Bastidores

Aécio Neves pediu R$ 2 milhões a Joesley, dizem executivos da JBS

Aécio é o presidente nacional do PSDB

Executivos do grupo J&F, proprietário da marca JBS, afirmam que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi gravado pedindo R$ 2 milhões a um dos donos da empresa, Joesley Batista, para pagar sua defesa na Operação Lava Jato.

A afirmação, divulgada pelo jornal “O Globo”, foi confirmada pela reportagem. Procurado, o senador não quis falar sobre o assunto.

Segundo os executivos da JBS, a quantia foi entregue a um primo do tucano, em ação filmada pela PF.

Gravação
A gravação que supostamente compromete o senador Aécio Neves tem 30 minutos e foi entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR). Deve integrar acordo de delação premiada, que aguarda homologação do ministro do Supremo Edson Fachin

Segundo o jornal “O Globo”, Aécio indicou um primo dele para receber o dinheiro. A Polícia Federal filmou a entrega do dinheiro e rastreou a propina por meio de marcadores eletrônicos. O dinheiro teria sido depositado em uma empresa do também senador tucano Zeze Perrella.

Leia ainda:
Áudio revela que Temer deu aval a compra do silêncio de Eduardo Cunha
“Fora Temer”: Oposição ingressa com pedido de impeachment

Na mira
A JBS esteve na mira de investigações da Polícia Federal em diferentes frentes desde 2016. Na sexta-feira (12), a PF deflagrou operação sobre supostas irregularidades na concessão de empréstimos do BNDES. O juiz responsável, Ricardo Leite, de Brasília, negou um pedido de prisão contra os donos da empresa. Em janeiro, uma operação mirou o grupo ao apurar suspeitas de concessão de créditos pela Caixa Econômica.

Com informações da Folha


Curtir: