Nacional

Carrinho de Compras: TSE gasta R$ 1,8 milhão com brigada de incêndio

Carrinho de Compras: TSE gasta R$ 1,8 milhão com brigada de incêndio

Prestes a julgar a chapa Dilma-Temer, o Tribunal Superior Eleitoral pode pegar fogo nas próximas semanas. A Corte reservou R$ 1,8 milhão para a prestação de serviços de brigada de incêndios e primeiros socorros a serem prestados na Corte mediante a alocação de postos de trabalho.

Nos valores estão incluídos bombeiros civis diurnos e noturnos. O levantamento é do portal Contas Abertas.

Outra segurança
O Supremo Tribunal Federal (STF) também está preocupado com “segurança”, mas não tem nada a ver com incêndios. A Corte reservou R$ 149,1 mil para a prestação de serviços na área de segurança pessoal privada, incluída condução de veículos oficiais de representação e escolta.

Volvo
Já o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reservou R$ 13,6 mil para a contratação de empresa, para prestação de serviços de manutenção corretiva, funilaria, pintura com substituição de peças genuínas e aplicação de óleos lubrificantes diversos, com controle de qualidade da montadora volvo para os veículos da frota do STJ.

Cartão
O Supremo Tribunal Federal (STF), por sua vez, empenhou R$ 46,1 mil para a aquisição de seis impressoras de cartão do tipo PVC e conjunto de suprimentos para que sejam feitas as impressões.

Açúcar
O Superior Tribunal de Justiça garantiu o cafezinho doce. O Tribunal empenhou R$ 6,5 mil para a compra de 1.500 pacotes de açúcar cristal de primeira qualidade da marca Mamãe.

Água
Enquanto isso, o Superior Tribunal Militar (STM) garantiu a qualidade da água, pois vai destinar R$ 1,1 mil para a aquisição de 11 filtros 2 em 1, para purificador de água, com média de vida útil de 4.000 litros (9 a 12 meses). Os filtros devem ser compatíveis com o purificador de água da marca Everest e modelo Soft Plus.

Títulos nacionais
O STJ também reservou R$ 76,5 mil para o fornecimento de obras bibliográficas, estimadas em 1.258 títulos nacionais, abrangendo várias áreas.

“Mensageria”
O STJ vai destinar R$ 1,8 milhão para a prestação de serviços de “mensageria” e supervisor de “mensageria”. O serviço possibilita que a empresa possa organizar e controlar de forma completa a logística de documentos, malotes e volumes cujo trâmite ocorre interna ou externamente às suas dependências, reduzindo custos com comunicações desnecessárias e aumentando a efetividade das entregas.

Tudo OK!?
O levantamento é do portal Contas Abertas. A publicação ressalta que, em princípio, não existe nenhuma ilegalidade nem irregularidade neste tipo de gasto feito pela União e que o eventual cancelamento de tais empenhos certamente não ajudaria, por exemplo, na manutenção do superávit do governo ou em uma redução significativa de despesas.

A intenção de publicar essas aquisições é popularizar a discussão em torno dos gastos públicos junto ao cidadão comum, no intuito de aumentar a transparência e o controle social, além de mostrar que a Administração Pública também possui, além de contas complexas, despesas curiosas.

Com informações do portal Contas Abertas


Curtir: