Em Brasília
Atualizado em: 18/08/2011 - 7:26 am


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assinará acordo de cooperação técnica nesta quinta-feira (18) com a Caixa Econômica Federal para acelerar a coleta de impressões digitais dos eleitores, e assim viabilizar a identificação biométrica na hora do voto.

O presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, receberá o presidente da Caixa, Jorge Hereda, às 10h, quando fecharão o acordo que vai permitir o uso conjunto dos dados biográficos e biométricos coletados até agora, isoladamente, pela Justiça Eleitoral e pela instituição financeira.

Segundo o TSE, o recadastramento do eleitorado para identificação biométrica já está em curso. Paralelamente, a Caixa também adota procedimento semelhante para a liberação de pagamentos do Programa Bolsa Família, do governo federal. Os dois cadastros serão compartilhados para agilizar o processo de identificação biométrica e biográfica do cidadão brasileiro, mas os dados serão mantidos em absoluto sigilo.

O uso de urnas biométricas, que coletam impressões digitais, começou em 2007 com 42 mil eleitores, sendo ampliado para 1,1 milhão nas eleições do ano passado. A meta do TSE é recadastrar 10 milhões de eleitores até a votação de 2012 e concluir o recadastramento para as eleições de 2018.

O recadastramento também será o primeiro passo para o Registro de Identidade Civil (RIC) – documento único que substituirá a carteira de identidade, o CPF e o título de eleitor, entre outros – a ser emitido, em futuro próximo, pelo Ministério da Justiça.

Com informações da Agência Brasil










Ceará
Atualizado em: 18/08/2011 - 6:47 am


Ministra Maria do Rosário confirmou presença.

A primeira edição da Caravana Direitos Humanos pelo Brasil vai ser realizada nesta quinta-feira (18), às 10h, no auditório do Palácio da Abolição, sede do governo do Ceará. Participam do evento, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário; o governador Cid Gomes; e a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins.

Serão realizadas atividades como seminários, palestras, oficinas e audiências públicas sobre questões ligadas aos Direitos Humanos. As ações são voltadas para a comunidade, entidades ligadas ao tema, ONGs, profissionais da área e gestores públicos.

Nesta primeira etapa do projeto, estão previstas atividades em pelo menos uma capital das cinco regiões do País (Norte, Nordeste, Sul, Centro-Oeste e Sudeste).

Objetivo
O objetivo da iniciativa da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), que deve percorrer todos os estados brasileiros, é criar um canal de interação direta com a sociedade, articulando ações conjuntas com os poderes legislativo e judiciário, além de estabelecer parcerias para a promoção e defesa dos Direitos Humanos com movimentos sociais e os governos estaduais e municipais.

Com informações do Governo do Estado










Congresso
Atualizado em: 18/08/2011 - 5:58 am


A proposta é de autoria de José Sarney

O plenário do Senado aprovou na quarta-feira (17), por unanimidade, a Proposta de Emenda à Constituição 11/2010, que trata da mudança no rito de tramitação das medidas provisórias (MP).

Com 74 votos favoráveis, a proposta de autoria do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP) seguirá agora para análise na Câmara dos Deputados.

Tempo para MP’s
O substitutivo do relator, senador Aécio Neves (PSDB-MG), modifica principalmente o tempo destinado a deputados e senadores para apreciar as medidas provisórias enviadas pelo Executivo. Atualmente o prazo é 120 dias para as duas casas legislativas.

Esse tempo tem sido praticamente todo consumido pela Câmara dos Deputados, onde os projetos começam a tramitar, e há casos de MP que chegam ao Senado com apenas três dias de antecedência do prazo de vencimento da matéria.

Modificações
Na proposta aprovada na quarta-feira, a Câmara passará a ter 80 dias para analisar as medidas e o Senado 30 dias. Caso haja emendas dos senadores, os deputados terão mais dez dias para apreciá-las. O tempo para trancar a pauta também muda segundo o texto. Atualmente, as MPs trancam a pauta após 45 dias de sua edição.

Se a PEC também for aprovada na Câmara, ela passará a impedir a votação de outras matérias pelos deputados após 70 dias. Ao chegar no Senado, as pautas ficam trancadas após 20 dias de tramitação da medida.

CCJ
Uma inovação do texto de Aécio Neves é a necessidade de que as comissões de Constituição e Justiça da Câmara e do Senado (CCJ) passem a analisar os critérios de admissibilidade das MP. Atualmente, é o plenário das duas casas que faz isso, observando se a matéria é urgente e relevante. As comissões terão dez dias para admitir ou rejeitar as medidas.

Apesar de votar favoravelmente à PEC, por considerá-la necessária para restabelecer um prazo razoável para que os senadores analisem as MPs, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) considerou que o melhor seria acabar com a instituição das medidas provisórias. Segundo ele, elas prejudicam o Parlamento e já deveriam ter sido extintas.

Nós estamos fazendo uma meia-sola”, avaliou Simon. “Vou votar favorável porque é necessário, mas que não fique aí na manchete: resolvido o caso das medidas provisórias. Não é verdade”.

Legislativo e Executivo
De acordo com o relator, a proposta traz ganho para os parlamentares em relação ao Executivo. Oposicionistas e governistas concordam que o governo tem editado excessivas medidas provisórias, inclusive em casos que não são urgentes, nem relevantes.

Para ser aprovada na Câmara, a PEC precisará ser aprovada em dois turnos de votação, com oito intermediários de discussão. Três quintos dos deputados terão que concordar com a proposta. Antes, a matéria deverá passar por uma comissão especial e pela CCJ do Senado.

Com informações da Agência Brasil










Agenda
Atualizado em: 18/08/2011 - 5:02 am


Identificar deficiências e propor soluções para a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes. Esses são alguns dos objetivos do II Encontro da Magistratura, Ministério Público e Defensoria Pública da Infância e da Juventude do Estado, que terá início nesta quinta-feira (18), a partir das 8h30. O evento segue até o próximo dia 20, na sede da Defensoria Pública, em Fortaleza.

O encontro tem à frente a Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ) do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) e envolve ainda o Ministério Público e a Defensoria Pública Geral do Estado. De acordo com o desembargador Francisco Suenon Bastos Mota, coordenador da CIJ, a iniciativa é positiva e vai proporcionar aos participantes uma maior qualificação na área.

“Além do entrosamento, será uma oportunidade para juízes, promotores, defensores e servidores discutirem assuntos ligados à questão da Infância e da Juventude e se capacitarem”, afirmou o desembargador.

Grupos
Durante o evento, serão formados grupos temáticos e realizadas palestras e apresentações culturais, além de reunião plenária. A proposta é consolidar o diálogo entre os profissionais que atuam na área, discutir a uniformização de procedimentos e a execução de medidas socioeducativas.

Convidados
Participam do encontro o presidente do TJCE, desembargador José Arísio Lopes da Costa; a procuradora geral de Justiça, Socorro França; a defensora geral Francilene Gomes; o secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de Fortaleza, Demitri Cruz; a presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Mônica Oliveira; a articuladora Institucional da Pastoral do Menor, Aurilene Vidal, entre outros.

Da redação do Jangadeiro Online com informações do TJCE










Vídeos
Atualizado em: 17/08/2011 - 9:15 pm


O Ministério Público Estadual protocolou esta semana duas ações contra a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins. Na Justiça comum, o processo é por improbidade administrativa e no Tribunal de Justiça do Estado, ela vai responder a uma denúncia crime. O motivo é a utilização de guardas municipais na segurança da casa da mãe dela, Luíza Lins.

Leia ainda: Luizianne Lins é denunciada por usar guarda municipal para proteger a casa da mãe

Acompanhe a reportagem do Jornal Jangadeiro










Em Brasília
Atualizado em: 17/08/2011 - 7:28 pm


Ministro da Agricultura, Wagner Rossi. Foto: Agência Brasil.

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, enviou carta de demissão à presidente Dilma Rousseff, nesta quarta-feira (17), após a Polícia Federal anunciar investigação sobre as denúncias contra a pasta.

Na carta de demissão, Rossi justifica a decisão como resultado da pressão dos filhos e da mulher dele. O agora ex-ministro negou, na carta, que esteja envolvido em irregularidades.

