Ceará
Atualizado em: 11/08/2017 - 11:28 am

Projeto de lei, de autoria da deputada Mirian Sobreira, institui a campanha Outubro Rosa na escola. Foto: Máximo Moura

A deputada Mirian Sobreira elaborou o projeto de lei que institui, no âmbito do estado do Ceará, a Campanha Outubro Rosa na Escola.

A iniciativa é um movimento internacional que visa à conscientização sobre a importância de um diagnóstico precoce e da prevenção contra o câncer de mama.

O nome remete à cor do laço rosa que simboliza a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.

Participação
A ideia do projeto de lei é estimular a participação dos jovens no controle do câncer de mama, por meio do compartilhamento de informações sobre o tema, conscientização sobre a doença e maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento. Desta forma, contribuir para a redução da mortalidade.

Risco
O câncer de mama é a maior causa de morte cancerígena nas mulheres em todo o mundo, com cerca de 520 mil mortes estimadas por ano. Apesar de ser considerado um tumor de relativamente bom prognóstico, se diagnosticado e tratado oportunamente, as taxas de mortalidade por esta doença continuam elevadas no Brasil, muito provavelmente porque ainda é diagnosticada em estágios avançados.

Prevenção
O câncer de mama quando diagnosticado e tratado no início, tem os riscos de mortalidade reduzidos. A deputada acredita que quanto mais cedo o tema for abordado, os estudantes poderão estar mais conscientes sobre a importância da prevenção. “Quanto antes crianças e adolescentes tiverem esse conhecimento, melhor. Eles poderão sensibilizar também os seus familiares”, disse a parlamentar.

Educação
Mirian Sobreira acredita o projeto de lei, que já tramita na Assembleia Legislativa, será uma boa oportunidade para aliar educação à prevenção e saúde. “Com este projeto de lei, será possível promover diversas ações dentro das escolas, conscientizando os estudantes e os deixando mais à vontade para falar sobre o assunto. O intuito é discutir o tema com as crianças e jovens, que assimilam de forma mais fácil, as orientações que recebem e, normalmente, as levam pra dentro de casa, conversando com seus pais e com os demais familiares”, disse Mirian.

Com informações da Assessoria



0 comentários







0 comentários
Topo | Home