Bastidores

Cerveró diz que Lula lhe deu cargo em agradecimento por perdão de dívida do PT

Cerveró diz que Lula lhe deu cargo em agradecimento por perdão de dívida do PT. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Cerveró diz que Lula lhe deu cargo em agradecimento por perdão de dívida do PT. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse nesta terça-feira (8) em audiência na Justiça Federal que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o teria indicado para a Diretoria Financeira da BR Distribuidora em agradecimento por sua atuação pelo perdão de uma dívida de R$ 12 milhões do PT junto ao Banco Schahin.

Cerveró disse ter sido informado sobre o gesto de Lula por executivos do próprio banco. “Não foi um reconhecimento oficial, mas foi um motivo de reconhecimento que levou o presidente Lula a me indicar para a BR Distribuidora. Isso me foi dito pelo pessoal da Schahin.”

Video
O depoimento, feito por videoconferência, fez parte de uma audiência em um processo que corre na Justiça Federal em Brasília, em que o senador cassado Delcídio do Amaral e o ex-presidente Lula são acusados de tentar comprar o silêncio de Cerveró, de modo a impedi-lo de celebrar um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato.

Também são réus no caso o ex-advogado de Cerveró, Edson Ribeiro; o assessor de Delcídio, Diogo Ferreira; o ex-presidente do banco BTG Pactual André Esteves; e o pecuarista José Carlos Bumlai.

Reconhecimento
“A informação que me foi dada é que isso seria um reconhecimento do trabalho que eu havia feito na liquidação da dívida do PT em 2006. Eu tinha conseguido através da contratação da Schahin Óleo e Gás, operadora de uma das sondas que nós contratamos”, acrescentou Cerveró ao juiz substituto da 10ª Vara Criminal da Justiça Federal de Brasília.

Condenados
Em setembro, Cerveró, Bumlai e executivos do Banco Schahin foram condenados pelo juiz federal Sérgio Moro por causa de um empréstimo fraudulento de R$ 12 milhões, contraído em 2004. O dinheiro foi destinado a pagar dívidas de campanha do PT e nunca foi devolvido. Em troca, o grupo Schahin celebrou, em 2006, um contrato de US$ 1,5 bilhão para operar um navio-sonda da Petrobras.

Defesa de Lula
Para a defesa de Lula, as declarações de Cerveró comprovam que o ex-presidente não teve nenhuma participação no negócio. “Ele [Cerveró] ouviu dizer”, disse Cristiano Zanin, advogado de Lula, após a audiência. “Não há comprometimento nenhum [de Lula], se não ele [Cerveró] teria recebido esse recado de alguém qualificado, e não alguém tão distante de Lula”, acrescentou o advogado.

E ainda
Devido a pressões políticas, Cerveró foi demitido da Diretoria Internacional da Petrobras em reunião do Conselho de Administração da empresa realizada em 3 de março de 2008, mesmo dia em que foi indicado para a Diretoria Financeira da BR Distribuidora, subsidiária da petroleira estatal.

Com informações da Abr


Curtir: