Fortaleza, Greve
Atualizado em: 26/03/2012 - 8:04 am

Uso de aparatos militares pela Guarda Municipal gera polêmica. Foto: Kézya Diniz

Guardas municipais de Fortaleza decidiram paralisar as atividades na manhã desta segunda-feira (26). A mobilização tem o objetivo de garantir o uso de armas de fogo pela categoria. Os profissionais querem negociar essa possibilidade com a prefeitura da capital. O protesto acontece após assalto na Câmara dos Vereadores e a invasão de torcedores ao terminal do Antônio Bezerra, em que guardas foram feitos reféns e baleados, respectivamente, neste domingo (25).

Por telefone, o presidente do Sindicato dos Guardas Municipais (Sindiguardas), Márcio Cruz, disse que cerca de 150 servidores já estão concentrados em frente à sede do órgão, na Rua Delmiro de Farias, no bairro Rodolfo Teófilo. A paralisação e o protesto devem seguir até as 11h. O objetivo é tentar conversar com o diretor da Guarda Municipal, Arimá Rocha.

Desmilitarização
O uso de armas de fogo pela Guarda Municipal gera polêmica. Vereadores de Fortaleza já ingressaram com ações na justiça criticando o uso de aparatos policiais pelos Guardas da capital. A atuação dos profissionais gerou questionamentos principalmente durante greve de servidores municipais, como no caso dos professores da rede pública de Fortaleza.

Leia ainda:
Clima tenso na Câmara dos Vereadores nesta terça-feira

Greve
O presidente do Sindiguardas não descarta a possibilidade de greve e diz que, caso as negociações com a Prefeitura não avancem, os profissionais vão paralisar as atividades por tempo indeterminado além de entrar na Justiça contra o poder municipal. Atualmente, existem 1.300 guardas municipais em Fortaleza.

Resposta
A direção da Guarda Municipal informou, por meio da assessoria de imprensa, que a Prefeitura de Fortaleza não autoriza o uso de armas de fogo pelos guardas. Apenas de armas semi letais, como spray de pimenta, cassetete e pistola elétrica. Apesar disso, a instituição afirma que, futuramente, poderá vir a liberar o uso de armas de fogo, “sendo uma posição que deverá ser aprovada pelos cidadãos, pois trará impactos para a cidade”.

Com informações do Jangadeiro Online



0 comentários







0 comentários
Topo | Home