Bastidores
Atualizado em: 12/09/2011 - 11:35 am

Nos bastidores, o assunto já era dado como certo desde a semana passada, mas José Pimentel continuava a negar que teria recebido convite para assumir a liderança do Governo Dilma no Congresso. Isso até ontem (11). No final de semana, a assessoria de imprensa da Secretaria de Relações Institucionais confirmou o convite ao senador para a reunião de coordenação política do Palácio do Planalto, realizada na manhã desta segunda-feira (12) com a equipe do governo, ao lado de ministros e de líderes da base aliada, e informou ainda que o anúncio deveria ser feito logo após a reunião.

O senador José Pimentel (PT-CE) é o novo líder do governo Dilma no Congresso Nacional. Foto:Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press. Brasil

Disputa
A liderança do governo vinha sendo disputada desde que Mendes Ribeiro (PMDB-RS) foi indicado para assumir o Ministério da Agricultura, no mês passado. O PMDB se mobilizou para permanecer com o cargo, mas prevaleceu um acordo interno do PT, da época em que Pimentel foi preterido na escolha da Vice-Presidência do Senado e do líder na Casa. Os senadores Marta Suplicy (PT-SP) e Humberto Costa (PT-PE) acabaram ficando com os cargos. Para compensá-lo, ficou acertada a sua nomeação para a liderança do governo no Congresso em caso de vacância.

Novo preterido
Desta vez, o preterido foi o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI). Seu nome foi levado pelo vice-presidente Michel Temer a Dilma Rousseff. Naquela ocasião, líderes petistas chegaram a afirmar que a vaga aberta ficaria com o PMDB e que não haveria disputas sobre a questão. Com o clima um pouco mais ameno, desenhou-se a consolidação de Pimentel, ex-ministro da Previdência no governo do ex-presidente Lula. A afinidade de Dilma com Pimentel também teria pesado na escolha, já que, com Castro, há pouco contato.

Sono
A indicação parece não ter tirado o sono de peemedebistas. Um petista chegou a afirmar ao jornal Correio Braziliense que o posto em questão, ao contrário de outros cargos em contenda, não provocava tanta cobiça nos partidos. O presidente em exercício do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), promete não criar confusão. “Já havia um compromisso com o Pimentel antes de Mendes Ribeiro assumir a Agricultura e a presidente aproveitou esse momento para cumpri-lo. É uma prerrogativa da presidente, nem sempre prevalece a vontade dos partidos e nem por isso vamos nos digladiar”, afirma.

Apetite
Marcelo Castro não esconde a insatisfação e alfineta o “apetite” petista, tampouco pretende criar problemas. “O PT é muito guloso em tudo que pode, avança, em detrimento dos partidos da base. Mas, isso é uma decisão pessoal da presidente e tem que ser respeitada”, pontua.

Com informações do Jornal Correio Braziliense



0 comentários







0 comentários
Topo | Home