Fortaleza Greve

Assembleia pode definir paralisação da maioria dos serviços públicos de Fortaleza

Servidores da Prefeitura de Fortaleza se concentram na Câmara dos Vereadores de Fortaleza na manhã desta quinta-feira (9) para a assembleia geral que poderá decidir a greve de várias categorias. De acordo com o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort), cerca de 30 mil profissionais podem cruzar os braços nas próximas horas.

Ônibus levando servidores do Instituto Doutor José Frota (IJF) e do Instituto de Previdência do Município (IPM) saíram do Centro da cidade em direção ao local da reunião.

Dentre as categorias que podem se unir aos agente de trânsito da AMC na paralisação estão os Agentes de Saúde de Endemias; Guarda Municipal e Defesa Civil; Garis da Empresa Municipal de Limpeza e Urbanização (Emlurb); Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu); Servidores do IJF; Servidores dos postos de saúde – Frotinhas e Gonzaguinhas; Servidores da Secretaria de Saúde de Fortaleza (SMS); Servidores do Centro de Atendimento à Criança – Croa’s; Servidores do Instituto de Pesos e Medidas de Fortaleza (Ipem); Servidores do  Instituto de Previdência do Município (IPM); Servidores da Secretaria de Finanças do Município (Sefin); Servidores da Secretaria de Infraestrutura do Município (Seinf); Secretaria do Meio Ambiente de Fortaleza (Seman); e a Secretaria de Administração do Município (SAM).

Continuam trabalhando apenas os médicos, professores e servidores da Procuradoria Geral do Município.

Ilegalidade
A greve dos servidores da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania de Fortaleza (AMC) foi declarada ilegal. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (8), pelo desembargador Paulo Francisco Banhos Ponte, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

O magistrado determinou ainda o retorno às atividades de pelo menos 90% do efetivo, no prazo de 24 horas a partir da intimação. Em caso de descumprimento, foi estipulada multa diária no valor de R$ 10 mil.

Também já foram declaradas abusivas e ilegais a movimentação dos servidores e agentes da saúde e do Samu.

Temporários
A prefeita Luizianne Lins declarou que já estão sendo preparados editais para a contratação de servidores temporários para a substituição dos empregados públicos que aderirem a greve. A prioridade é a contratação de agentes comunitários de saúde, agentes sanitaristas e socorristas plantonistas do Serviço de Atendimento de Urgência (Samu).

Leia mais:
Ilegalidade da greve: Samu contesta decisão da Justiça
Declarada ilegalidade da greve dos agentes da AMC

Prefeitura pede ilegalidade da greve dos agentes da AMC

TRT considera abusiva a greve dos agentes de saúde e sanitaristas

Redação Jangadeiro Online, com informações do Sindifort