Denúncia
Atualizado em: 16/06/2011 - 8:40 pm

Pelo segundo dia consecutivo, a sessão na Câmara dos Vereadores de Fortaleza foi marcada por confusão e bate-boca. Mais uma vez, pelo mesmo motivo: uma denúncia de fraude em documentos relacionados ao plano diretor.

Salmito denúncia fraude em documentos do Plano Diretor Foto: reprodução TV Jangadeiro


Às claras

O relator da Comissão que deveria apreciar a matéria identificou diferenças entre o texto enviado à Câmara pela prefeitura de Fortaleza e o documento analisado por vereadores. Salmito Filho (PT) avaliou o caso como uma “fraude” e fez a denúncia em Plenário.

“Havia a inclusão de alguns itens, inclusive de um artigo e de outros incisos. Houve várias modificações (…) É claro que essa mensagem pode ser alterada, mas deve ser alterada como manda o regimento, às claras, na tramitação normal, com transparência”, ressaltou Salmito.

Rascunho em Tramitação
O vereador Ronivaldo Maia, que é líder da prefeita Luizanne Lins na Câmara Municipal de Fortaleza, negou que tivesse havido uma tentativa de fraudar documentos, mas acabou admitindo que o texto analisado pelos vereadores foi alterado e disse que o documento que estava em tramitação era uma espécie de “rascunho” do documento original.

“A gente, de fato, se deparou com isso. A mensagem original do Governo estava num processo tombado e o que tava tramitando era uma mensagem que tratava do mesmo assunto, mas tipo um rascunho”, explicou.

A matéria
A matéria trata de adequações do Plano Diretor e inclui autorizações para obras relacionadas a Copa do Mundo de 2014 e até para o Acquário que o  governo do Estado quer construir na Praia de Iracema.

“Respeite”
O assunto monopolizou a sessão desta quinta-feira (16) na Câmara Municipal. Debate acirrado, com bate boca e troca de acusações. A vereadora Magaly Marques (PMDB) e o vereador Plácido Filho (PDT) discutiram. A parlamentar chamou Plácido de “vagabundo” e “irresponsável”. O pedetista revidou “vagabunda é você, me respeite”. A sessão foi encerrada e os microfones cortados.

Sem papel
Antes disso, o presidente da Casa, vereador Acrísio Sena (PT), anunciou medidas para evitar possíveis fraudes como, por exemplo, a informatização do processo de apresentação de documentos.

“Acabando com os papeizinhos assinados e deixando sempre disponível na internet  todo o trâmite dos processos que chegam nesta Casa”, disse.

Apuração
Mas a oposição insiste em apurar a troca, já ocorrida,  do documento original por um “rascunho”.

“Se houve fraude, ou se não houve, eu não posso afirmar. Se houve má fé ou se houve equivoco, incompetência, mas isso é preciso aparecer porque o fato é grave”,defendeu o vereador João Alfredo do Psol.

Acompanhe a matéria exibida no Jornal Jangadeiro:

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me