“Nos últimos 30 dias, tenho enfrentado diariamente uma saraivada de acusações falsas, sem qualquer prova. Nenhuma delas indicando um só ato meu que pudesse ser acoimado [tachado] de ilegal ou impróprio no trato com a coisa pública”, disse Rossi, que garante ter respondido cada acusação “com documentos comprobatórios que a imprensa, solenemente, ignorou”.

Quatro ministros em oito meses
Depois de Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes) e Nelson Jobim (Defesa), Rossi é o quarto ministro a sair do governo em oito meses.

Leia ainda: 
Corrupção na Agricultura: Ministro Wagner Rossi coleciona problemas e escândalos, diz revista   
“Alí só tem bandido”, diz irmão de Romero Jucá ao denunciar corrupção no Ministério da Agricultura  
Exoneração de Alfredo Nascimento é publicada no Diário Oficial
      
Agora é oficial: Jobim pede demissão e Celso Amorim assumirá a Defesa 

A Casa caiu: Palocci pede demissão  

A relação do ministro da Agricultura, Wagner Rossi, com o lobista Júlio Fróes – que teria atuado durante meses dentro do ministério – será investigada pela Polícia Federal. Um inquérito foi aberto na segunda-feira, 15, e o ex-presidente da Comissão de Licitação do ministério Israel Batista já prestou depoimento.

Com informações da Agência Brasil e do Estadão.com










Ceará, Corrupção
Atualizado em: 17/08/2011 - 7:12 pm


Integrantes da Comissão de Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa do Ceará estiveram no Tribunal de Contas do Ceará (TCE) nesta quarta-feira (17) para acompanhar uma apresentação sobre a auditoria de conformidade no caso dos “kits sanitários”.

Pela comissão, estiveram presentes os deputados Sineval Roque (PSB), Antonio Carlos (PT), Manoel Duca (PRB), Fernanda Pessoa (PR), Danniel Oliveira (PMDB), Welington Landim (PSB) e Sérgio Aguiar (PSB). Também participaram do encontro os deputados Heitor Férrer (PDT), Lula Morais (PCdoB) e Eliane Novais (PSB). Acompanhando o grupo, compareceram  o 1º e o 2º vice-presidentes da Assembleia, deputados José Sarto Nogueira (PSB) e Tin Gomes (PHS).

Valdomiro Távora na presidência do TCE

Segundo o presidente interino do TCE, Valdomiro Távora, 16 municípios estão sendo fiscalizados “in loco”, para que sejam confirmadas, ou não, a construção dos banheiros e a qualidade das obras. As visitas aos 54 municípios envolvidos no escândalos seguem até o fim de setembro.

Ao todo,  o TCE está investigando 93 convênios firmados pela Secretaria das Cidades do governo estadual e associações comunitárias em diversos municípios no Ceará, nos anos de 2010 e 2011, financiados com recursos do FECOP.

Dinheiro liberado, obra inexistente
Nas cidades de Ipú, Pindoretama, Pacajus, Horizonte, Cascavel, Chorozinho e Beberibe, investigações do Tribunal de Contas dos Municípios e do Ministério Púplico apontam que, apesar do dinheiro público ter sido liberado rapidamente, os banheiros não foram contruídos ou estavam inacabados. A TV Jangadeiro comprovou que várias famílias não foram atendidas pelo programa, mesmo tendo assinado a documentação que comprovaria a existência da obra.

Duplicidade
Nas investigações, técnicos do TCE identificaram a duplicação de nomes de um beneficiários em listas de diferentes cidades. Pela documentação, uma mesma pessoa recebeu banheiros em Chorozinho e Pindoretama.

O TCE deve apresentar até o fim desta semana o relatório definitivo sobre as investigações de desvio de verbas no caso dos kits sanitários.

Leia mais:
Escândalo dos banheiros: Camilo Santana reconhece irregularidades e promete rigor na apuração 
Banheiros fantasmas: Camilo Santana culpa assessoria da pasta que comanda  

Vídeo: Cid defende Camilo Santana e diz que secretário “assina o que recomendam” 
Banheiros fantasmas: Deputado propõe CPI para  investigar escândalo envolvendo secretaria das Cidades  
Ex-secretários prestam depoimento sobre Escândalo dos Banheiros 

 










Câmara Municipal
Atualizado em: 17/08/2011 - 5:46 pm


Vereador do PDT é o líder da oposição na Câmara Municipal - Foto: Genilson de Lima

O líder da oposição na Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Plácido Filho (PDT), utilizou a tribuna na sessão desta quarta-feira (17) para questionar os índices de crescimento da renda na Capital, publicados na revista Isto É. Durante pronunciamento, ele ainda afirmou que a gestão de Luizianne Lins (PT) cometeu crime do “colarinho branco”.

O parlamentar disse que o veículo de comunicação não teve culpa pela publicação dos dados, pois os mesmo foram manipulados pela atual administração.

Plácido apresentou a tabela da pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, afirmando que o desempenho de Fortaleza está entre os piores do Nordeste e do Brasil. Para o vereador, a gestão apoderou-se dos índices da Região Metropolitana (52,25%).

“O estudo deixa claro que a designação periferia de Fortaleza se trata da região Metropolitana e não da Capital cearense”, apontou.

Com a utilização dos dados da Região Metropolitana, como destacou Plácido, a Prefeitura conseguiu deixar o Município em 36º lugar no ranking da renda, ou seja, o último lugar no país. Segundo Plácido a renda média da RMF está abaixo da realidade da Capital, e, com isso, Fortaleza se encontra em estado de miséria.

“A prefeita se aproveitou do ótimo percentual da RMF, mas menosprezou a realidade dos números”, apontou.

Leia também: João Alfredo diz que dados de revista sobre Fortaleza foram manipulados

O líder da oposição relacionou o caso com os crimes de “colarinho branco”, sugerindo que a Câmara cobre o ressarcimento do dinheiro utilizado na “falsa publicidade” dos dados.

“Faço um requerimento verbal para que a Prefeitura revele quanto foi tirado dos cofres públicos para o pagamento da fraude, e que o dinheiro seja devolvido num prazo de até 24 horas”, ressaltou.

Resposta
Em defesa da gestão, utilizando o tempo da liderança do Executivo, o vereador Guilherme Sampaio (PT) disse que a oposição não faz um debate qualificado, utilizando a tribuna do Legislativo para acusar a Prefeitura de fraude sem ter provas.

Com informações do site da CMFor










Nacional
Atualizado em: 17/08/2011 - 5:35 pm


Ministro Pedro Novais. Foto: agência Câmara

Usando um jargão dos parlamentares, o ministro do Turismo, Pedro Novais, disse nesta quarta-feira (17) que a pasta está promovendo “um esforço concentrado” para analisar todos os convênios firmados nos últimos anos.

“Tão logo seja ‘limpada a barra’, voltaremos a fazer os convênios”, disse o Novais.

Denúncias
Na semana passada, o Ministério do Turismo foi alvo de denúncias de corrupção e de irregularidades em convênios firmados com empresas e entidades privadas sem fins lucrativos. Novais está participando, neste momento, de uma audiência pública na Câmara dos Deputados para prestar esclarecimentos sobre as denúncias.

Alvos da Operação Voucher da Polícia Federal, funcionários do Ministério do Turismo são suspeitos de desviar recursos de um contrato firmado com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), destinados à qualificação de 1,9 mil profissionais de turismo no Amapá. Dos R$ 4,4 milhões do contrato, a Polícia Federal calcula que cerca de R$ 3 milhões tenham sido desviados pela quadrilha.

Com o avanço das investigações, a Justiça expediu 38 mandados de prisão. Foram presas 36 pessoas, entre elas o então secretário executivo do Ministério do Turismo, Frederico Silva da Costa, a segunda autoridade mais importante na estrutura da pasta. No último fim de semana, todos foram libertados, também por ordem judicial.

Leia mais:
Procurador pede bloqueio de bens de 18 dos investigados do Ministério do Turismo
Ministro do Turismo deve ser ouvido nesta semana sobre irregularidades na pasta 

Presos por esquema de corrupção no Ministério do Turismo já estão em liberdade 
Secretário Executivo do Ministério do Turismo e mais 34 pessoas são presas em operação da PF 

Aos deputados
Novais disse aos deputados que, ao saber das irregularidades, solicitou à Controladoria Geral da União (CGU) a abertura de procedimento administrativo disciplinar. Além disso, determinou o afastamento de todos os funcionários envolvidos nas denúncias e a suspensão dos convênios com entidades sem fins lucrativos.

“Nos livramos de convênios com entidades sem fins lucrativos para festas”, disse o ministro, ao se referir às empresas responsáveis pela organização de shows e festas patrocinados com dinheiro público.

Carta
Novai leu uma carta enviada por membros do Conselho Nacional de Turismo e do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur). No documento, eles pedem que as autoridades responsáveis pela apuração das irregularidades no Ministério do Turismo ajam com o máximo de rigor e punam os culpados.

Da Agência Brasil










Ceará, Corrupção, Denúncia
Atualizado em: 17/08/2011 - 3:58 pm


Secretário diz que programa está parado e promete rigor na apuração / Foto: Kézya Diniz

Da redação do Jangadeiro Online

Mais um capítulo do escândalo dos banheiros. O Secretário das Cidades, Camilo Santana, admite que houve desvio de recursos e diz que o programa para a construção de kits sanitários no interior do estado está suspenso.

Em entrevista, na manhã desta quarta-feira (17), Camilo Santana afirmou que vai cobrar rigor na apuração das irregularidades.

A declaração foi dada durante passagem do secretário pela Assembleia Legislativa, que foi palco, novamente, de uma discussão sobre as investigações do caso. A oposição defende uma apuração paralela.

Assista à matéria do Jornal Jangadeiro:

Leia mais:
Deputada pede afastamento de Jurandir Santiago e Camilo Santana
Banheiros fantasmas: Deputado propõe CPI para investigar escândalo envolvendo secretaria das Cidades
Secretaria das Cidades também financiou banheiros fantasmas em Ipu

Vídeo: Denúncias de fraude s na construção de kits sanitários em 5 cidades










Câmara Municipal
Atualizado em: 17/08/2011 - 2:59 pm


Ronivaldo Maia (PT) inicia processo de instalação da Comissão de Legislação

Instalar uma Comissão Permanente de Legislação Participativa na Câmara Municipal de Fortaleza este é o objetivo do vereador Ronivaldo Maia (PT).  O parlamentar esteve em Brasília, na terça-feira (16),  para conhecer o funcionamento da Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, em Brasília, que serve de inspiração para a de Fortaleza.

A ideia é iniciar os trabalhos da Comissão, aqui na capital, até setembro deste ano.

Trâmite
De autoria do vereador e líder do governo na Câmara, o projeto de lei 006/11 que cria a Comissão, inédita em Fortaleza, foi aprovado no último mês de junho.

De acordo com Ronivaldo, a Comissão pode fortalecer e estimular os movimentos populares a participarem mais ativamente do dia-a-dia do Legislativo.

“Vivemos um momento político de total abertura para os movimentos populares e por isso é fundamental a criação dessa Comissão. Eu diria que é um legado para os fortalezenses”, afirma.

Como funciona?
Ronivaldo explica que um “cidadão comum” que hoje queira apresentar uma proposição legislativa na Câmara Municipal tem que coletar 5% das assinaturas do eleitorado do município, “tarefa dificílima, que desestimula as pessoas a participarem do processo legislativo”, afirma o vereador.

Com a Comissão, associações, órgãos de classe, sindicatos e qualquer outra entidade organizada da sociedade civil poderão sugerir projetos de qualquer espécie legislativa da Câmara.

A comissão será composta por sete vereadores e seu funcionamento se dará da seguinte forma: a entidade apresenta a sugestão legislativa à comissão; a comissão recebe e designa um relator para analisar aquela proposta; o relator analisa a viabilidade da sugestão se tornar um projeto e emite o seu parecer, positivo ou negativo.

O parecer do relator é votado na reunião da comissão e, se aprovado, se torna um projeto de autoria da Comissão de Legislação Participativa, passando a tramitar nos demais órgãos da casa.

Com informações da Assessoria










Congresso, Nacional, Senado
Atualizado em: 17/08/2011 - 12:55 pm


A Comissão de Infraestrutura do Senado deve sabatinar, ainda nesta quarta-feira (17), os indicados para os cargos de diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Jorge Ernesto Pinto Fraxe, e de diretor-executivo, Tarcísio Gomes de Freitas. Ambos são militares e exerceram comando de batalhões de engenharia do Exército.

Os requerimentos foram aprovados na sessão da manhã desta quarta e, a pedido do senador Delcídio Amaral (PT-MS), a comissão decidiu ouvi-los à noite, após as votações no plenário. Uma vez aprovados os nomes na comissão, as mensagens presidenciais serão submetidas a votação no plenário do Senado.

Perfis
O novo diretor-geral indicado pela presidenta Dilma Rousseff (PT), Jorge Fraxe, é general de divisão combatente do Exército, na área de engenharia. Entre outras funções, exerceu, ao longo da carreira militar, o comando de Destacamentos de Engenharia de Construção e a diretoria de Obras e Cooperação do Exército.

Já Tarcísio Gomes de Freitas, indicado para a diretoria executiva, já comandou pelotão da 10ª Companhia de Engenharia de Combate do Exército e participou como engenheiro da Companhia de Engenharia Brasileira na Missão de Paz das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah). O militar exerce, desde 2008, o cargo de analista de finanças e controle da Controladoria Geral da União (CGU).

Mais sabatinas
Já na manhã desta quinta-feira (18), a Comissão de Infraestrutura sabatinará Paulo de Tarso Cancela Campolina de Oliveira, indicado para a diretoria de Administração e Finanças do Dnit. Indicado para a diretoria de Administração e Finanças, Paulo de Tarso de Oliveira é servidor de carreira da Secretaria do Tesouro Nacional.

Denúncias
A diretoria do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) caiu após a divulgação de denúncias de corrupção na área de transportes, em especial, de superfaturamento nos contratos para obras rodoviárias realizados pelo órgão.

Com informações da Agência Brasil










Ceará, Denúncia, Nacional
Atualizado em: 17/08/2011 - 10:21 am


Da Redação do Jangadeiro Online

A Receita Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram, em conjunto, nesta quarta-feira (17), a “Operação Alquimia”, com o objetivo de desmontar um esquema que pode ter lesado os cofres da União em aproximadamente R$ 1 bilhão.

Ao todo, estão sendo cumpridos 31 mandados de prisão e 129 mandados de busca e apreensão em residências e empresas de 12 estados brasileiros, entre eles o Ceará. A Justiça Federal também decretou o sequestro de bens, incluindo veículos, embarcações, aeronaves e equipamentos industriais e o bloqueio de recursos financeiros dos suspeitos.

Participam da operação cerca de 90 auditores fiscais da Receita e cerca de 500 policiais federais. Além do Ceará, os mandados também estão sendo cumpridos nos estados de Minas Gerais, da Bahia, Espírito Santo, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, de Pernambuco, Alagoas, São Paulo, Santa Catarina e Sergipe.

Acusações
De acordo com a Receita Federal, durante as investigações, foram encontrados indícios de diversos crimes, como sonegação fiscal, fraude à execução fiscal, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

A Receita informou ainda que as investigações começaram quando foram detectados indícios de crimes contra a ordem tributária em uma das empresas do grupo, com a suspeita de existência de fraudes na constituição de empresas utilizadas como “laranjas”.

Leia mais:
Secretário Executivo do Ministério do Turismo e mais 34 pessoas são presas em operação da PF
Polícia Federal desarticula milícia do Metrofor em Juazeiro do Norte

Com informações da RF, da PF e da Agência Brasil










Bastidores
Atualizado em: 17/08/2011 - 9:29 am


Da Redação do Jangadeiro Online

Vereador João Afredo (PSol)

Mais uma vez, publicações em revistas de circulação nacional causam polêmica no cenário político de Fortaleza. Dessa vez, o vereador João Alfredo (Psol) aponta que os dados utilizados na reportagem da revista IstoÉ sobre a redução da pobreza em 52.25% se referem a toda a Região Metropolitana (RMF), e não à Capital, como mostrou a publicação.

De acordo com o vereador, quando a pesquisa menciona a periferia de Fortaleza, não está se referindo aos bairros periféricos da cidade, mas da Região Metropolitana. O próprio autor da pesquisa, o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marcelo Neri, confirmou ao jornal O Povo que os dados se referem, de fato, à RMF, não incluindo a Capital.

Para João Alfredo, é inaceitável que a Prefeitura não tenha conferido os dados. “Para mim, parece que foi a Prefeitura que passou as informações”, completou o parlamentar. Na visão do vereador, a prefeita Luizianne Lins (PT) deveria publicar um artigo, desculpando-se com a população, “por estar usando dados que não são reais”.

Reprodução literal
Sobre o caso, a Prefeitura de Fortaleza, por sua vez, informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que as propagandas veiculadas pela Gestão Municipal reproduzem, de forma literal, as informações da Faculdade Getúlio Vargas que foram publicadas na revista IstoÉ.

A Prefeitura lembrou ainda que a Região Metropolitana concentra, sozinha, cerca de 70% da população, abrigando, inclusive, trabalhadores que moram em outras localidades. Ainda segundo a assessoria de imprensa, os dados sobre os investimentos públicos no município de Fortaleza são “incontestáveis”.

Com informações do O Povo










Com a palavra
Atualizado em: 17/08/2011 - 8:48 am


Por Wanderley Pereira

Leio um artigo do professor Antônio Mourão sobre os traidores e Pilatos revelados pela coligação cearense PT/PSB, que estiveram juntos na eleição de Dilma Rousseff e na reeleição de Cid Gomes, apesar das escaramuças urdidas pelas conveniências eleitorais locais. Mantida, porém, a união pelos artifícios dos interesses e não pelas afinidades de ideais, o doutor Mourão mostra em seu artigo que eles já estão de volta com suas velhas e conhecidas tricas, em torno das candidaturas à prefeitura de Fortaleza, quando estamos ainda a mais de um ano das próximas eleições municipais.

Cegos pela obsessão da vantagem, os traidores se identificam pela ambição desmedida que os excita quanto aos dividendos pessoais dos quais só abrem mão por outras vantagens. Seu caráter mórbido anula toda ideia de gratidão aos amigos leais que lhes deram a mão quando estavam na pior, ou que os projetaram na evidência pública ou privada que jamais conseguiriam pelos méritos pessoais. De posse do objeto de suas ambições, quebram a escada pela qual subiram para não ter junto de si os que lhes fustiguem a consciência do reconhecimento e dever de gratidão.

O maior dos traidores, Judas Iscariotes, que até hoje é enforcado nas comemorações da Páscoa, deu uma rasteira em Jesus de Nazaré, a quem seguira como uma escada que o levaria aos céus. Tão ingrato, tão pérfido foi seu ato que ele procurou afogá-lo no suicídio. Não foi diferente com Pôncio Pilatos, que mesmo proclamando a inocência de Jesus, lavou as mãos numa atitude de extremo egoísmo, para satisfazer a interesses puramente políticos da época. Também suicidou-se. No entanto, continuam mais vivos do que nunca na história da humanidade como inomináveis traidores.

A história mantém viva a figura de Marcus Június Brutus, conhecido pela famosa frase do seu pai adotivo, o imperador Júlio César, que, ao descobri-lo entre seus traidores no Senado romano, afirma: “Até tu, Brutus!”. Aliás, a figura repulsiva de Brutus foi também tema de artigo anterior do professor Mourão sobre traidores. Aqui no Brasil, estão na galeria dos grandes traidores o português Antônio Silvério dos Reis e o brasileiro Domingos Fernandes Calabar. Um levou Tiradentes à forca em troca de pensão vitalícia da Coroa, outro se vendeu aos holandeses na invasão da Capitania de Pernambuco.

Essa figuras bizarras se eternizam no tempo pelas nódoas do caráter. E estão tão vivas que Calabar é sinônimo de traidor como Al Capone é de mafioso. O professor Mourão mostra que, no Ceará, eles também reaparecem a cada eleição, quando o egoísmo patológico lhes aguça o apetite de deslealdade. E vão entrar para a história nem que não queiram como castradores de lideranças promissoras e dos homens públicos honrados vítimas da sua insaciável sede de ambição.

Wanderley Pereira é jornalista e escritor

Para ler outros posts de opinião, clique aqui.