Bastidores, Partidos, Senado
Atualizado em: 03/08/2011 - 9:10 pm

Líder do PR PR anuncia 'apoio crítico' ao governo Dilma

O líder do PR, senador Magno Malta (ES) anunciou o desligamento do partido do bloco de apoio ao governo no Senado, por meio de comunicado lido na tarde desta quarta-feira (3).

Minutos depois, o Parlamentar fez uma breve intervenção explicando os termos do comunicado:

“Não significa que estamos abandonando a base do governo. Seríamos irresponsáveis. Continuamos apoiando a presidente Dilma, mas agora vamos nos manter líderes de nós mesmos. Daremos, daqui por diante, apoio crítico ao governo”.

O ofício
Segundo o ofício, o PR reitera a posição de apoio ao governo Dilma Rousseff, mas, em respeito ao entendimento da bancada de parlamentares no Senado, exercerá esse apoio, a partir de agora, “de acordo com suas próprias diretrizes e conforme suas convicções e decisões programáticas”.

Magno Malta ainda advertiu: “O PR não estará mais submisso às decisões do líder do bloco de apoio [senador Humberto Costa (PT-PE)]. Será necessário ouvir cada um dos parlamentares, sentar à mesa e negociar com todos”.

Bloco perde seis integrantes
Com essa decisão, o bloco PT-PDT-PSB-PCdoB-PRB perde seis integrantes e deixa de ser o maior do Senado – o número cai de 30 para 24 senadores. O bloco liderado pelo PMDB-PP-PSC-PMN-PV tem 28 parlamentares na Casa.

O PR é composto por seis senadores: Antonio Russo (MS); Blairo Maggi (MT); Clésio Andrade (MG); Magno Malta (ES); Vicentinho Alves (TO); e Alfredo Nascimento (AM). Também filiado ao PR, João Ribeito (TO) está licenciado.

Campanha para Dilma
Magno Malta lembrou que o partido fez campanha para Dilma Rousseff, quando candidata à Presidência da República, apresentando-a como a melhor alternativa para o Brasil, e afirmou que seria “uma irresponsabilidade votar contra a continuidade do novo momento que o País vive”.

O senador assinalou que, em todos os setores da sociedade, “há trigo e joio”, e que é preciso tomar cuidado para “não passar com o carro por cima do trigo”.

Ele também pediu cuidado para que a honra das pessoas “não seja jogada no esgoto”. Em sua opinião, a mídia foi mais incisiva com o PR, apesar de sempre haver crises em todos os governos, e alertou: se a cada “notinha de jornal” houver uma demissão no governo, Brasília pode ficar vazia.

Com informações da Agência Estado



0 comentários







0 comentários
Topo | Home