Greve
Atualizado em: 15/06/2011 - 2:29 pm

Secretária diz que prefeitura paga o piso Foto:Kézya Diniz

Os representantes da prefeitura de Fortaleza voltaram a afirmar nesta quarta-feira (15), em entrevista concedida a imprensa, que a administração municipal paga o Piso Nacional do Magistério e que o valor estabelecido pelo Ministério da Educação é de R$1.187, diferente do que dizem os professores em greve, que cobram o valor de R$1.450.

Segundo a secretária da Educação, Ana Maria Fontenele, em nenhum momento a prefeitura pagou menos que o piso.

Política
A prefeitura da capital avalia que a mobilização dos professores tem motivação política e que a greve teria sido provocada por informações transmitidas de forma “irresponsável” pelo sindicato da categoria.

Substitutos
A secretaria de Educação disse que professores substitutos serão chamados para retomar as aulas, aproveitando a ocasião fez uma apelo para que os educadores em greve voltem ao trabalho.

Ilegalidade e descontos
Ainda durante a entrevista coletiva, a prefeitura anunciou que vai à justiça pedir a ilegalidade da greve dos dentistas e enfermeiros do PSF, como fez com os professores. A prefeitura também anunciou que vai descontar dos salários os dias não trabalhados das categorias em greve.

Sindicatos contradizem prefeitura
O Sindfort disse que vai acionar o setor jurídico para provar que a greve dos servidores do PSF é legítima. O Sindiute também vai entrar com ação judicial para garantir o pagamento antecipado do 13º salário.

Sobre a polêmcia do valor do piso, o Sindicato dos professores disse que vai divulgar material com cópias de contracheques comprovando que a categoria está certa.

Acompanhe a matéria exibida no Jornal Jangadeiro



12 comentários







12 comentários
Topo | Home


Keile Felix | quarta-feira junho 15 2011 | 14:39

Kézia, eles afirmam que pagam o piso pq possuem interesses econômicos em tal afirmação.`É lamentável a postura da prefeita de Fortaleza, pois quando estava do outro lado era uma exímia manifestante a favor dos direitos dos trabalhadores e agora que esta gestão vem dizer q não negocia com grevista. Absurdo total. A questão é que o Piso é salário báse e não a junção de benefícios e gratificações. Só lembrando aos politicos do nosso Estado e Municipio que eles estão gestão, ou seja, eles não são gestão. Se eles não sabem os verbos SER e ESTAR, tem significados diferentes e somos nós população trabalhadora quem os coloca na posição de está gestão.

Ana Carine | quarta-feira junho 15 2011 | 14:44

Meu Deus eu só quero o que é meu por direito! Quero voltar a dar minha aulas, a abraçar meus alunos, a fazer meus planejamentos (em casa, já que a lei de 1/3 para atividades como planejar não é cumprida no nosso município), a realizar meus projetos de leitura, ciências e outros. Enfim, quero muito voltar para à aréaque resolvi atuar, por competência e prazer: a educação! Mas também quero o meu piso.

JOYCE PARENTE | quarta-feira junho 15 2011 | 15:04

Eu gostaria de saber se a prefeita vai durar para sempre em sua função? Até onde eu sei ela vai ser substituída, ou não? O medo que ela exonere algum vereador, algum promotor, alguém da OAB? Parece-me que a “presidente de Fortaleza” manda na Constituição, manda no MEC, que todo mundo é capacho dela. NINGUÉM ESTA VENDO O DESCASO DELA COM FORTALEZA de modo GERAL, deveria ser pedido a exoneração dela, ou no mínimo que ela volte do mundo da lua e cumpra o seu papel de gestora corretamente.

Regina Braga | quarta-feira junho 15 2011 | 15:15

O mais interessante é que a secretária é economista e num consegue ver que o cálculo que estão fazendo está ERRADO. A quem a prefeitura paga o piso, e a que piso ela se refere. Será que todos ficaram disléxicos e não conseguem mais ler????

Socorro Pinheiro | quarta-feira junho 15 2011 | 16:41

Quem tem boca fala o que quer… quero ver é provar! Eles apresentaram alguma documentação que comprovem o absurdo que disseram? Queria eu já estar ganhando o PISO SALARIAL e desfrutar de 1/3 de atividades para planejamento. Nossos contracheques sim, é que provam e reafirmam nossa luta. Quanto ao corte de nossos pagamentos, ela não pode executar sem que haja a declaração do ministério público se manifestando acerca dos fatos. E se ela não pagar os dias em que aderimos à greve, quem vai repor as aulas ao final do ano letivo? Os substitutos???

Tati | quarta-feira junho 15 2011 | 16:52

O aumento no salario base que ela deu foi retirado da nossa gratificação, que era de 50% de regencia sobre o base e agora ela baixou para 35%, simplesmente não foi retirado do orçamento público, mas de nós professores!

