Eleições 2016

Ciro diz que adversários usam eleição de Fortaleza para desgastar candidatura em 2018

Ciro diz que adversários usam eleição de Fortaleza para desgastar candidatura em 2018
Ciro diz que adversários usam eleição de Fortaleza para desgastar candidatura em 2018

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse que seus adversários querem usar a disputa pela Prefeitura de Fortaleza “desgastar” sua possível candidatura à presidência da República em 2018.

“Se o que está em discussão é o destino de Fortaleza. Não tem nada haver lideranças que não tem nada a ver com esta conjuntura usar este espaço para agredir, insultar e destruir a imagem do outro. No meu caso, seria claramente está a provocação”.

“Sou candidato em 2018, toda calhorda, toda canalha, toda equipe de Michel Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Tasso Jereissati, Eunício Oliveira. Todos eles querem usar a eleição de Fortaleza para desgastar uma possível candidatura minha à presidente da República. Não vou entrar nesse jogo”, frisou ele.

As declarações foram feitas, na quarta-feira (26), em conversa com a imprensa, durante inauguração do shopping Rio Mar Presidente Kennedy.

De olho em 2018
Ciro defendeu que, na verdade, deseja dar a Fortaleza uma “grande administração”, até porque, segundo ele, sua candidatura em 2018, só será viável “se o meu Estado estiver bem administrado”. Para o ex-ministro, a disputa na capital cearense não equivale a nenhum “tabuleiro de xadrez ou jogo de dama, para jogar peça com o povo”.

“Fortaleza é uma cidade que tem problemas tremendos, mas que encontrou um caminho de qualificação do seu espaço urbano, de qualidade dos serviços essenciais e outros desafios que ainda não estão bem equacionados, Evidentemente tem a questão da segurança e o problema do desemprego”, pontuou o pedetista.

“Longo demais”
Ainda sobre a disputa eleitoral, o ex-ministro afirmou que “algumas lições” precisam ser observadas. “Está longo demais o segundo turno. Ficou evidente, pelo primeiro turno, que poderia reduzir sem prejuízo da boa informação da população”, disse ele, acrescentando que “cria-se uma psicologia destruidora do debate, na medida que certos grupos, que não tem compromisso com nada, põe-se abusar do horário dito gratuito, pois é pago com dinheiro público, para agredir e caluniar. Isso é chato e desagradável. Fere a democracia, que já está muito ferida. Mas, cria o expurgo destas pessoas”.

PEC 241
Ciro, por mais de uma vez, criticou a gestão Michel Temer, sobretudo a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que pretende amenizar o rombo nas contas públicas. Para ele, o peemedebista faz uma “administração das contas públicas ruinosa”, pois impõe à sociedade um “custo impagável”.


Curtir: