Corrupção
Atualizado em: 31/07/2011 - 1:48 pm

Depois dos esquemas de corrupção descobertos no ministério dos Transportes e das denúncias de desvio de verba pública e mais corrupção no ministério da Agricultura e na Agência Nacional do Petróleo, a revista “IstoÉ” revela que um partido político mantém um esquema de corrupção no Ministério das Cidades. Os trens urbanos de Fortaleza estão entre as obras com suspeitas questionadas pelo Tribunal de Contas da União. Confira abaixo os principais trechos da reportagem.

O ministro das Cidades, Mário Negromonte, nega todas as denúncias. Foto: Renato Araujo/Agência Brasil

Uma reportagem da revista ‘IstoÉ’, que chega às bancas de todo país esta semana, afirma que políticos favoreciam empreiteiras que contribuíram com campanhas eleitorais do Partido Progressista (PP)  no ano passado. Segundo a denúncia, o tesoureiro da sigla, Leodegar Tiscoski, e outros executivos ligados ao partido liberavam recursos para obras consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU), algumas delas com recomendação de “retenção dos pagamentos”.

Ceará
A revista afirma que três grandes construtoras, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Queiroz Galvão, repassaram um total de R$ 7,5 milhões para as campanhas do PP. Os trens urbanos de Fortaleza, sob responsabilidade da Camargo Corrêa e Queiróz Galvão estão entre as obras com suspeitas questionadas pelo TCU e apontadas pela reportagem.

E mais
São citadas ainda as obras relacionadas aos trens urbanos de Salvador (BA), a cargo da Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez; à implementação da linha 3 do metrô do Rio de Janeiro, tocada pela Queiroz Galvão e Carioca Christiani-Nielsen; e o complexo viário Baquirivu-Guarulhos, em São Paulo, a cargo da construtora OAS.

Esquema
A reportagem afirma que, dos gabinetes do Ministério das Cidades, comandado pelo PP, os políticos favoreciam empreiteiras que contribuíram financeiramente com campanhas eleitorais do partido no ano passado. O ministro das Cidades, Mário Negromonte, negou com veemência as acusações.

Segundo a revista, documentos do Tribunal Superior Eleitoral mostram que, em dezembro de 2010, Tiscoski,  secretário de saneamento do ministério desde 2007, assinou a prestação de contas do partido. Ele afirmou à revista que não assina mais cheques ou ordens bancárias como tesoureiro, mas admitiu que “encaminhou” a prestação de contas ao Tribunal.

Progressista
O PP informou que as finanças do partido estão a cargo do primeiro tesoureiro, o ex-deputado Feu Rosa, que, segundo a revista, é assessor especial do ministérios das Cidades, cuidando do relacionamento do ministério com o Congresso.

A reportagem diz ainda que as empreiteiras contribuíram oficialmente com R$ 15 milhões nas campanhas do PP em 2010, sendo a maior parte (R$ 8,7 milhões) na forma de doações ocultas. “Isso significa que o dinheiro foi para a conta do partido, durante a campanha eleitoral, e imediatamente distribuído entre seus candidatos”, afirma a publicação.

Leia mais:
Publicada exoneração de diretores do Dnit e da Conab 
Exoneração de Alfredo Nascimento é publicada no Diário Oficial  
Ministro dos Transportes é o segundo a cair no governo Dilma    
Após crise nos Transportes, assessor do Planalto diz que “Não há caça às bruxas” nos ministérios   
Líder do governo lamenta fala do irmão contra ministro da Agricultura  
“Alí só tem bandido”, diz irmão de Romero Jucá ao denunciar corrupção no Ministério da Agricultura 

 



2 comentários







2 comentários
Topo | Home


Bertho. | quinta-feira agosto 4 2011 | 19:14

Até parece que a corrupção nos ministérios é um poder paralelo no Brasil.
Pobre da Nação que tem a corrupção como sem limites.
É uma vergonha Internacional.
Até metro de Salvador esta neste balaio de ratos.
Soltem os gatos por favor.

Carlos | sexta-feira fevereiro 3 2012 | 22:27

O tal do Cássio Ramos também passou pela ADAB Agência de Defesa Sanitária do Estado da Bahia e suspeita-se de grandes golpes também juntamente com outros Diretores da época com compras mirabolantes e sem utilidade.