Entrevista
Atualizado em: 27/06/2017 - 3:28 pm

Vitor Valim chama reformas do governo Temer de “equivocadas”

O deputado Vitor Valim (PMDB) chamou de “equivocadas” as reforma propostas pelo Governo Federal e disse que as matérias irão encontrar dificuldades para serem aprovadas.

“Vejo com dificuldades essas reformas equivocadas serem votadas”, frisou o parlamentar, acrescentando que, embora membro do PMDB, já se manifestou contrário às medidas. “Acho que as duas seriam importantes, mas não do jeito que estão”, disse em referência a reforma trabalhista e previdenciária.

O parlamentar fez críticas ao atual desenho do Congresso Nacional que, por conta da crise institucional instalada, não consegue votar matérias, “nem mesmo a reforma política”, a qual, segundo ele, “beneficia os próprios parlamentares”.

“Essa crise como um todo atrapalha qualquer coisa andar no Congresso, ou que venha a beneficiar ou não a população. Infelizmente, tem uma série de matérias que precisam ser votadas”, ressaltou ele, acrescentando ser favorável ao fim das coligações. “É uma maneira de fortalecer cada partido e acabar com a promiscuidade, automaticamente faz a peneira partidária”, disse. Com isso, defendeu uma agilidade do Judiciário aos casos envolvendo corrupção, pois, segundo Valim, “a impunidade estimula toda corrupção. É preciso separar o joio do trigo”.

Oposição
O deputado lembrou que, mesmo com a operação Lava Jato em andamento, casos semelhantes voltaram a ser identificados, o que, segundo ele, continuaram devido a falta de punição anterior. Ele deixou escapar também que o governo federal já não lhe olha como aliado, mas sim como oposição.

Janot
Já em relação a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva, Valim tentou minimizar e disse que o País passa por uma “grande crise institucional, além de ética e moral”. Para ele, é preciso esperar a peça que será encaminhada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “De antemão, toda investigação é bem vinda”, pontuou, acrescentando que nenhum partido ficou imune à crise.

Eleições 2018
Vitor Valim comentou também ser “prematura” a indicação de nomes para sucessão estadual de 2018 e pregou a tese de candidatura própria do partido. Segundo ele, ano que vem a sigla precisa se reunir para avaliar o cenário político e, então, definir possíveis indicações. Por enquanto, apenas organização interna visando o pleito eleitoral do próximo ano.

Com informações do OE



0 comentários







0 comentários
Topo | Home