Câmara Municipal
Atualizado em: 16/01/2017 - 9:01 am

Vereadora Cláudia Gomes ocupará cargo na Mesa Diretora, considerado um reduto masculino. Foto: Genilson de Lima

Uma série de desafios pontua a pauta da bancada feminina na Câmara Municipal de Fortaleza para esta legislatura. É preciso garantir a emancipação da mulher no mercado de trabalho, conquistar direitos, ganhar mais espaço na política e fazer valer cada vez mais a Lei Maria da Penha.

“Primeiramente, compromisso de fortalecer a participação da mulher na política, ainda é muito masculino. A figura do homem ainda é dominante e as mulheres acabam ficando sem voz. Precisamos empoderar as mulheres, mas não só em mandato eletivo, mas em outros setores da sociedade”, resume a vereadora Larissa Gaspar, em seu primeiro mandato.

Para ela, falta também desconstruir a cultura machista, fazendo referência ao aumento do feminicídio (crime de assassinato de uma mulher cuja motivação envolve o fato de a vítima ser mulher). “O Brasil é o quinto país do mundo com maior número de assassinato de mulheres”, frisou Larissa, acrescentando que “o Poder Público precisa se comprometer em criar políticas públicas e desconstruir essa visão, principalmente investindo nas entidades que oferece assistência à mulheres vítimas de violência , como Centro de Referência da Mulher Francisca Clotilde (CRM) e Casa Abrigo Margarida Alves”. Além disso, a vereadora prometeu trabalhar para combater a mercantilização da imagem feminina nas publicidades.

Mercado
A inserção da mulher no mercado de trabalho também preocupa Larissa Gaspar. Como solução, ela destaca a ampliação das vagas de creche, principalmente de tempo integral, para que as mães possam buscar qualificação profissional e novas oportunidades de trabalho.“Se conseguirmos pautar essas mudanças, já é um grande ganho”, disse ela, citando alguns projetos já protocolados, como a regulamentação do atendimento às mulheres vítimas de violência sexual nas unidades de saúde. Ela justifica que algumas mulheres ao procurar auxílio médico acabam sendo culpabilizadas e não têm seus direitos assegurados.

Diferenciada
Na avaliação de Cláudia Gomes, que foi eleita para ocupar a terceira secretária na Mesa Diretora da Câmara, a visão diferencial da bancada feminina traz avanços importantes as discussões do problema da cidade. Segundo ela, houve avanços na área da saúde, mas pautará seu mandato para implementar novas políticas no setor. Inclusive, na educação, defenderá a inclusão nas escolas sobre orientações sobre violência contra mulher, para que o assunto seja discutido entre a juventude. A parlamentar defendeu ainda uma execução das atividades parlamentares com transparência, contribuindo para uma administração enxuta e voltada para o coletivo. Além de Cláudia Gomes, outra mulher ocupa espaço na Mesa Diretora. Trata-se da vereadora Marília do Posto (PRP), que ocupa vaga de suplente.

Reunião
Por sua vez, a vereadora Lucimar Martins (PTC), conhecida como “Ba”, quer reunir as mulheres na Câmara Municipal para tratar das prioridades desta legislatura. A ideia édiscutir parcerias que possibilitaram importantes iniciativas das mulheres parlamentares. E anunciou que as prioridades da bancada são a reforma política e a aprovação de propostas que permitam mais espaço para as mulheres nas discussões políticas. A vereadora defendeu ainda a realização da reforma política, sob uma perspectiva da questão de gênero, para estimular as mulheres à maior participação na atividade político-partidária. “Precisamos ter mais força e voz. Acredito que, se a metade fosse mulher, seria melhor”, frisou ela, em referência a participação das mulheres nos Parlamentos. Ba defendeu também propostas de iniciativa para juventude e cultura.

Com informações do OE



0 comentários







0 comentários
Topo | Home