Partidos
Atualizado em: 06/09/2011 - 5:41 pm

Deputado Roberto Mesquita (PV)

O deputado Roberto Mesquita (PV) criticou  nesta terça-feira (06) a criação da Contribuição Social para a Saúde, taxação que deve suceder a extinta CPMF. De acordo com o parlamentar, o brasileiro já paga muitos impostos, suficiente para o custeio da máquina pública e melhorias no setor de saúde.

Críticas a Cid
Para o deputado, é estranho que o governador Cid está capitaneando a criação do novo imposto. “Ele devia iniciar fazendo o dever de casa. Em uma viagem, a São Paulo, ele gasta R$ 85 mil em jatinho. Ele poderia ir de primeira classe e economizar R$ 83 mil. Somente os contratos mensais com empresas de táxi-aéreo chegam a R$16 milhões por ano. Se gasta com isso o suficiente para abrir a emergência do Hospital das Clínicas e melhorar a do IJF”, avaliou.

Arrecadação de impostos
Mesquita explicou que o “impostômetro”, instalado na cidade de São Paulo, já registrou neste mês uma arrecadação superior a R$ 970 bilhões e vai chegar até o final do ano a R$ 1,4 trilhão. Segundo o deputado, em 2005, o fisco arrecadava R$ 732 bilhões. “Seis anos depois, vamos dobrar a arrecadação de impostos e, mesmo assim, querem contrariar a proposta de campanha de Dilma Roussef, que dizia, em outubro do ano passado, que iria aprovar a PEC 29, sem recriar a CPMF”, avisou.

O parlamentar avalia que o Brasil tem a mais alta taxa tributária do mundo e prevê que a nova contribuição irá recair principalmente sobre as faixas menos favorecidas da população. “Quem tem muito dinheiro não usa cheque pré-datado. Só no Beco da Poeira e na feira de Messejana é que se compra com este tipo de crédito”, assinalou.

Proposta
Em vez de se criar novo imposto sobre cheques, Roberto Mesquita defendeu a taxação do lucro dos bancos e aumento dos impostos sobre produção e venda de cigarros e a bebidas alcoólicas. “A Saúde está doente”, afirmou. O parlamentar refutou a declaração do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, quando ele disse que extinção da CPMF foi uma covardia contra o povo brasileiro. Mesquita considera que a imensa maioria da população vive na periferia, que seria o principal alvo da nova taxação.

FHC
O deputado Fernando Hugo (PSDB) disse que fica absorto em não entender como pessoas que se diziam contra impostos agora defendem a CSS. “A CPMF de Adib Jatene foi desviada. Agora, criar novo imposto é tirar do povo sofrido, que vai pagar a mais na compra de todos os bens”.

Lula
De acordo com o deputado Lula Morais (PCdoB), o povo que mais precisa de saúde é o povo que menos pagou a CPMF. “Quem ganha até R$ 3.500 não pagava. A grande economia é quem custeava a contribuição. Quem ganha R$ 10 mil por mês pagava 38 reais, menos que uma rodada de cerveja”, disse.

Com informações da Assembleia Legislativa do Ceará



0 comentários







0 comentários
Topo | Home