Em Brasília

Deputado desafia Dilma e diz que PMDB não perderá cargo no Dnoc. Ou o Brasil virou República das bananas?

Henrique Alves e Dilma Rousseff. Foto: Divulgação

Em um gesto público de insatisfação com o governo de Dilma Rousseff, o PMDB desafiou o Planalto a demitir o apadrinhado da legenda que comanda o Dnocs, órgão federal de combate à seca. O recado foi dado pelo líder da bancada de deputados federais do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), que é o candidato oficial da base governista a comandar a Câmara a partir de 2013. Veja o que diz o deputado. A reportagem é da Folha de S. Paulo. Comento no final do post.

“O governo vai brigar com metade da República, com o maior partido do Brasil? Que tem o vice-presidente da República, 80 deputados, 20 senadores? Vai brigar por causa disso? Por que faria isso?”, questionou Alves, responsável pela indicação sob ameaça de exoneração.

Hein?!
O deputado também cobrou reciprocidade, defendendo que Dilma aja em relação a seu afilhado da mesma forma que agiu com ministros que, mesmo sob suspeita, foram mantidos nos cargos.

Dnocs
No centro da crise está o diretor-geral do Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra a Seca), Elias Fernandes, filiado ao PMDB. O governo cogita tirá-lo depois que a CGU (Controladoria-Geral da União) apontou desvios de R$ 192 milhões na estatal. O Dnocs é vinculado ao ministro Fernando Bezerra (Integração), do PSB, que confirma a informação de que haverá mudanças no órgão.

Leia ainda:
Após denúncia em Obra no Ceará, Dilma demite diretor do Dnocs 

Comento
Que país é este em que um deputado federal ameaça o governo através de recados e entrevistas de jornais como se fosse a coisa mais natural do mundo? ‘O Governo vai brigar com metade da República’, pergunta o parlamentar. Como assim? Que ‘República’ é essa? A das bananas?!

Quer dizer que a presidente Dilma só pode demitir seja lá quem for, acusado pelo suposto envolvimento em irregularidades no órgão pelo qual responde, com a permissão de um partido político, no caso o PMDB? Absurdo!

Num país sério, um deputado não revelaria este tipo de pensamento, muito menos faria uma ameça pública ao presidente de uma nação.

Fazer o quê? Neste mesmo país, políticos andam com dinheiro roubado dos cofres públicos dentro de meias, malas e (para incluir o Ceará na roda) até em cuecas.  “Autoridades” do crime que deveriam estar na cadeia mas que, ao invés disso, gozam de imunidade e a cada dia ocupam postos de maior destaque e prestígio junto ao Palácio do Planalto.

Sim,. O Brasil é mesmo o país da piada pronta. 

Voltando a Henrique Alves: O pior é que o parlamentar ainda cobra reciprocidade ao seu afilhado lembrando a forma como Dilma agiu diante dos ministros envolvidos em um mar de denúncias de corrupção. Como a faxina prometida ficou pra não se sabe quando, o deputado governista deve mesmo saber o que está pedindo. Pior, é provável que seja atendido.


Curtir: