Polêmica

Cid Gomes diz que anistia a PMs grevistas é “frouxidão”

Cid Gomes na entrevista coletiva após visita a AL em 2011. Foto: Kézya Diniz

Primeiro a enfrentar uma greve de policiais militares neste ano, o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), disse durante entrevista ao jornal Folha de s.Paulo que a paralisação deve ser considerada “crime federal” e que conceder anistia é “frouxidão”.

“Greve não é uma iniciativa de quem quer negociação. Greve é uma medida extrema”, disse Cid à Folha.

Frouxidão
Sem fazer referência à greve de PMs em curso na Bahia, mas falando genericamente, o governador do Ceará afirmou que “na hora que se concedeu a anistia, isso é uma frouxidão”.

Hein!?
Somente o Congresso Nacional pode aprovar lei anistiando policiais que cometerem crimes militares, como sindicalização e greve. No caso dos policiais cearenses, ainda não houve aprovação de anistia.

Leia ainda:
Governador da Bahia chama PM’s em greve de criminosos, nega anistia, pede prisão de grevistas e lembra estilo Ciro Gomes   
Líder da PM baiana diz que governador Jacques Wagner já financiou greve

Preparado
Cid Gomes defendeu que o governo federal esteja preparado para enviar grandes efetivos de segurança em casos de paralisações de policiais nos Estados, como está ocorrendo agora na Bahia.

“Se quem deveria fazer segurança entra em greve, o que é proibido pela Constituição, o país deve ter formas de assegurar segurança à população”, afirmou.

Greve no Ceará
A paralisação no Ceará foi deflagrada em 29 de dezembro e terminou em 4 de janeiro. Entre as reivindicações estava a incorporação de gratificação ao salário e diminuição da jornada de trabalho.

O governador afirma que as ocorrências policiais permaneceram no mesmo patamar e que o principal problema no período foi uma “boataria” que se espalhou.

Leia ainda:
Greve da PM: Ciro fala em “conchavo”, chama policiais de “marginais” e “covardes” e diz que Cid foi coagido     

Policiais reagem às declarações e sugerem que Ciro faça pesquisa para saber quem é “bandido”   

PEC 300
Cid Gomes diz que as atuais greves têm sido articuladas depois que houve um movimento nacional da categoria pela aprovação da PEC 300, que unificaria os pisos salariais das PMs.

“A PEC não andou, mas essa luta nacional permitiu que eles se conhecessem nacionalmente, trocassem experiências, e resolveram fazer esses movimentos”, disse. Ele ainda acrescentou que a greve de PMs ainda chegará a outros Estados.

Comento 1 – silêncio
Desde o final de 2011, o governador Cid Gomes evita o contato com a imprensa do Ceará sobretudo nas entrevistas chamadas de “quebra-queixo” em que os repórteres cercam o entrevistado de pé com microfone e gravadores nas mãos.  Pelo visto, o governador cearense  guardou as declarações mais fortes para a imprensa nacional.

Por qual motivo? São várias as possibilidades. É preciso respeitar a decisão, mas fica a dúvida.

Comento 2 – frouxidão
O governador Cid Gomes disse, através de interlocutores, que todos os policiais e bombeiros militares que participaram das manifestações desde novembro de 2011 seriam anistiados.  Agora afirma que “na hora que se concedeu a anistia, isso é uma frouxidão”.

Trocando em miúdo: Ou Cid Gomes não pretende conceder a anistia prometida aos PM’s e bombeiros, ou está assumindo publicamente que compactua com a “frouxidão” em seu governo. 

Comento 3 – batata quente
Com a informação de que somente o Congresso Nacional pode aprovar lei anistiando policiais que cometerem crimes militares, como sindicalização e greve, fica claro que a estratégia é jogar a batata quente nas mãos da bancada cearense. É esperar pra ver.

Da Folha.com

One thought on “Cid Gomes diz que anistia a PMs grevistas é “frouxidão”

  1. O Governador perdeu o rumo das coisas está mais perdido do que nunca, além de falar baboseiras aprendidas com seu irmão.

Comments are closed.