Monalisa | quarta-feira junho 15 2011 | 17:08

Está pagango o piso pirata do MEC agora e com o nosso dinheiro, tirado da nossa gratificação.

clau | quarta-feira junho 15 2011 | 17:24

Realmente a prefeita paga o piso.Não só o piso,mas, além do valor deste.Só que para luiza lins, a sua MAMÃE, que recebe como professora do município de fortaleza quase 7.000,00 reais mensais.Para os demais, que realmente merecem e trabalham, não! O que a prefeita fez, no projeto que foi aprovado por aquela corja de traidores, foi retirar 15% da nossa gratificação que era de 50% e colocar no salário base.Dessa forma ela afirma que paga o piso.Ou seja, tirou daqui e colocou ali quando deveria pagar o piso do nivel médio e ,em cima deste, dar os 24% da graduação e assim por diante…Ora, no novo projeto os 24% viraram 21% .Ou seja, nós perdemos diretos adquiridos! Prefeitinha, pague o piso do nível médio, devolva os nossos 24% e os nossos 50% de regência. Só assim, voltaremos para a escola ! Deixe de ser CÍNICA, pare de dizer que paga o piso e que não retira direitos!!! A SUA QUEDA VAMOS ASSISTIR DE CAMAROTE !!!

João INN | quarta-feira junho 15 2011 | 17:27

Sempre que se fala da greve evidencia-se mais o valor do piso…td bem…mas é preciso analisar a distorção criada no pccs, pois a prefeitura causa distorção no mesmo quando valoriza mais um determinado nível ou referência em detrimento dos demais…outra questão que não se fala é o terço para planejamento, onde a prefeita concede o quinto, desrespeitando a corte máxima do nosso país que reza o terço para planejamento…quando Luizianne fala hoje em dia, já repararam que parece com o Cid Gomes…essa frase “NÃO NEGOCIO COM CATEGORIA EM GREVE”, é a cara dos Ferreira Gomes que ela tanto repudia…É assustador também o corte de salário e décimo terceiro sem ter sido julgada ilegalidade da grave e baseada numa sessão contestada em sua legalidade, onde os professores foram humilhados no episódio com a guarda municipal…Se Luizianne fosse presidente, diria que no Brasil estaria se instalando uma ditadura…espero que todos lembrem de episódios como esse, da buraqueira nas ruas, das obras atrasadas e sem data de entrega e sem planejamento, da situação das escolas, dos postos de saúde, do funcionalismos que, não à toa entram em greve, das festas com contas contestadas (lembram do show do Caetano), do hospital da mulher, dos cucas que esperamos até hoje e…sobretudo do deslumbramento de um executivo que se veste de joaninha e fala abobrinha enquanto a cidade mergulha no caos…Luizianne diz e repete que elege até um poste sem luz (vcs leram isso?)…pois bem, sem dependesse de mim, meus familiares , amigos e pessoas com quem convivo e converso, essa distinta senhora não ganharia eleição nem prá sindica…abraço Kézia, parabéns pelo trabalho e pelo espaço democrático. Parabéns!

Ana Pereira | quarta-feira junho 15 2011 | 23:07

É DA COMPETENCIA DO MEC DEFINIR SALÁRIO BASE?

Daniel | quinta-feira junho 16 2011 | 06:27

E viva a DITADURA Petista! Foi-se o tempo em que se tinha direito de expressão na cidade de Fortaleza. Ou se faz o que a a Prefeita Ditadora manda, ou leva cacetada e Spray de Pimenta da Guarda Municipal, tem pontos cortados, retaliações salariais, dentre outros. Será que o poder da Prefeita é tão grande para ter o controle total da câmara de vereadores a ponto de manobrar covardemente o que fizeram com os professores, inclusive burlando uma lei federal já julgada em definitivo pelo STF. Acredito que leis não servem para nada para a Prefeitura de Fortaleza. E a justiça? Que vergonha, se terminar ilegalidade em uma greve justa, pois a motivação não é política e sim de direito! Ainda corta a antecipação do 13 salário dos profissionais de saúde e educação, estando ou não em greve! Quanta desorganização e incompetência! Faço as palavras do deputado Fernando Hugo as minhas: ” Prefeita, faça um favor a Fortaleza! Renuncie!”

Harley Anderson | quinta-feira junho 16 2011 | 10:49

O direito de greve é assegurado por lei e não podem ser descontadas as faltas ao serviço por motivos de greve isso é inconstitucional. Ela está fazendo TERRORISMO com os funcionários tentando coagilos para acabar o movimento que acima de tudo DENUNCIA as coisas erradas do seu governo. Os SERVIDORES DA SAÚDE não tem medo de suas ameaças, somos instruidos e bem informados, conhecemos os nossos direitos.