Fortaleza

Cid Gomes diz que não existe plano ‘B’ para Reveillon em Fortaleza

Cid Gomes diz que não existe plano ‘B’ para Reveillon em Fortaleza. Declaração foi feita na manhã deste domingo, na Praia do Futuro. Foto: Omar Jacob

Faltando apenas 22 dias para a virada do ano, o governador Cid Gomes disse que não existe uma plano “B” para a realização da festa de réveillon em Fortaleza, caso a prefeitura decida por não garantir o evento. A declaração foi feita neste domingo (09), durante panfletagem na Praia do Futuro para divulgar a inauguração do Estádio Castelão.

Impasse
Por conta da disputa política nas últimas eleições, a festa do réveillon deste ano vive um impasse. A prefeita Luizianne Lins (PT) havia condicionado a realização da festa a “garantias” do governo do Estado e do futuro prefeito, Roberto Cláudio (PSB). O Estado prometeu dar as condições no que diz respeito a Segurança Pública e o prefeito eleito disse que vai dar as garantias que “cabem a futura gestão” para a realização da festa de Réveillon da capital.

Leia também:
Após declarações de Luizianne, Roberto Cláudio diz que garante Réveillon de Fortaleza
Luizianne quebra o silêncio, segue de preto, muda equipe de transição e cobra “garantias” Cid Gomes e RC para fazer o Réveillon

Plano ‘B’
Em entrevista à imprensa, após a panfletagem para divulgar a inauguração do Estádio Castelão, o governador Cid Gomes disse que entrou em contato com a prefeitura de Fortaleza há cerca de um mês para saber se a administração do município assumiria o compromisso de realizar a festa. Segundo Cid Gomes, a resposta foi positiva e o governo do Estado avaliou que não seria necessário nenhum tipo de interferência. “Eu perguntei a prefeitura há um mês se eles iriam fazer o réveillon. Disseram que sim. Agora o governo não tem o plano ‘B'”, disse o governador.

Não dá mais!
Cid Gomes explicou ainda que não existe tempo hábil para que o Estado organize a festa, uma vez que o evento exige a abertura de processos de licitação para contratação das estruturas de palco e fogos de artifício, além da contratação de artistas que “não precisam de licitação, mas tem uma agenda para negociar” a participação na festa da virada no ano.

Com informações do repórter Omar Jacob


Curtir: