Temer avalia que Dilma adotou medidas adequadas diante da crise no Ministério dos Transportes.

O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), disse nesta segunda-feira (18) que a presidente Dilma Rousseff (PT) está tomando as medidas adequadas para resolver os problemas no Ministério dos Transportes desde que a revista Veja publicou denúncias sobre a existência de um esquema de pagamento de propina envolvendo integrantes do ministério e do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit).

Segundo Temer, as medidas adotadas são “as esperadas por aqueles que se preocupam com esse tema”. A declaração foi feita após uma  reunião de coordenação política, comandada por Dilma Rousseff. De acordo com Temer, o assunto não foi abordado na reunião de coordenação.

Crise nos EUA
A reunião começou com um relato do ministro interino da Fazenda, Nelson Barbosa, sobre o panorama econômico internacional, com foco na Europa e nos Estados Unidos. A avaliação do governo é de que os Estados Unidos não irão entrar em uma crise econômica grave, relator Temer. Segundo ele, também não foram discutidas as medidas econômicas que o Brasil adotaria no caso de uma crise americana.

“A tendência que se discutiu lá [na reunião da coordenação política], e assim foi expressado pelo Nelson Barbosa, é de que seguramente os Estados Unidos não entrarão nessa crise. Agora, não analisamos eventuais medidas que virão se, eventualmente, houver uma crise”, disse.

Planejamento
Medidas para o Plano Estratégicos de Fronteiras também foram avaliadas pelos ministros e pela presidente Dilma Rouseeff. Participaram ainda da reunião os ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, da Justiça, José Eduardo Cardozo, de Minas e Energia, Edison Lobão, da Secretaria de Comunicação, Helena Chagas, e do Planejamento, Miriam Belchior.

Com a Agência Brasil










Bastidores
Atualizado em: 18/07/2011 - 4:24 pm


Documentos obtidos pelo Correio Braziliense revelam que a relação entre o senador Blairo Maggi (PR/MT) e o diretor afastado do Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit), Luiz Antonio Pagot, é bem mais antiga do que se imaginava. Familiares dos dois já eram alvo de investigação 40 anos atrás.

Segundo a reportagem, no início da década de 1970, o Serviço de Informação da Polícia Federal demonstrava preocupação com um grupo que definia como criminoso no oeste do Paraná. Mais precisamente em São Miguel do Iguaçu, a poucos quilômetros de Foz do Iguaçu. A organização, segundo registros da época, roubava terras de pequenos agricultores, comprava vereadores e se envolvia com o tráfico de drogas.

O tal grupo investigado pela PF era capitaneado por André Maggi, pai do senador Blairo Maggi, e pelo ex-prefeito da cidade Ferdinando Felice Pagot, pai do funcionário do Dnit que protagonizou a crise instalada nas últimas semanas no Ministério dos Transportes.

“O grupo Maggi é formado por capitalistas que continuam fazendo reuniões secretas onde são vinculados (sic) que os mesmos já dispõem de 800 mil cruzeiros para comprarem oito vereadores através do voto, pois um já é deles, João Batista de Lima, que é despachante do Detran e foi eleito anteriormente usando documentos do Detran e outras promessas”, revelam os despachos dos agentes do serviço de informação, que acompanharam de perto a rotina dos políticos e dos empresários da cidade entre 1969 e 1979.

Jagunços
Ainda segundo a reportagem, a informação nº 00229 de 1977 define o pai de Blairo como um elemento político integrante dos ex-partidos PTB e PSD, vereador pelo PTB, com Francisco Kontorski e Arlindo Cavalca. Durante as atividades em uma serraria, logo que chegou à cidade, teria contratado o serviço de jagunços. “Conseguiu ficar rico e ludibriar tomando terras do cidadão Joes Fabris.” Em 1963, teria procurado um falsário, pegado dinheiro falso e distribuído na Argentina. No ano seguinte, acabou preso após tomar terras de algumas famílias.

Já Ferdinando Felice Pagot, ex-prefeito, é tido como agitador político. Depois de pedir o afastamento da Arena, teria comandado adeptos contrários ao partido. Maggi e Pagot têm origem no Rio Grande do Sul, mas ambos participaram do processo de interiorização e migraram para o oeste do Parana. André Maggi chegou com os filhos — Blairo ainda bebê — sem dinheiro. Virou vereador e presidente da Câmara Municipal de São Miguel do Iguaçu. O segundo prefeito da cidade foi seu primo Nadir Maggi.

Blairo e Pagot
A relação entre os filhos não foi diferente. Luiz Pagot foi secretario de governo de Blairo Maggi, coordenador de campanhas eleitorais e só conseguiu o cargo no Dnit pelo apoio do amigo. Pagot chegou a ingressar na carreira militar, mas pediu desligamento em 1982. A Marinha nega que ele tenha atuado em órgãos de repressão ou no serviço de inteligência. Procurados pela reportagem do Correio, nem Blairo Maggi nem Luiz Antonio Pagot retornaram as ligações.

Fonte: Correio Braziliense










Partidos
Atualizado em: 18/07/2011 - 2:59 pm


O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) pretende eleger o novo diretório da sigla no Ceará na segunda semana de outubro. O encontro foi agendado e o partido também já estabeleceu um calendário de convenções que vai do dia 15 de agosto até primeiro de outubro. 

A decisão de deixar a eleição do diretório estadual para outubro atende a orientação da direção nacional da sigla que programa o encontro nacional para o dia 15 de novembro, em São Paulo.

Já no final deste mês, mais precisamente nos dias 27 e 28 de julho, o Psol realiza evento em Fortaleza com direito a palestras, debates e um grande ato de filiação ao partido.

Capital e Interior
Os diretórios municipais, nas 54 cidades em que o Psol está presente, serão renovados a partir do dia 15 de agosto.

Com informações do Diário do Nordeste.










Nacional
Atualizado em: 18/07/2011 - 9:47 am


O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, admitiu que “falha” da equipe de planejamento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) pode ter causado aditivos de mais de 100% do valor de uma obra rodoviária.

A afirmação do ministro foi feita ao comentar a suplementação orçamentária para a obra da BR 101, no Rio de Janeiro. O empreendimento foi licitado em R$ 20,4 milhões e além do valor global, recebeu outros R$ 25 milhões em aditivos.

Passos alegou que o grande número de vias marginais, viadutos, custos de desapropriação e remanejamentos de redes de áreas urbanas encarecem a obra. Questionado se as variáveis já não deveriam estar previstas na formação inicial do preço da concorrência, o ministro admitiu erro do departamento de infraestrutura da pasta. “Pode ter havido falha no projeto original, sim. A área de planejamento do DNIT é responsável.”

Histórico
A reportagem da Isto É relata que no ano passado, quando Paulo Sérgio Passos exerceu interinamente o cargo de ministro para que Alfredo Nascimento, então titular da pasta, fizesse campanha ao governo do Amazonas, liberou R$ 78 milhões em créditos suplementares para três grandes obras. Os empreendimentos, de acordo com a revista, constavam da lista de irregularidades graves do Tribunal de Contas da União, que identificou pagamentos antecipados, ausência de projeto executivo, fiscalização omissa e superfaturamento.

Leia mais:
Sob gestão de Passos, gastos extras dos Transportes subiram 154% 

Mesmo após denúncias, Pagot afirma que pretende continuar na direção do Dnit 
Obras rendem R$ 18 milhões à construtora de mulher de diretor do Dnit 
Ministro dos Transportes afasta diretor interino do Dnit 
 

Várias das empreiteiras beneficiadas pelos aportes extraordinários doaram um valor de aproximadamente R$ 5 milhões a candidatos do PR durante a campanha eleitoral.

Denúncias
O Ministério dos Transportes vem enfrentando uma série de denúncias e passando por mudanças desde a reportagem da revista Veja sobre um esquema de cobrança de propinas na pasta. As denúncias levaram o então ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, pedir demissão do cargo, que agora é ocupado por Paulo Sérgio Passos. O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), Luiz Antonio Pagot, que também teve o nome envolvido nas denúncias está de férias.

