Primeiro Plano
Atualizado em: 27/09/2011 - 10:09 am

O salto de qualidade da educação no Brasil avançou pouco além da universalização da matrícula, alcançada no Ceará na segunda metade da década de 90. A inclusão, de resto, só ressaltou que os desafios nessa área permanecem enormes e desnudam uma vergonha nacional: escolas públicas continuam produzindo analfabetos em série. Alunos deixam a sala de aula mal sabendo ler e escrever.

O programa Primeiro Plano vai mergulhar no tema iniciando na terça-feira (27) uma série especial sobre educação. Os convidados são Arnaud Cavalcante, professor formador do Conselho Estadual de Educação, e ex-presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais em Educação (Undime); e a professora Nivânia Menezes, representando os professores.

Envie a sua pergunta

Serão três programas, exibidos ao vivo no Jangadeiro Online e no canal 37 da Net, sempre às 15 horas, e veiculado  na TV Jangadeiro logo após o Jornal do SBT.  Internautas podem acompanhar e participar enviando perguntas pelo twitter e também pelo formulário no portal Jangadeiro Online.

Educação reprovada
Os exames de avaliação de desempenho de alunos e de escolas não deixam dúvidas sobre isso, a exemplo do que revelaram os resultados do último Exame Nacional do Ensino Médio (2010): oito em cada dez escolas públicas no Brasil ficaram abaixo da média. Todas as 20 piores são públicas. Na outra ponta, das 20 escolas com maiores médias, 18 são privadas e as duas públicas são vinculadas a universidades. No Ceará, apenas uma escola está entre as 100 melhores do país em desempenho no Enem. A instituição funciona em Fortaleza, é particular e ficou em 93º no ranking nacional.

Leia mais

Apenas uma escola cearense está entre as 100 melhores no Enem 2010

Enem bate recorde e tem 5,4 milhões de candidatos inscritos

No ranking estadual, apenas quatro escolas públicas estão entre as 100 melhores instituições do Ceará em desempenho no Enem 2010: Colégio Militar, Colégio do Corpo de Bombeiros e Colégio da Polícia Militar do Ceará, todos em Fortaleza, e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, no Crato.

Se na rede pública falta dinheiro, como sugere a primeira impressão, o que dizer desse retorno das escolas privadas e suas caras mensalidades ? O que é preciso para se ter uma escola de qualidade? Onde está o maior gargalo: no financiamento, na gestão, na valorização dos professores ?



2 comentários







2 comentários
Topo | Home


Irene Jucá | terça-feira setembro 27 2011 | 14:44

O qual a posição do Conselho Estadual de Educação quanto à não implementação da Lei do Piso na sua integralidade no Ceará?

Regina de Horizonte | quarta-feira setembro 28 2011 | 08:22

Acredito que a não valorização dos docentes, as salas de aulas como depósito de alunos e as precárias condições de trabalho são alguns dos motivos pelos quais a média de desempenho dos alunos de escolas públicas está tão baixa. Nas escolas partculares há uma estressante carga horária que não dá tempo ao aluno de estudar, mas apenas assistir diversas aulas por dia, tornando pífio o aprendizado.