Ceará, Corrupção, Denúncia, Polêmica
Atualizado em: 17/08/2011 - 7:57 am

Da Redação da Jangadeiro Online

Antônio Teixeira de Oliveira teve o mandato de prefeito de Senador Pompeu cassado

Foi aprovada pelos vereadores de Senador Pompeu, durante sessão na Câmara Municipal na noite desta terça-feira (16), a formação de uma Comissão Processante, que deve emitir parecer sobre a cassação ou não do prefeito afastado, Antônio Teixeira de Oliveira, e do vice, Flávio Mendes de Carvalho, ambos do PT. O prazo para o parecer é de até 90 dias. Durante esse tempo, o prefeito permanece afastado.

A votação era para ter acontecido na semana passada, mas a sessão da última sexta-feira (9) terminou em tumulto. Por conta disso, o presidente da Câmara Municipal de Senador Pompeu, vereador Chico Pinheiro, também do PT, suspendeu o processo de leitura do requerimento que pedia a instalação da Comissão Processante, feito pela pela presidente do diretório municipal do PSDB, Lúcia Aquino.

Luz desligada
Durante a sessão desta terça-feira (16), houve tumulto. Algumas pessoas chegaram a desligar a energia elétrica do prédio da Câmara, mas esta logo foi restabelecida. Depois do incidente, a polícia retirou o público presente em plenário, a pedido do presidente da Casa, restando apenas os vereadores.

Leia mais:
Justiça determina novo afastamento de prefeito de Senador Pompeu
Mobilização pede impeachment do prefeito afastado de Senador Pompeu

Acusações
O prefeito e o vice-prefeito de Senador Pompeu estão presos desde o fim do mês de junho no quartel do Corpo de Bombeiros, em Fortaleza. Eles e mais 29 pessoas são acusados de lavagem de dinheiro, desvio de verba pública e crime de peculato, além de fraude em licitações de obras

Vice-prefeito controlava
Os depoimentos colhidos pela Procuradoria de Combate aos Crimes Contra a Administração Pública (Procap) apontam o vice-prefeito de Senador Pompeu, Luiz Flávio Mendes de Carvalho, conhecido como “Luizinho do Inharé”, como o responsável pelo controle do esquema de desvio de dinheiro público.

De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), ele controlava o recebimento e o repasse dos recursos públicos desviados.

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me