Com o Correio Braziliense e informações da Agência Brasil










Nacional, Presidência
Atualizado em: 18/07/2011 - 9:16 am


Do Jangadeiro Online

Durante o programa semanal de rádio “Café com a Presidenta” desta segunda-feira (18), Dilma Rouseff disse que a construção de submarinos nacionais é uma questão estratégica e de garantia de soberania para o país. Ela participou da cerimônia que inaugurou a fabricação brasileira de submarinos com tecnologia francesa na última sexta-feira (15).

Segundo Dilma, o Brasil vai construir quatro submarinos. O primeiro deve ficar pronto em 2016. Para a presidente, a produção é fator estratégico para a defesa do país e para o crescimento econômico. O governo prevê a criação de 9 mil empregos diretos e 27 mil indiretos nas obras de construção do estaleiro e da base naval para os equipamentos.

A previsão é de que sejam investidos R$ 6,7 bilhões. Os quatro primeiros submarinos serão construídos pela Itaguaí Construções Navais, empresa criada em parceria entre a construtora Odebrecht e a francesa Direction des Construtions Navales et Services (DCNS), com a participação da Marinha do Brasil.

Transferência de tecnologia

O acordo com a França em 2008 prevê a transferência de tecnologia, para que a indústria nacional tenha condições de continuar construindo e desenvolvendo submarinos no Brasil. O próximo passo, segundo a presidenta, será a fabricação de um submarino movido a energia nuclear.

Com informações da Agência Brasil










ALEC
Atualizado em: 17/07/2011 - 6:34 pm


Do Portal Jangadeiro Online

Durante o recesso parlamentar, que começa nesta segunda-feira (18) e se encerra no dia 31 de julho, alguns órgãos de atendimento ao público da Assembleia Legislativa terão funcionamento diferenciado.

A Biblioteca César Cals de Oliveira estará aberta ao público de terça a quinta-feira das 8h às 12h. O espaço possui quatro mil livros catalogados no sistema eletrônico além de uma coleção de obras raras que contribui para a preservação de mais de um século de memória do Parlamento.

O empréstimo de livros é restrito aos funcionários da Casa, mas qualquer pessoa pode consultar o acervo que é composto por volumes nas áreas do Direito, Literatura, Ciências Políticas, Sociologia e publicações de autores cearenses. Além da consulta, o usuário pode utilizar gratuitamente os serviços de Internet, cópia e impressão.

O Espaço do Povo, serviço da Assembleia que oferece acesso gratuito à Internet e impressão de trabalhos para os estudantes e a população em geral, também vai funcionar, durante o recesso parlamentar, de terça a quinta-feira, das 8h às 12h.

De acordo com a funcionária Tereza Nobre, basta a pessoa assinar o nome numa lista para ter acesso ao Espaço do Povo. O serviço de Internet é limitado a uma hora por pessoa. “Mas se não tiver ninguém aguardando, esse tempo pode ser ultrapassado sem o menor problema”, comentou. A sala conta com dez máquinas. Alguns serviços, como bate-papos e mídias sociais são bloqueados.

BB
A agência do Banco do Brasil localizada na Casa funcionará normalmente, no expediente bancário, das 10h às 16h.

Com informações do portal da AL










Agenda, Partidos
Atualizado em: 17/07/2011 - 3:44 pm


Adísia Sá ministra palestra com o tema "A Mulher na Política, no Estado e na Sociedade".

O PSDB mulher promove encontro de filiadas da sigla nesta segunda-feira (18), a partir das 09h30, para debater a postura da ala feminina do partido na política cearense. O evento será realizado no hotel Oásis Atlântico, em Fortaleza.

RGM
A organização é do Instituto Teotônio Vilela aqui no Ceará que tem na presidência o deputado federal Raimundo Gomes de Matos.

Lideranças nacionais como a deputada Thelma de Oliveira (PSDB/MT), presidente nacional do PSDB Mulher, já confirmaram presença.

Convidados
Também prestigiam o evento, o presidente nacional do Instituto Teotônio Vilela (ITV), Tasso Jereissati; o presidente do PSDB no Ceará, Marcos Cals; além de outras lideranças da sigla entre prefeitas, vice-prefeitas, vereadoras e primeiras-damas.

Na ocasião, a jornalista e professora Adísia Sá vai ministrar palestra com o tema “A Mulher na Política, no Estado e na Sociedade”. O PSDB estima a participação de 200 pessoas no evento.

Programação do evento:
11h – A Mulher na Política e no PSDB
11h30 – A Mulher na Política, no Estado e na Sociedade
12h30 – Almoço
14h – Debates com os Temas Abordados
15h30 – Encerramento










Primeiro Plano
Atualizado em: 17/07/2011 - 3:23 pm


O programa Primeiro Plano deste sábado (16) entrevistou o historiador e professor universitário Marco Antônio Villa. Ele conversou sobre a corrupção no Ceará e no Brasil como um todo. Confira a entrevista:

Parte 1:

Parte 2:










Nacional
Atualizado em: 17/07/2011 - 12:02 pm


Uma alteração no estatuto dos Correios, realizada em maio deste ano, acabou por garantir ao Partido dos Trabalhadores a possibilidade de aparelhar os principais cargos de direção, chefia e gerência da estatal. Uma reportagem do Estadão deste domingo (17) mostra que o PT passou a ser o “Dono” dos Correios no governo da presidente Dilma Rousseff, após uma longa hegemonia do PMDB na era Lula.

Novo “Dono”
Segundo a publicação, o partido poderá agora levar funcionários de carreira de outros órgãos do governo para assumir vagas de presidentes de comissões de licitação, diretores regionais, superintendentes executivos, diretores regionais, chefes de departamento, coordenadores de negócios e de operações, entre outros cargos.

Até então, essas funções só podiam ser ocupadas por servidores concursados da estatal. A partir de agora, o governo está livre para tirar os funcionários de carreira e trocá-los por apadrinhados políticos.

Decreto
A manobra está no Decreto 7.483, assinado no dia 16 de maio pela presidente Dilma Rousseff e pelos ministros Paulo Bernardo (Comunicações) e Miriam Belchior (Planejamento). A decisão, que não precisou passar pelo crivo do Congresso, criou dois artigos que não existiam antes, os de número 43 e 44.

Os artigos permitem aos Correios requisitar, da administração pública direta e indireta, funcionários para ocupar “funções gerenciais e técnicas” na estatal. Serão atingidas as unidades regionais e as vinculadas à diretoria executiva da empresa.

Mensalão
A estatal foi palco de grandes escândalos no governo passado, incluindo o do mensalão, em 2005, e a queda de Erenice Guerra da chefia da Casa Civil no ano passado. Erenice era o braço direito de Dilma quando a petista comandava a pasta.

Agora, no governo Dilma, o PT foi escalado para tentar mudar a fama ruim dos Correios.

Fonte: Estadão.com










Nacional
Atualizado em: 17/07/2011 - 9:43 am


Novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos

Com a missão de resolver a crise nos Transportes, a pedido da presidente Dilma Rousseff,  o novo ministro Paulo Passos aumentou, em sua última passagem pelo cargo, o volume de contratos do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) que tiveram o valor ampliado. A informação é do Jornal Folha de S.Paulo.

Um levantamento realizado pelo periódico mostra que o número de contratos dos chamados aditivos –termos que elevam o valor de obras e serviços em andamento– mais do que dobrou entre julho e dezembro de 2010 na comparação com o mesmo período de 2009.

Passos chefiou o ministério no segundo semestre de 2010, quando o ex-ministro Alfredo Nascimento, que exerceu o cargo no ano anterior, disputava a reeleição no Senado pelo PR-AM.

Leia mais:
Mesmo após denúncias, Pagot afirma que pretende continuar na direção do Dnit 
Obras rendem R$ 18 milhões à construtora de mulher de diretor do Dnit 
Ministro dos Transportes afasta diretor interino do Dnit

Em 2011, quando Nascimento voltou ao posto, o ritmo da liberação de verbas caiu para o patamar original.

O suposto descontrole na elevação de contratos foi um dos principais motivos usados por Dilma nas últimas semanas para afastar Nascimento e outros quatro dirigentes dos Transportes. Para ler a íntegra do levantamento, clique aqui.

Da Folha.com










Primeiro Plano
Atualizado em: 16/07/2011 - 6:14 pm


O tema do programa Primeiro Plano deste sábado (16) é corrupção. Quem fala sobre o assunto é o historiador e professor universitário Marco Antonio Villa. O programa vai ao ar, à noite, logo  após a série Sobrenatural.

Diante de uma avalanche de denúncias, prefeitos atrás das grades, ministros por denúncias de atos ilícitos, surgem algumas dúvidas: Será que não tem mais jeito? A corrupção já está no DNA dos governos brasileiros? Como funciona a engenharia da corrupção no Brasil?

Indústria da Corrupção
Para o professor Marco Antonio Villa, ainda existem muitos políticos honestos “em todos os partidos”, mas o Brasil criou a “corrupção socializada”.

“Os volumes vão ficando cada vez maiores, é uma espécie de socialização da corrupção. Uma invenção tipicamente brasileira. Nós temos várias coisas nacionais. Jabuticaba, tal.. e tem essa a corrupção socializada, em que todos ganham. Então, no caso da prefeitura, ganha o prefeito, ganha o secretário, ganha o funcionário, o dono da empreiteira. Aí no caso que envolve remédios, ganha o do laboratório, o vendedor”.

“Aí depois é o prefeito é acusado, ganha o advogado. Em Brasília, tem escritórios de jornalistas que assessoram políticos em época de crise, quando é feita a acusação de corrupção, então você socializa e paga também o escritório. Isso virou uma indústria. É uma coisa trágica. Nós temos uma verdadeira indústria da corrupção”, explicou.

Loteamento de Cargos
Marco Antonio Villa também criticou a divisão de cargos nos governos brasileiros e disse que esta “é uma outra invenção brasileira”.

“Você achar que pra governar precisa entregar o estado pra ser saqueado por políticos corruptos, isso é um verdadeiro absurdo”, criticou.

Impunidade
O historiador ainda afirma que é a impunidade “que faz que a corrupção seja um assunto cotidiano do Brasil”. Ele também destacou a responsabilidade do eleitor nos escândalos de corrupção e o papel da imprensa.

Fraude na Petrobras
Villa citou exemplos como a queda dos ex- ministros Antonio Palocci (Chefe da Casa Civil) e Alfredo Nascimento (dos Transportes).

“As acusações que envolvem o governo são muito graves. E isso não fica só na União, fica nos estados e também não só nos estados, envolve também as prefeitura e envolve senadores”, disse para depois comentar o caso envolvendo o senador cearense Eunício Oliveira, em que uma empresa de propriedade do peemedebista é acusada de fraudar contrato de R$300 milhões com a Petrobras.

“Quando você abre o jornal e vê uma licitação da Petrobras – nós não tamos falando de uma empresa mixuruca, nós estamos falando de uma das maiores empresas do mundo -, é fraudada uma licitação e ninguém sabe. O que causa estranheza é o seguinte: Como é que você vai fraudar uma licitação da Petrobras e ninguém sabe?”, questionou.

Marco Antonio Vila destaca ainda que: “A Petrobras, como outras empresas estatais, elas foram loteadas, viraram, usando uma expressão popular, a casa da mãe Joana”, disparou.

Venda de sentenças
Polêmico, Marco Antonio Villa falou ainda sobre o Pode Judiciário. Segundo ele, os poderes Legislativo e Executivo são ruins, mas pelo menos são transparentes, enquanto o Judiciário brasileiro não permite um acompanhamento claro.

“Ninguém vê o poder Judiciário. Nós temos um poder Judiciário em que o STJ, o Superior Tribunal de Justiça, vende sentenças. Teve juiz, inclusive que foi aposentado agora, que vendia sentença. Tem desembargador que vende sentença, um inclusive que censura o jornal O Estado de S. Paulo (…) Eles invertem a lógica. Você não pode dizer que o político é corrupto porque senão ele te processa e tem advogados caríssimos par fazer isso”, disse.

Confira a chamada: