Ceará
Atualizado em: 31/05/2011 - 11:07 pm

Reprodução do vídeo de denúncia do mensalinho de Ibaretama

A Polícia Federal (PF) desencadeou uma operação que resultou na prisão de 20 agentes públicos no município de Ibaretama, no Sertão Central cearense, a cerca de 137 km de Fortaleza, acusados de desvio de dinheiro público.

A investigação da PF revela um esquema de pagamento de propina que beneficiou todos os nove vereadores da Câmara Municipal de Ibaretama por quase dois anos.

Registro em cartório
O Ministério Público Estadual (MPE) possui cópias de um documento que denuncia o crime. O mais inusitado é que cinco vereadores da base de apoio do prefeito de Ibaretama, Francisco Edson de Morais (PSB), não só promoveram o crime, como ainda registraram a negociata em um cartório da cidade.

Os parlamentares reconheceram firma em cartório de um acordo assinado para garantir o pagamento das propinas. Dois desses vereadores foram presos durante a operação.

Esquema
O presidente da Câmara de vereadores, João Vieira Picanço, que articulava a reeleição do biênio 2009/2010, deveria, segundo o acordo registrado em cartório, repassar todos os meses para outros quatro vereadores da base de apoio do prefeito, a quantia de R$4,5 mil.

Os quatro vereadores da oposição deveriam receber menos, mas também garantiram o pagamento do mensalinho com o repasse de R$ 2,7 mil por mês.

O acordo registrado em cartório ainda previa pagamentos para a contratação de outros beneficiários e itens como cafezinho e refrigerante, que totalizavam despesas de R$ 48 mil/mês.

Denúncia
As investigações sobre o mensalinho na Câmara Municipal de Ibaretama começaram ainda no ano passado quando o vereador Picanço decidiu quebrar o acordo e acabou cassado pela Câmara. “Indignado” com a situação, Picanço denunciou o esquema ao Ministério Público.

Picanço também gravou vídeos que motram a discussão dele com alguns dos envolvidos no esquema. As imagens foram parar na internet através do canal do youtube da Revista Central. Acompanhe:

Presos
O irmão do prefeito, que ocupa a secretaria de Obras no município, Raimundo Rodrigues Filho, foi preso na operação que ainda cumpriu mandados de prisão contra servidores públicos e empresários.

O ex-prefeito de Reriutaba, Carlos Aguiar, é citado no esquema e também acabou preso, assim como os vereadores  de Ibaretama Francisco Oliveira Filho e José Maria Cunha. Já o delator do esquema, João Picanço, não teve sequer o pedido de prisão formulado.

Com informações do Ministério Público Estadual.



1 comentário







1 comentário
Topo | Home


Walter | quarta-feira junho 1 2011 | 10:01

Engraçado, o cara que armou tudo nem entrou na fila pra ser preso. Deve ter feito algum arcodo de delação premiada.