Contas Abertas

Carrinho de Compras: Câmara tem contrato de R$ 5,6 mi para impressões de gabinetes

Carrinho de Compras: Câmara tem contrato de R$ 5,6 mi para impressões de gabinetes

Para garantir as impressões nos gabinetes dos deputados, a Câmara Legislativa Federal tem um contrato de R$ 5,6 milhões com a empresa Microsens S/A.

Com vigência de 2015 a agosto de 2019, os valores correspondem à prestação de serviços de impressão corporativa, mediante disponibilização de equipamentos para impressão monocromática A4.

O levantamento é da ONG Contas Abertas.

Equipamentos
O contrato também inclui a instalação, configuração, treinamento dos usuários, garantia de funcionamento da solução, suporte técnico e fornecimento de todos os suprimentos, exceto papel. A contratação visa à disponibilização de equipamentos de impressão nos Gabinetes Parlamentares.

A empresa deve disponibilizar 513 (o mesmo número de deputados federais) equipamentos multifuncionais monocromáticos A4 com manutenção e suporte técnico e 513 impressoras monocromáticas A4 com manutenção e suporte técnico.

Impressão
De acordo com o edital de licitação do serviço, estima-se a impressão de 2 mil páginas A4, por mês, em cada equipamento multifuncional monocromático. Já nas impressoras, a estimativa é de 500 páginas A4. Isto é, as impressões alcançam cerca de 15,4 mil páginas por ano. A Câmara exige que todos os equipamentos sejam novos e para primeiro uso, compatíveis com o porte da solução.

Alarme
A Câmara dos Deputados reservou R$ 618,5 mil para a prestação de serviços de operação e manutenção preventiva e corretiva nos sistemas de detecção e alarme, prevenção e combate a incêndio da Casa. O valor atende despesas até 16 de novembro de 2018.

Limpeza
A Câmara também destinou R$ 2,2 milhões para a prestação de serviços gerais continuados de limpeza e conservação, com fornecimento de materiais e equipamentos, nos edifícios anexos II e III da Casa. O pedido foi realizado pelo Departamento de Tecnologia da Câmara.

Tudo OK?!
O levantamento é do portal Contas Abertas. A publicação ressalta que, em princípio, não existe nenhuma ilegalidade nem irregularidade neste tipo de gasto feito pela União e que o eventual cancelamento de tais empenhos certamente não ajudaria, por exemplo, na manutenção do superávit do governo ou em uma redução significativa de despesas.

A intenção de publicar essas aquisições é popularizar a discussão em torno dos gastos públicos junto ao cidadão comum, no intuito de aumentar a transparência e o controle social, além de mostrar que a Administração Pública também possui, além de contas complexas, despesas curiosas.

Com informações do portal da ONG Contas Abertas


Curtir: