Greve
Atualizado em: 02/08/2011 - 5:29 pm

Durante reunião com deputados, professores garantiram novo encontro com governo. Foto: Kézya Diniz

Os professores da rede pública estadual de ensino realizaram uma mobilização na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (02). Com faixas e palavras de ordem, os educadores reafirmaram críticas ao governador Cid Gomes, reivindicaram a implantação do Piso Nacional do Magistério e pediram o apoio dos parlamentares nas negociações com o governo.

Negociações
Os professores rejeitam a proposta de aumento salarial apresentada pelo Estado e decidiram decretar greve por tempo indeterminado a partir da próxima sexta-feira (05/08).

Pela proposta do Governo do Estado, seria elevada de R$ 1.461,50 para R$ 2 mil a remuneração do professor em início de carreira com nível superior, o que significaria aumento de cerca de 40%. Mas, o Sindicato Apeoc afirma que a medida só beneficiaria em torno de três mil professores – ou 20% da categoria.

Segundo o presidente da entidade, Anízio Melo, a categoria quer a implementação do piso salarial – segundo ele, calculado em R$ 1.597,00 – e mais o pagamento da progressão funcional descrita no plano de cargos e carreiras, que prevê percentuais de aumento na remuneração a cada novo título acadêmico do professor.

Comissão
Uma comissão formada por representantes da categoria foi recebida pelo presidente da Assembleia, deputado Roberto Cláudio. Também participaram da reunião os deputados Lula Morais (PCdoB); o líder do Governo, deputado Antonio Carlos (PT); e Eliane Novais (PSB).

Nova reunião
Na ocasião, Roberto Claudio ligou para o secretário da Fazenda, Mauro Filho, agendando uma nova reunião com a categoria para a quarta-feira (3), às 15 horas, na Secretaria de Educação do Estado. A titular do órgão, Isolda Cela, também participará do encontro.

O presidente da AL disse, ainda, que a Casa está à disposição dos professores para qualquer intermediação junto ao Governo.

Leia mais:
Professores da rede pública estadual decidem entrar em greve por tempo indeterminado

Audiência com o governador e Sindicato APEOC acontece nesta quinta 
Negociações não avançam e professores do Estado podem deflagrar greve nesta segunda 

Com informações da Agência de Notícias da AL



3 comentários







3 comentários
Topo | Home


Eduardo | quarta-feira agosto 3 2011 | 11:15

Esperamos que o Governo perceba o quanto sua proposta é prejudicial! E mais ainda: que não vá à mídia detrpando as informações! Pois já é fato conhecido que sua proposta só beneficia a minoria dos professores e, ao mesmo tempo, destrói a careira, tornando-a pouco atrativa! É um absurdo que os títulos acadêmicos (especialização, mestrado e doutorado) não sejam contemplados adequadamente nos níveis salariais! E para completar, o Governo ignora a questão do tempo de planejamento, definido em 1/3 na Lei, e se recusa a cumpri-lo. A sociedade espera que o Governo modifique o quanto antes sua proposta!

ROGERS | quarta-feira agosto 3 2011 | 19:44

O Sr. Governador deveria ganhar um prémio de mente mais brilhante do Brasil: pensar em uma proposta imoral desta requer genialidade e malignidade com a Educação Cearense

alexandre | quinta-feira agosto 4 2011 | 11:05

Na Realidade não beneficia nenhum professor, ele apenas mascara e engana os professores menos esclarecidos que estão no estato probatório.