Ceará

Deputada defende combate da “violência obstétrica”

Aderlânia defende combate a violência obstétrica

A deputada estadual Aderlânia Noronha (SD) apresenta projeto de Lei que tem por objetivo a implantação de medidas de informação e proteção à gestante e parturiente contra a violência obstétrica no Estado do Ceará.

A parlamentar, ciente das “humilhações e descasos em maternidades e hospitais públicos em vários municípios cearenses” considera como “violência obstétrica” todo ato praticado pelo médico, enfermeiros, equipe do hospital, por um familiar, companheiro ou ainda acompanhante que ofenda, de forma verbal ou física, as mulheres gestantes, em trabalho de parto ou, ainda, em período puerpério.

Ofensa
Aderlânia avalia que os efeitos da presente Lei se destacam como: “ofensa verbal ou física de forma grosseira, zombeteira ou de qualquer outra maneira que a faça se sentir mal pelo tratamento recebido”, destaca a deputada. “Eu irei publicar em todas as redes sociais e com certeza receberei manifestações de usuários cearenses e de outros estados brasileiros”, comentou.

“Espero que comemorem a medida e também nos envie esclarecimentos sobre a Lei que será aprovada pelos meus colegas na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará e sancionada pelo governador Camilo Santana”, defende a parlamentar.

Interação
Segundo Aderlânia, além da interação promovida pelas redes sociais, os interessados também podem solicitar cópia da lei na íntegra pelo o telefone do gabinete da parlamentar, (0**85) 3277-2891 ou 2339. “Portanto cumprindo o meu mandato confiado pelos meus eleitores, fico aguardando comentários, denúncias e relatos de mulheres que já sofreram violência obstétrica”, disse.


Curtir: