Polêmica

CNJ deve punir juízes ‘vagabundos’, diz corregedora

Depois de acusar a existência de “bandidos escondidos atrás da toga” e provocar uma crise no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a corregedora nacional de Justiça, Eliana Calmon, reacendeu a polêmica no Judiciário ao afirmar, na terça-feira (28), que é preciso expor as mazelas do Judiciário e punir juízes “vagabundos” e proteger os magistrados honestos que, ela ressaltou, são a maioria.

Bate
“Faço isso em prol da magistratura séria e decente e que não pode ser confundida com meia dúzia de vagabundos que estão infiltrados na magistratura”, explicou a corregedora em sessão da Comissão de Constituição e Justiça do Senado na qual se discutiu a proposta de emenda constitucional que amplia e reforça os poderes correcionais do CNJ.

Rebate
A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) rebateu a ministra cobrando que ela diga quem são os “vagabundos”.

Leia ainda:
Corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon, reafirma que há ‘bandidos de toga’      

CNJ: 35 desembargadores são acusados de cometer crimes      
Nos jornais: Para Peluso, CNJ precisa investigar corregedorias 
STJ pagou R$ 2 milhões a ministros. Calmon aponta erro mas, para juízes, quem deve ser investigada é ela  

Em setembro do ano passado, Eliana despertou indignação na magistratura ao dizer que ela “está com gravíssimos problemas de infiltração de bandidos que estão escondidos atrás da toga”. O próprio presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, Cezar Peluso, respondeu aos ataques, exigindo que a corregedora revelasse nomes.

Do Estadão.com